Demógrafo diz quando católicos deixarão de ser maioria no Brasil


Os católicos deixarão de ser maioria na população brasileira em 2030, ou seja, daqui a 18 anos, quando serão alcançados pelos evangélicos, permanecendo um empate em torno de 40% até 2040. A partir de então, os evangélicos se tornarão hegemônicos.

Essa previsão foi feita pelo demógrafo e professor da Ence (Escola Nacional de Ciências Estatísticas) José Eustáquio Diniz Alves a partir dos resultados do Censo de 2010 que acabam de ser liberados pelo IBGE.


Ele disse que já se esperava que o Censo apontasse uma redução do número dos católicos, mas os números mostraram que houve uma aceleração no processo, ao mesmo tempo em que se consolidou o avanço dos evangélicos.

“Pela primeira vez, além de a população crescer mais, os católicos decresceram, perderam seguidores”, disse Alves ao jornal “O Globo”. “Antes, só cresciam em ritmo menor, o que fazia com que, relativamente ao total da população, caísse.”

O processo se manterá acelerado porque, entre outros fatores, a maioria dos católicos se encontra em uma faixa etária mais adiantada em relação aos evangélicos. “Quando essas pessoas morrerem, haverá uma queda do número de fiéis ainda maior.”

Em relação aos evangélicos, disse Alves, o número de mulheres em idade reprodutiva (até 40 anos) garantirá, por si só, a expansão deles. A proporção, nesse caso, é de cem mulheres para cada 77,6 homens.

Outros fatores estão contribuindo para que o Brasil se torne um país de maioria evangélica, como a “customização” de denominações para atender a demanda de diferentes grupos sociais. Há, por exemplo, igrejas para surfistas, como a Bola de Neve, e algumas destinadas a homossexuais.

Nas projeções do demógrafo, o desempate entre católicos e evangélicos ocorrerá após de 2040. Eles passarão ser, respectivamente, 40% e 42% da população.





Comentários

  1. Deixa eu ver se entendi...agora tem igrejas para homossesuais tbm? Aqueles mesmos que eles tanto criticavam e acusavam ser obra do demônio? Esses evangélicos . rsrs . O que não fazem por di heiro né verdade?!

    ResponderExcluir
  2. A Igreja do Senhor está perdendo espaço graças à ação de Satanás. Não importa a quantidade, pois sempre seremos o verdadeiro povo eleito de Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deus existe? Para mim a criatura era apenas um bicho imaginario

      Excluir
    2. Existe sim, e resgatará a Sua Santa e Amada Igreja, que tanto tem sofrido perseguições por parte de cretinos feito você.

      Excluir
    3. Não sabia que perseguição também é expor suas opiniões, ou no caso, uma singela verdade. Além disso, deus é tão fraco assim para deixar satanás fazer a grande igreja do senhor perder fiéis, e num futuro, cair?

      Excluir
    4. Perseguir é ir atrás de alguém. Jesus vai na frente e os fiéis vão atrás.

      Excluir
    5. O Homem fez deus a sua semelhança, FATO!!!! Contos de fadas que chegará o dia que se tornará mito, assim como os deuses do antigo Egito.

      Excluir
    6. "... verdadeiro povo eleito de Deus."

      Senti um pesado sotaque escocês nessa frase. Fora o fato de que as escrituras tenhas sido escritas de um povo para este povo. Você tem certeza que é descendente de judeus anônimo ? Por que se não for eles podem te escravizar. Não esqueça disso.

      Excluir
    7. hahhaahahhahahah, realmente adoro estes discursos saudaveis e cheio de amor cristão que a Igreja X tem em relação a Igreja Y ou contra tudo e todos, hahaha

      Excluir
  3. pelamôr de Zeus. Daqui trinta anos ainda estaremos com uma maioria desse tamanho de gente religiosa? E a bancada evangélica pira! PQP, espero que esses numeros estajam groceiramente errados ;/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Newton te ouça amigo

      Excluir
    2. Putz, essa notícia me entristece... pq os evangélicos são muito mais chatos que os católicos... O Brasil está indo de mal a pior, literalmente...

      E não temos nenhum deus para nos defender dessa calamidade!!! :(
      Vida de ateu é difícil... é triste engolir a verdade assim, goela a baixo...

      A única esperança pra essa nação é que melhoremos a educação escolar. Eu, que era católico, tornei-me ateu por ter estudado e ter saído do lamaçal de ignorância em que vivia. E sei que muitos aqui tem histórias semelhantes.

