Vítima acusa Ratzinger de não ter punido padre pedófilo

por Alessandro Alviani, Vatican Insider

Fesselmann foi abusado por  um
padre da diocese do futuro papa
Wilfried Fesselmann (foto), 43, uma das vítimas de abuso sexual, protocolou na Corte de Haia um recurso contra o papa. Em 1979, quando tinha 11 anos sofreu abusos por parte do padre Hullermann, que um ano depois foi transferido da diocese de Essen para a arquidiocese de Munique – dirigida então por Joseph Ratzinger e futuro papa Bento 16 – para se submeter a uma terapia psiquiátrica, sem puni-lo e muito menos denunciá-lo às autoridades policiais. Pouco depois, Hullmermann abusou de outras crianças. Foi suspenso apenas no ano passado quando o caso de Fesselmann veio à tona.

Por que denunciou o papa?

Porque é o chefe da Igreja mundial e tem a responsabilidade pelo que fazem os padres. O problema diz respeito ao fato de que os padres acusados de abusos são transferidos de uma diocese para outra. As vítimas do padre Hullermann são pelos menos 17. Inclusive o seu sucessor que começou a trabalhar em Essen como ele, abusou de algumas crianças e foi transferido para Münster. A estratégia é sempre a mesma. As dioceses respondem: “Foi a primeira vítima, nunca vimos nada parecido”. E, enquanto isso, os padres pedófilos mudam de cidade. Queremos dar um fim a esta estratégia.

O que espera de Bento 16?

Que se desculpe. Tem que tomar uma posição sobre esse tema e admitir que foram cometidos muitos horrores. Além disso, tem que afastar os sacerdotes pedófilos que continuam em atividade. Na ata da denúncia que apresentamos em Haia aparece os nomes de pelo menos 300 sacerdotes pedófilos na Alemanha, alguns dos quais continuam desenvolvendo suas funções religiosas. O papa tem que expulsá-los e revelar os seus nomes. Ficaria muito feliz se o papa decidisse encontrar-se comigo em Berlim durante sua visita na próxima semana, uma vez que está envolvildo pessoalmente em meu caso porque acolheu Hullermann em Munique. Escrevi a diferentes instituições, como a Conferência Episcopal Alemã e para o Vaticano, mas não obtive nenhuma resposta. Irei a Berlim para participar dos protestos contra sua vinda.

O que diria caso se encontrasse com ele?

Perguntaria o porque de sua conduta, porque deixou aquilo acontecer. Se houvesse parado de alguma forma Hullermann em 1979 outras crianças não teriam sido vítimas.

Apresentou o recurso nesse momento porque estamos próximos da visita do papa à Alemanha?

Não, se trata de um processo longo e complexo, estávamos recolhendo os documentos desde março.

Deseja alcançar outros objetivos mediante esse recurso?

Estamos enojados pela forma com estão gestionando a questão das indenizações. Na Alemanha esses delitos já prescreveram. As vítimas, entretanto, necessitam de 20 ou 25 anos para falar sobre o que aconteceu. Eu demorei mais de 25 anos. Além disso, em média, as vítimas alemãs têm recibido 5 mil euros. O padre Hullermann continua vivendo em Munique como se nada estivésse acontecido e recebendo de sua arquidiocese. Não é possível que ele ganhe 5.300 euros por mês, enquando as vítimas recebem num único pagamento 5 mil euros. É muito pouco.

O que você faz hoje em dia?

Faz 10 anos diagnosticaram que sofro ataques de pânico relacionado aos abusos. Desde então não posso trabalhar.

O que acontece agora com a denúncia?

A Corte terá que revisar todo o material: 3 CD e muitas caixas com documentos. Levarão pelo menos três semanas.





Vítimas de pedofilia denunciam papa por crimes contra a humanidade
setembro de 2011

Casos de padre pedófilo.

Semelhantes

Postagens mais visitadas deste blog