segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Nove trechos da Bíblia que fazem apologia à tortura

Texto sagrado dos 
cristãos prega violência 
física e psicológica
Enquete do Washington Post-ABC News mostrou que os norte-americanos mais religiosos opinaram que a “técnica avançada de interrogatório” (leia-se tortura) submetida aos suspeitos de terrorismo pela CIA foi justificável, tendo em vista que a segurança nacional corre risco.

Já os norte-americanos menos religiosos, ateus e agnósticos mostraram-se indignados com o tratamento desumano aos suspeitos. A enquete foi feita entre os dias 11 e 14 de dezembro de 2014, com margem de erro 3,5 pontos. Mil pessoas foram consultadas por telefone

O resultado da “técnica” utilizado pela CIA tem sido questionado por especialistas, criando-se uma polêmica porque fere os direitos humanos.

A psicóloga Valerie Tarico, autora de livros sobre crenças religiosas, preferiu abordar outro ponto.

Para ela, já era esperado que os norte-americanos mais religiosos aprovassem a tortura como método de interrogatório da CIA porque a Bíblia está repleta de justificativas para a violência, muitas ditadas pelo próprio Deus.

Ela destacou nove trechos bíblicos que pregam a tortura e dor como castigo.

1 – Maldição de Eva

Já no começo da Bíblia, Deus amaldiçoa Eva por ela ter experimentado o fruto da Árvore do Conhecimento. O castigo de Deus foi a dor.

Em Gênesis 3:16 Deus diz à mulher: “Multiplicarei grandemente a tua dor, e atua conceição; com dor darás à luz filhos; e o teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará”.

João 16:21 tenta relativizar a dor do parto: “A mulher, quando está para dar à luz, sente tristeza, porque é chegada a sua hora; mas, depois de ter dado à luz a criança, já não se lembra da aflição, pelo prazer de haver nascido um homem no mundo”.

2 – Teste de lealdade

Deus impõe a Jó o sofrimento psicólogo em consequência de uma aposta que fez com Satanás. Sem que fosse avisado disso, Jó virou um joguete dos dois. Deus apostou que Jó lhe permaneceria fiel mesmo na mais cruel adversidade. Assim, a casa de Jó caiu, esmagando seus filhos. Ele se tornou mendigo e, coberto de furúnculos, foi rejeitado pelos seus vizinhos. Deus ganhou a aposta. Jó se manteve fiel e teve de volta seus filhos e riqueza. Por causa desse episódio, até hoje cristãos costumam entender que os sofrimentos são um “teste de fé”. O fato é que, à luz do direito da atualidade, Jó poderia processar Deus e Satanás por danos morais e materiais.

3 – Deus dá ordem para “limpeza étnica”

Em Números 31: 1-35, Deus determina aos hebreus que matassem os midianistas (descendentes de Abraão com Quetura), o que hoje seria uma “limpeza étnica”. Mas Deus abriu uma exceção: as virgens deveriam ser poupadas para que fossem usadas como escravas sexuais.

Diz Números 31: 17-19: “Agora, pois, matai todo o homem entre as crianças, e matai toda a mulher que conheceu algum homem, deitando-se com ele. Porém, todas as meninas que não conheceram algum homem, deitando-se com ele, deixai-as viver para vós. E alojai-vos sete dias fora do arraial; qualquer que tiver matado alguma pessoa, e qualquer que tiver tocado algum morto, ao terceiro dia, e ao sétimo dia vos purificareis, a vós e a vossos cativos”.

Há aqui, primeiro, a tortura física, a matança (inclusive de crianças), e, segundo, o sofrimento psicológico e físico das mulheres que foram tomadas como escravas sexuais.

Tarico observou que, embora não possa ser classificado como sadismo no sentido psicossexual clássico, esse episódio mostra a aprovação de Deus à aplicação em vítimas indefesas de sofrimento intenso e repetitivo, para obtenção de gratificação sexual ou ganho pessoal.

4 – Demonstração de força

No empenho de Moisés para libertar o seu povo da escravidão, no Egito, Deus demonstra a sua vocação para torturador, além de vingativo.

Mesmo depois de o Faraó prometer libertar os israelitas, Deus decide castigar a população egípcia, sem poupar crianças e mulheres.

Diz Êxodo 7: 3-5: “Eu, porém, endurecerei o coração de Faraó, e multiplicarei na terra do Egito os meus sinais e as minhas maravilhas. Faraó, pois, não vos ouvirá; e eu porei minha mão sobre o Egito, e tirarei meus exércitos, meu povo, os filhos de Israel, da terra do Egito, com grandes juízos. Então os egípcios saberão que eu sou o Senhor, quando estender a minha mão sobre o Egito, e tirar os filhos de Israel do meio deles”.

O que se segue é um conjunto de perversidade contra os egípcios que preenche páginas da Bíblia.

As dez pragas que castigaram toda a população são: a água potável se transformou em sangue, rãs e sapos se espalharam por toda a região, piolhos atacaram homens e animais, o mesmo fizeram moscas, uma peste matou milhares de animais, homens e animais foram cobertos de pústulas, chuvas de granizo destruíram plantações, uma nuvem de gafanhoto atacou as plantações, uma tempestade de areia encobriu o sol por três dias, e os primogênitos de homens e de animais foram mortos.

Foi uma demonstração de força de Deus, porque, já que é tão poderoso, ele poderia ter providenciado uma solução benevolente para a libertação dos israelitas, sem impor aos egípcios tanto sofrimento.

Tarico escreveu que a perversidade divina teve o requinte de matar crianças para causar maior angústia aos seus pais.

5 - Tortura como lei

A psicóloga Valerie Tarico argumentou que, quando o povo israelita constituiu seu próprio governo, a violência foi oficializada como método de correção e dissuasão.