      Se nos unirmos, conseguiremos mudar a história desse país e conduzí-lo ao caminho de irreligiosidade pelo qual tem passado os países europeus. Aqueles cheios de cientistas com prêmio Nobel! Aqueles em que a população tem uma qualidade de vida muito melhor que a que temos aqui! Aqueles em que a população lê muito mais do que 2 livros por ano, em média.

      Árduo caminho e sem nenhuma divindade para nos defender!

      Excluir
    3. Isso me lembra uma frase: nunca duvide de um pequeno grupo de pessoas, pois foi sempre um pequeno grupo que mudou o mundo.

      Excluir
    4. é e por esse pequeno grupo eu acordo td sabado é domingo 8 horas da manhã cm os evangelicos ( testemunhas de jeova ) gritando na minha porta ou praticamente socando meu portão , ( esse pequeno grupo é muitoo chatoo matem estão se multipliando !

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Deve ser levado em conta o crescimento do número de pessoas sem religião. Enquanto a quantidade de católicos encolheu em 1,6 mi, o de ateus e agnósticos subiu 3 milhões, se comparado aos dados do Censo 2000. O número de evangélicos tende sim ao crescimento contínuo, mas uma maior projeção dos movimentos ateístas aliada com a maior liberdade para que descrentes possam "sair do armário" provavelmente não permitirá uma hegemonia evangélica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minhas previsões são.
      Em 2040 20% de sem religião 35% de católicos, 35% de evangélicos e outros 10% de outras religiões. Duvido que qualquer grupo volte a ultrapassar 50% da população.

      Excluir
    2. Caruê, sua "previsão" é baseada em que dados? Qual a margem de erro? Quais foram os procedimentos e metodologia utilizados na coleta dos dados? Qual o tamanho da amostra analisada?

      Fazer previsões do nada até a mãe Diná faz.

      Ah sim, por falar nisso, Paulo Lopes faltou no texto alguma referência ao texto original. Ficou meio "solto".

      Excluir
    3. Esta é a minha previsão, apenas achei divertido fazê-la. Por meio das novas mídias sociais o numero dos sem religião e dos que encontram outras religiões distantes do cristianismo vai crescer muito. Ate mesmo a classe C e D vai ter muito acesso a Internet e essa nova liberdade vai enfraquecer a hereditariedade da religião.

      Excluir
  6. Achei um tanto temerária a declaração do professor, mesmo para um período não tão longo como 20 anos, pois existe uma série de fatores que não estão sendo considerados.
    Pode haver grandes mudanças tanto para melhor (como no caso dessa disputa entre Valdomiro e Macedo enfraquecer a crença nesse tipo de igreja mercenária) aliado ao fato de que ele está contando que a maioria absoluta dos filhos das mães crentes evangélicas continuem na religião materna (o que pode felizmente não acontecer se essas crianças tiverem um bom nível de educação) como as coisas podem mudar para pior (com uma maior penetração do Islamismo no Brasil, que é uma religião que aposta muito forte na conversão pela Europa e Estados Unidos, e que também tem uma taxa de natalidade altíssima).
    Resta torcer por uma perspectiva mais otimista do que essa estatística, com um aumento do senso crítico e da cultura levando a uma diminuição gradual, porém constante, nessa curva até o ponto de iniciar a queda no número de evangélicos. Mas isso só poderá ocorrer se houver um massivo investimento em educação e qualidade de vida como houve nos países do norte da Europa.

    ResponderExcluir
  7. O mais inusitado é a constatação de que este a maior parte deste aumento é (e estima-se que será) composto por mulheres, sendo que as mulheres são o tipo de fiel que mais sofre com religiões, e a evangélica não está fora desta: carceamento da liberdade reprodutiva, restrição nas vestimentas, dentre outros. Masoquismo agora é transmitido pelo ar?

    ResponderExcluir
  8. Há que se perguntar que tipo de evangélico existirá daqui 20 anos. Qual nível de tolerância aos diferentes a igreja evangélica terá daqui 20 anos? Parece que o radicalismo evangélico está a perder espaço no Brasil. No fim, os evangélicos não serão o bicho papão que pensamos ser.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que Satã ouça-lhe WillPap!

      Excluir
    2. Talves aqueles que irão ficar aqui na vinda de Jesus e no consequente arrebatamento da igreja. Mas enquanto houver esperança para alguns estaremos na batalha.

      Excluir
    3. kkk cala a boca "Filho de Abrãao" , ninguém aqui acredita em mitologia.

