Paulopes

Religião, ateísmo, ciência, etc.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Band é a TV que mais fatura com religião: R$ 280 mi em 12 meses

De maio deste ano ao mesmo mês de 2013, a TV Band, da família Saad, vai faturar cerca de R$ 280 milhões com a venda de 43 horas aos pastores  Valdemiro Santiago, R.R. Soares e Silas Malafaia. Trata-se de um recorde entre as emissoras de televisão que vendem horário a igrejas. No total  estão inclusos o novo programa de Malafaia, que estreia no próximo mês, e o arrendamento do canal UHF 21, da Band, à Igreja Mundial.

A venda de horário para Mundial, Graça de Deus e Vitória de Cristo vai representar 30% do faturamento bruto da Rede Bandeirantes naquele período, de acordo com informação da Veja. Do total da programação da Band, 25,5% serão de proselitismo neopentecostal.

Na semana passada, o UOL divulgou que quando o Show da Fé, de R.R. Soares, entra no ar, no horário nobre, a audiência da emissora cai no Ibope de 4 ou 5 pontos para o traço. Ou seja, o número de telespectadores é tão pequeno, que nem dá para registrá-lo.

A Band não deve estar preocupada com isso porque, ao vender boa parte do seu tempo às igrejas, tira proveito do "milagre" de investir pouco e faturar alto sem ter de se esforçar para obter audiência e concorrer com as demais emissoras.

Para a antropóloga Débora Diniz, autora do livro “Laicidade e Ensino Religioso no Brasil” (112 págs., editora Letras Livres, R$ 20), a venda crescente de horário de TVs acaba restringido as opções da população de assistir a uma programação de qualidade.

O professor e jornalista Eugênio Bucci é de opinião de que as TVs, privadas e públicas, não deveriam ter horário religioso, pago ou não, porque se trata de um serviço de comunicação de concessão do Estado. Para ele, parte das TVs e dos canais de rádio se tornou em bezerro de ouro, para os donos das emissoras e pastores.

A legislação é omissa quanto à alocação de horário na TV pelas religiões. O que há é apenas uma norma segundo a qual as emissoras não podem vender para a publicidade mais que 25% do total do seu horário.

Entre os parlamentares, não há interesse em regulamentar esse tipo de negócio, embora envolva a comunicação social, porque a maioria deles teme descontentar os pastores e perder os votos dos fiéis. O resultado disso é a Band, uma TV a serviço de três coletadores de dízimo.

Com informação de Lauro Jardim e deste blog.

Igreja Católica obtém liminar para manter programa em TV estatal.
setembro de 2011

Religião na TV.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...