Um homem poderia espancar seu escravo ou escrava, desde que o infeliz sobrevivesse a dois dias.

Diz Êxodo 21: 20-21: “Se alguém ferir a seu servo, ou a sua serva, com pau, e morrer debaixo da sua mão, certamente será castigado; Porém se sobreviver por um ou dois dias, não será castigado, porque é dinheiro seu”.

O Deus de Israel condenou os adúlteros à morte lenta por apedrejamento e em público:

Diz Deuteronômio 17: 5-7: “Então tirarás o homem ou a mulher que fez este malefício, às tuas portas, e apedrejarás o tal homem ou mulher, até que morra. Por boca de duas testemunhas, ou três testemunhas, será morto o que houver de morrer; por boca de uma só testemunha não morrerá. As mãos das testemunhas serão primeiro contra ele, para matá-lo; e depois as mãos de todo o povo; assim tirarás o mal do meio de ti”.

Em Provérbios há em três capítulos a recomendação para que os pais deem surra em seus filhos como método de educação.

Por exemplo: Provérbios 19:18 diz: “Castiga o teu filho enquanto há esperança, mas não deixes que o teu ânimo se exalte até o matar.”

6 – Tortura como instrumento de vingança

A Bíblia tem várias passagens dá respaldo à vingança por intermédio da violência.

Talvez a passagem mais bizarra seja a do profeta Eliseu que não gostou de ser chamado de calvo por alguns jovens e providenciou que duas ursas os destroçassem.

Diz Êxodo 2 Reis 2:23-24: “Então subiu dali a Betel; e, subindo ele pelo caminho, uns meninos saíram da cidade, e zombavam dele, e diziam-lhe: Sobe, calvo; sobe, calvo! E, virando-se ele para trás, os viu, e os amaldiçoou no nome do Senhor; então duas ursas saíram do bosque, e despedaçaram quarenta e dois daqueles meninos”.

Desde então não se tem notícia de alguém que tenha ficado tão enfurecido por ser chamado de calvo.

Deus recomenda a vingança mesmo contra animais irracionais, que não têm alma. Não há compaixão, porque, chifrar alguém, um boi tem de ser morto com dor e lentamente.

Diz Êxodo 21:28: “E se algum boi escornear homem ou mulher, que morra, o boi será apedrejado certamente, e a sua carne não se comerá; mas o dono do boi será absolvido”.

7 – Ameaça de tortura como intimidação

Aparecem com frequência na Bíblia advertências de que o castigo será terrível àqueles que não se arrependerem de seus pecados ou que não se converterem.

Uma delas feita por Jesus se refere a mutilações.

Diz Mateus 18:8-9: “Portanto, se a tua mão ou o teu pé te escandalizar, corta-o, e atira-o para longe de ti; melhor te é entrar na vida coxo, ou aleijado, do que, tendo duas mãos ou dois pés, seres lançado no fogo eterno. E, se o teu olho te escandalizar, arranca-o, e atira-o para longe de ti; melhor te é entrar na vida com um só olho, do que, tendo dois olhos, seres lançado no fogo do inferno”.

8 – Sacrifício humano

A psicóloga Tarico escreveu que o sacrifício de pessoas para obter favores de deuses é certamente tão antigo quanto a humanidade, mas foi na construção do cristianismo que esse tipo de tortura alcançou seu estado de arte, por assim dizer. O Deus hebraico permitiu (ou engendrou) que seu próprio filho, um imaculado, fosse crucificado para supostamente salvar os pecadores.

E a dor e o sofrimento se tornaram características definidoras da narrativa ortodoxa da salvação cristã. A ponto de a Madre Teresa ter dito a um paciente terminal para aceitar a terrível dor que sentia como “o beijo de Jesus”. Nem Satanás seria tão perverso.

9 - Tortura eterna

Aplicar a tortura em uma só momento ou mesmo em vários deles é insuficiente para o Deus bíblico, que manda os pecadores irremediáveis e ímpios para o fogo eterno, o inferno.

A psicóloga Valerie observou que se trata da mais intensa e prolongada tortura já concebida pela mente doentia de um deus (leia-se também escritores das escrituras sagradas).

De acordo com Lucas 16:22-24, o rico também tem lugar reservado no inferno, o que revela a ideologia do ressentimento dos cristãos, conforme Nietzsche muito delineou.

Diz Lucas 16:22-24: “E aconteceu que o mendigo morreu, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; e morreu também o rico, e foi sepultado. E no inferno, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão, e Lázaro no seu seio. E, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim, e manda a Lázaro, que molhe na água a ponta do seu dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama”.

Jesus falou em mais de uma ocasião em “fogo eterno”, de acordo com a Bíblia.

Diz Marcos 9:47-49: “E, se o teu olho te escandalizar, lança-o fora; melhor é para ti entrares no reino de Deus com um só olho do que, tendo dois olhos, seres lançado no fogo do inferno, Onde o seu bicho não morre, e o fogo nunca se apaga. Porque cada um será salgado com fogo, e cada sacrifício será salgado com sal”.

Outra referência ao inferno feita por Jesus aparece em Mateus 25:41: “Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos…”.

E, no entanto, líderes religiosos só lembram de pregar que Jesus defendia o "amor ao próximo". Mas o filho de Deus (tenha ele sido real ou não) não foi tão bonzinho como se afirma hoje. Na atualidade, ele poderia ser acusado de cometer crime contra a humanidade.

Com informação do blog de Valerie Tarico e de outras fontes, com transcrições da Bíblia Online.





Bíblia relata mais de 2,5 milhões de mortes em nome de Deus
Postar um comentário

Posts mais compartilhados na semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...