      Mas concordo com o willpapp, creio q deve haver um processo de secularização do protestantismo no Brasil tal como já vem acontecendo há tempos com o catolicismo. Isso q o padrão econômico do Brasil deve aumentar, e a educação tb ( esperamos ) , com isso haverá uma individualização da vida, e uma desconfiança maior com relação ao papel social da religião, e assim ela será empurrada mais pra fora da esfera pública e se tornará algo menos relevante para a população, tal como já acontece na maioria dos países da Europa. A maioria na Dinamarca por exemplo se diz luterana ( evangélicos ) mas é só nominal, eles nao dependem mais da igreja pra ter uma opinião, estão secularizados , "libertos da alienação através da educação elevada" eu diria.

      Excluir
  9. O problema é que independente de se haver mais denominações “tolerantes” entre às igrejas protestantes, estas não refletem os políticos no Congresso: a bancada evangélica é composta em sua maioria por evangélicos mais radicais – como os neopentecostais. Esse quadro é crescente, e não creio que haverá muita mudança...

    Já os católicos talvez mudem, quiçá se aproximando mais da bancada evangélica (aumentando a bancada cristã). É de se ressaltar também que o poder político da Igreja Católica sempre foi extremamente forte, visto que eles possuem seu líder na condição única de ser tratado como chefe de estado. Não creio que a influência da Igreja Católica no Estado irá diminuir consideravelmente com a redução do número de católicos.

    Já a laicidade do Estado... ainda sofrerá violações diárias por muito tempo...

    ResponderExcluir
  10. Independente dessa projeção estando certa ou não, caminhamos para um caminho obscuro, nosso país carece de governantes com visão de futuro tanto curto como a longo prazo. Nenhuma nação se desenvolve sem educação, temos mais igrejas do que escolas.
    Somos explorados pela nossa ignorancia tanto pelos governantes como pelos padres/pastores.
    Enquanto discutimos mitologia biblica eles fazem a festa como nosso dinheiro, para eles é fundamental que permanecemos assim.
    Criamos deus e deuses a nossa imagem e semelhança e não ao contrário.

    ResponderExcluir
  11. Creio que haverá também um grande aumento dos descrentes por assim dizer. Porque na realidade a maioria dos católicos não praticam o catolicismo (estão nos bailes funks por exemplo) estes só são catolicos na hora de se batizarem por mera formalidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vai haver sim muitos descrentes,pois acredito que os catolicos saindo de suas igrejas migrem pro ateismo ou pra outras religiões menos é claro pro lado evangelico que é um meio de pessoas ignorantes e de pastores espertalhões.

      Excluir
  12. Já que o abrhaãozinho falou ema arrebatamento lembrei desse vídeo, muito bom, o cara tocou com Joey Ramone.

    http://www.youtube.com/watch?v=MOKMl57WtK0


    Charles

    ResponderExcluir
  13. Nao podemos esquecer q isso é uma projeção matemática. Na sociedade as coisas nao são assim, preto no branco. Há sempre o fator imprevisibilidade. E além do mais, todo movimento é finito, nada dura pra sempre. Esse crescimento pode ter uma reviravolta . Podem haver guerras q matem parte da população. Podem haver doenças. Pode have o surgimento de uma nova ideologia. Pode haver um crescimento maior do ateísmo do q o esperado.
    Enfim, nunca é possível prever o futuro, no máximo dizer oq tem mais probabilidade de acontecer e o q tem menos.

    ResponderExcluir
  14. Boa tarde Paulo. Temos que levar em conta que o IBGE juntou todas as igrejas evangélicas em um mesmo saco. Ficou 50.000 contra 1. Uma igreja protestante não é igual a outra. Tem igreja que prega evangelho judaízante e outra que não prega. Tem igreja que casa pessoas do mesmo sexo e outra não. Tem igrejas que acatam divórcio e outras o repudiam. Não existe esta religião única chamada evangélica. O que une os evangélicos é apenas o fato de todos serem anti católicos. Se você tiver o cuidado de pesquisar na internet verá que uns chamam os outros de hereges e não há um só pregador que já não tenha sido chamado como tal. Tem igreja que prega a teologia da prosperidade e outras que abominam tal prática. Uma igreja evangélica ou protestante nada tem a ver com outra. Para você ter uma idéia as igrejas protestantes históricas realizam trabalhos juntos com a Igreja Católica, inclusive a campanha da fraternidade. Eles inclusive se consideram católicos reformados. Eles são mais católicos do que evangélicos e alguns até rejeitam estar no mesmo saco onde estão Macedo, Malafaia, Soares, Santiago, entre tantos outros falsos mestres. Se a pesquisa colocar em ordem o número de fiéis de cada denominação, evidentemente que o resultado será outro. Apenas na hora das estatística é que há união entre protestantes e evangélicos e todos fazem questão de parecer uma religião única. Isto é totalmente falso. Basta um protestante discordar de outro, e isto acontece a todo momento, que já surge uma nova igreja sob a regência de um novo "mestre" infalível. Pode reparar que não há concordância doutrinária algum entre eles. É o mesmo que você dizer que existem 10 milhões de corintianos no Brasil e 50 milhões anti corintianos. Lógico. Junta todas as outras torcidas. Mas o que elas tem em comum a não ser não gostar do Corinthians ? Elas não tem nada em comum. Cada torcida professa um único time. Cada igreja protestante professa uma fé diferente da outra. Cada qual interpreta a Bíblia do seu próprio jeito. E não por acaso uns acusam outros de heresias, pois todos se acham certos em suas interpetações. Colocando assim é facil dizer que existem 22% de evangélicos como se todos praticassem a mesma religião.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Temos que levar em conta que o IBGE juntou todas as igrejas evangélicas em um mesmo saco. Ficou 50.000 contra 1.

