Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Tanzânia lidera matança de albinos para feitiçaria

Ossos e órgãos de 
albinos são  usados
 em poções de  magia
Mariam Emmanuel fugiu da multidão de sua aldeia que a perseguia, mas ela logo foi alcançada, porque, afinal, era apenas uma menina de cinco anos. Facas e facões golpearam-na, despedaçando-a. "Ela foi morta como um animal por adultos que não tiveram nenhuma compaixão por outro ser humano", disse uma testemunha. Mariam entrou na estatística de albinos da Tanzânia que são assassinados para que seus corpos sejam usados pela feitiçaria.

Esse país africano é recordista nesse tipo de crime. Por ano, cerca de 50 albinos são caçados e mortos porque os curandeiros acreditam que seus corpos, usados em poções mágicas, têm o poder de curar doenças e dar sorte.

O albinismo é um distúrbio congênito caracterizado pela ausência (completa ou parcial) de pigmento na pele, cabelos e olhos. Os albinos têm problema de visão e são suscetíveis a queimaduras solares e a câncer de pele. Na África, eles são chamados pejorativamente de “fantasmas”, “zeros” ou “invisíveis”.

Na Tanzânia e em outros países do Leste da África, os matadores obtêm milhares de libras com a venda da pele, olhos, sangue, órgãos e cabelos e ossos dos albinos.

Mineiros da Tanzânia moem os ossos dos albinos na expectativa de que o pó, depois de algum tempo enterrado, se transforme em diamantes. Pescadores do lago Vitória colocam cabelos ruivos de albinos em sua rede porque acreditam que, assim, atrairão peixes grandes. A pele é usado para revestir amuletos. Os órgãos genitais são usados em poções para cuidar de disfunção erétil — tratamento caro, só para ricos.

Há a crença de quem tiver relações sexuais com albinos ou albinas ficará curado do HIV. Por conta disso, albinos têm contraído o vírus da síndrome — as mulheres muitas vezes são estupradas.

Os albinos que morrem de doença ou de morte natural ou ainda de assassinatos são sepultados por seus parentes em locais onde os restos mortais não possam ser desenterrados pelos fornecedores dos feiticeiros. O avô de Mariam, que conseguiu recuperar os ossos da menina, os enterrou embaixo de sua cama.

Além  de serem mais suscetíveis ao câncer
 de pele, albinos estão na mira de caçadores
Pressionados pela comunidade internacional, o governo e a Justiça da Tanzânia estão dando mais atenção à repressão à caça dos albinos. Na semana passada, os tribunais condenaram à morte os homens que abateram e esquartejaram um garoto de 14 anos. No país, foi a primeira aplicação da pena de morte a esse tipo de assassinato.

Uma perna do menino foi encontrada na casa de um dos acusados e o resto do corpo estava escondido em arbustos. Os acusados admitiram que iam vender a “carne branca” para feiticeiros.

"Eles [os acusados] mataram um albino inocente e indefeso e, por isso, também merecem morrer", disse Wabanu, um estudante universitário albino que compareceu ao tribunal.

"Espero que esta condenação seja um aviso àqueles que têm plano de matar albinos na crença de que, assim, se tornarão ricos.”

Nos países africanos existem mais de 17 mil albinos. Por motivo ainda desconhecido, o país onde ocorre a maior incidência da doença é a Tanzânia.

Pela crença dos feitiçeiros, estupro de albina cura a Aids





Polícia pega pai de santo que matou menino em ritual
julho de 2011

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...