Paulopes

Religião, ateísmo, ciência, etc.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Americano que foi pastor por 25 anos agora prega a descrença

Jerry DeWitt, ex-pastor
Jerry DeWitt: a vida fora do "armário" não é fácil 
Por 25 anos, Jerry DeWitt (foto), 42, percorreu o seu Estado natal, Louisiana (EUA), pregando o evangelho como pastor pentecostal. No ano passado ele causou comoção em seus seguidores ao anunciar que não mais acreditava em Deus. Mas ele continua com o pé na estrada para fazer pregação, agora do ateísmo, e falar como evoluiu da crença para a descrença. Seus ouvintes são humanistas, agnósticos, ateus e pessoas que não se identificam com nenhuma religião. 

O que ajudou DeWitt a sair do "armário" foi o Projeto Clero, que é uma comunidade virtual de sacerdotes ateus de várias religiões, destacando-se entre elas o protestantismo. Eles se comunicam entre si por intermédio de pseudônimos para manter o anonimato. Nos Estados Unidos, existem 200 inscritos na comunidade.

“O projeto me deu confiança para deixar de ser pastor”, disse DeWitt. “Eu sabia que não estava sozinho, que não era um acaso, que eu não era uma aberração de natureza religiosa.”

No Projeto Clero, se discute, entre outras coisas, as dificuldades de quem resolve sair do “armário”, como DeWitt agora está comprovando na prática. A começar pela procura de um novo emprego. Em um país de população predominantemente cristã, não há muitos empregadores dispostos a acolher um ex-pastor que “traiu” seus seguidores.

DeWitt é diretor da Recovering from Religion, uma entidade criada em 2009 com o propósito de suavizar a transição dos sacerdotes descrentes para “a vida real”. O slogan dela é: “Existem milhares de organizações para ajudá-lo na religião, mas agora nós somos o único a apoiá-lo.”

Em suas pregações, ele tem dito que sua fé começou a ficar abalada quando, por obrigação de ofício, teve de ameaçar os fiéis com o inferno, no caso de pecarem. “Eu estava dizendo a pessoas de quem eu gostava que elas poderiam arder no inferno, o que não foi fácil para mim.”

Ele disse que também começou a se sentir incomodado com o suposto poder das orações. Afirmou que os fiéis costumam rezar para obter cura e emprego e a maioria deles só piora. Ele próprio orava para as pessoas, sem que houvesse qualquer resultado, além do fracasso. “E isso esmagava o meu coração.”

Contou também que as contradições da Bíblia reforçaram as suas dúvidas sobre a existência de Deus. Para tentar saná-las, ele pesquisou outras religiões e traduções da Bíblia, e foi quando se deu conta de que a descrença é um caminho sem volta.

DeWitt disse se sentir aliviado, apesar das dificuldades financeiras, e que continua a pregar o que acredita ser o melhor para as pessoas, como nos seus 17 anos, quando iniciou suas atividades religiosas. A diferença é que, agora, o seu evangelho é o da descrença.

Com informação da CNN e The Times-Picayune.





'Meu nome é Teresa, fui pastora metodista e agora sou ateia'
maio de 2012

Ateísmo.


Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...