      O catolicismo também tem igrejas que não são da Igreja Católica Apostólica Romana (ou seja, independentes da Cúria Romana), e todas também ficaram no “mesmo saco” da ICAR (assim como você o fez também).

      Excluir
    2. Não. As igrejas católicas as quais você se referem se deram o nome de católicas, porque católica significa universal. Tal como existe Igreja evangélica internacional, mundial, universal do Reino de DEUS, etc.. Existe até Igreja Evangélica que se denomina Católica Apostólica Cristã funcionando no Rio de Janeiro. Católica significa universal. Estas igrejas não tem nada a ver com a Igreja Católica. Estude para não repetir feito papagaio o que seus ídolos dizem por aí.

      Excluir
    3. É impressionante como o recurso ao argumentum ad hominem está sempre ligado ao desespero pela falta de conhecimento e argumento com razão.

      Meu caro, o catolicismo é uma vertente do cristianismo, tal como é o protestantismo. Destas vertentes, existem suas denominações (ou subdenominações, em determinados casos) que criam suas Igrejas. O catolicismo é uma vertente que possui suas denominações, e a tal Igreja Católica que você está dizendo é a Igreja Católica Apostólica Romana, uma das igrejas católicas existentes – e não A igreja católica, como é comum se referir como se ela fosse detentora única do catolicismo. Tal como existe a Igreja Católica Apostólica Romana, existe a Igreja Católica Apostólica Brasileira, seguidora da vertente do cristianismo denominada catolicismo, e que possui suas ideologias religiosas diferenciadas do catolicismo apostólico romano. Como eu disse, são independentes da Cúria Romana, até porque são dissidentes (tal como foram os protestantes no passado, lembra?).

      Portanto, da mesma forma que você reclama falaciosamente de que se colocaram “tudo no mesmo saco” quando falou do protestantismo, você coloca tudo no mesmo saco em relação ao catolicismo!

      E o significado do termo católico não tem nada a ver. Evangélico vem de evangelho, que, por sua vez, significa boas novas. E daí? Não é a etimologia que define as vertentes religiosas, mas sim as correntes dentro do cristianismo que cada denominação segue. Isso é basilar!

      Parafraseando o Cognite Tute: você deu vários tiros no próprio pé!


      Por fim, espero que você seja mais educado da próxima vez, porque ataque ao argumentador conota desespero, que, por sua vez, é a demonstração clássica de falta de maturidade e inteligência!

      Excluir
    4. levamos en conta que a maioria das pessoas que se dizem catolicas mau pisa na ingreja i augumas nunca foram

      Excluir
  15. DEMÓgrafo, a serviço do "DEMO" este

    ResponderExcluir
  16. Espero que o estudo não se confirme, pois os evangélicos são muito mais intolerantes que os católicos. Vemos as igrejas neo-pentecostais pregando uma estúpida intolerância a outros grupos religiosos, como contra os praticantes de religiões afro-brasileiros como a umbanda, e contra outros grupos da sociedade como os homossexuais. Além de que estas igrejas neo-pentecostais são grupos muito mais ignorantes em relação as ciências do que o catolicismo ou as igreja protestantes históricas. O que me preocupa neste estudo é que está previsão do aumento de evangélicos deve se referir a evangélicos neo-pentecostais.

