Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Prefeito de Jundiaí exonera pastor contratado para hospital

Pedro Bigardi
Bigardi  agiu em defesa
da laicidade do Estado
O prefeito Pedro Bigardi (foto), de Jundiaí (SP), demitiu o auxiliar administrativo José Adilson Telles depois que um jornal da cidade divulgou que o funcionário, que é pastor, estava ganhando cerca de R$ 2.500 para dar aconselhamento espiritual no hospital São Vicente de Paulo.

Jundiaí tem mais de 370 mil habitantes e fica a 60 km de São Paulo.

Bigardi, que é do PCdoB, reconheceu que muitos pacientes precisam de uma assistência espiritual, mas, acrescentou, a prefeitura não pode contratar um pastor para tal demanda porque o Estado brasileiro é laico.

Ele disse que as portas do hospital estão abertas para os religiosos que desejarem dar um conforto espiritual aos pacientes, mas tem de ser um trabalho voluntário, sem pagamento.

O padre Jorge Demarchi não ganha nada da prefeitura para cuidar da capela do hospital. É a Arquidiocese de Jundiaí que dá ajuda de custo de R$ 700.

Quem contratou o pastor foi o secretário e médico Cláudio Miranda (da Saúde), na foto abaixo, sob a alegação de que o hospital tem a necessidade de conselheiros espirituais de outros credos.

Uma petição criada na internet contra contratação do pastor argumentou que, se Miranda está de fato preocupado em acabar com o exclusivismo católico, ele deveria, sem nenhum custo, convidar religiosos das várias crenças praticadas no país, e não apenas um sacerdote evangélico.

Cláudio Miranda
Miranda contratou pastor
para ter votos evangélicos
Na página do Facebook de Miranda, algumas pessoas manifestaram repúdio à contratação do pastor.

Rita Corroul, por exemplo, escreveu: “O senhor está longe de ser aquele dr. Cláudio que eu conheci antes de ser político. Pagar pastor pra dar benção em hospital municipal é o fim dos tempos! Ridículo.”

Miranda já foi candidato a prefeito e, de acordo com seus adversários, ele contratou o pastor para obter votos dos evangélicos nas próximas eleições.

O vereador Rafael Antonucci (PSDB) disse que Miranda deveria gastar recursos para resolver o problema da falta de leitos no hospital, e não contratar um pastor.





Com informação do TerraFacebook e petição pública, entre outras fontes.

Hospital proíbe orações de evangélicos nos corredores
janeiro de 2012


Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...