    ResponderExcluir
  17. Concordo em parte com o Anônimo5 de julho de 2012 14:47, por essa razão não temo uma teocracia evangélica no Brasil, eles vão brigar entre eles mesmos tentando provar que estão certos e os demais, errados que nunca chegarão a um acordo.

    Charles

    ResponderExcluir
  18. O Brasil não é um país cristão. E pouco importa a nomenclatura. Os católicos não acatam o magistério da Igreja, os protestantes não acatam os reformadores e praticamente ninguém permaneceu com o herege Lutero e os evangélicos constituem uma Babel de doutrinas divergentes entre si. O "maior" país cristão do mundo tem os maiores índices de violência, corrupção e intolerância. O Japão que não é cristão é um país com índices infinitamente melhores. Ora, se a culpa não é de Jesus, e não é mesmo, tem algo de muito errado com os cristãos desta terra.
    É só ligar a TV e verificar quem são os pregadores televisivos para entendermos o que se passa com o cristianismo tupiniquim. Uma lástima ! Católicos que ignoram a doutrina da igreja, protestantes que se calam para as aberrações doutrinárias vistas em larga escala em nosso país, evangélicos fazendo barganhas com DEUS e idolatrando falsos profetas e hereges de toda a ordem. Dizer que o Brasil é um país cristão é tolice. Os abortistas foram eleitos e o foram com os votos daqueles que se dizem cristãos.

    ResponderExcluir
  19. O medo de alguns por aqui é justificável. Católicos podem até beber, fumar ou dançar. Contudo, são os católicos que sempre estiveram a frente dos projetos sociais e de ajuda humanitária. Basta uma calamidade de grandes proporções para notarmos a presença da Igreja Católica com doações materiais e voluntários de toda ordem. Os grupos protestantes históricos também realizam boas obras de assistência. Tais como os católicos, estes grupos entendem o recado de Jesus de que a verdadeira religião é visitar órfãos e viúvas, ou seja acudir aos mais necessitados. Entretanto, não se vê esta doutrina ensinada por Jesus entre evangélicos. Evangélico só faz algo por ele mesmo, barganhando com DEUS bençãos materiais em troca de dízimos e pelo pastor de sua denominação. Não se vê evangélicos em grande número dando de comer a Jesus Cristo ou lhe dando de beber. E ele mesmo disse: Quando deixastes de fazer a um destes meu irmão é como se não tivesse feito a mim. Jesus nunca perguntou de que religião era este ou aquele. Ao jovem rico e lhe disse que distribuísse seus bens entre os pobres e o seguisse. Ele disse pobres e não evangélicos ou católicos. Jesus nunca fez acepção de pessoas. Ele estava e ainda está no meio dos doentes, pecadores, impuros. Ele está entre aqueles precisam de médico e não entre os sãos. O que se vê no mundo evangélico é uma indiferença completa com as questões sociais e com o amor ao próximo ensinado por Jesus. Não por acaso eles se dividem. A falta de amor entre eles é notória e basta uma discordância entre evangélicos para surgir uma nova denominação. É só observamos os principais líderes evangélicos atacando-se mutuamente. Uns chamando outros de hereges. Outros chamando outros de endemoniados e ainda outros chamando outros de trouxas ou filhos do diabo. Pelos frutos podemos conhecer a árvore. Especialmente as os líderes televisivos representam as árvores más. E seus filhos que lhes dão ouvidos não podem dar frutos. Se de fato o Brasil vier a se tornar um país mais evangélico, todos sentirão a intolerância, o fanatismo, a indiferença pelas necessidades do próximo, o materialismo exarcebado e a idolatria ao próprio homem. Também me preocupo com uma nação que se encaminha para uma religião de livro e não para uma religião da palavra viva e encarnada. Jesus mandou pregar o evangelho. Ou seja, Jesus mandou pregar as boas novas. Jesus não mandou pregar a Bíblia e a pregação do novo testamento patrocinada por estes grupos radicais nos remetem ao materialismo e indiferença já vistos na época dos fariseus. Mas tenhamos todos confiança no bom DEUS que a sã doutrina será preservada e os lobos vorazes que não entram no reino e não deixam que outros entrarem, sejam calados por maioria disposta a viver com simplicidade e amor ao evangelho de Jesus Cristo que é amor incondicional ao próximo e não lavagem cerebral para levar as pessoas as seitas comandadas por pastores inescrupulosos que servem somente aos seus próprios ventres.

    ResponderExcluir
  20. É pessoal se estes números estiverem corretos, eu arrumo minha malinha e poco fora deste país, viver em uma teocracia não dá.

    ResponderExcluir

Postar um comentário