Pular para o conteúdo principal

No tricentenário de Kant, permanece uma discussão. Ele era crente, agnóstico ou ateu?

No caso de ter sido crente, Kant, como seus escritos, leva à reflexão sobre a suposta existência de um deus como o dos cristãos


Comemora-se neste ano, 2024, o tricentenário do nascimento de Immanuel Kant (1724–1804), um nome importante da filosofia moderna.

Decorrido tantos anos, uma discussão permanece. Kant era crente, agnóstico ou ateu? A resposta não é simples porque, sobre os escritos do filósofo, há interpretações que complementam diferentes ponto de vista, como segue um resumo abaixo.

Argumentos a favor da tese de que Kant era teísta

— Kant se definia como teísta. Em várias ocasiões, ele se referiu a si como crente em Deus. Por exemplo, em sua obra “A Religião nos Limites da Razão Pura”, ele afirma que “a crença em um Deus vivo e em um futuro mundo de retribuição é necessária para a moralidade”.

— A filosofia moral de Kant tem raízes na teologia. O conceito central da ética kantiana, o imperativo categórico, é baseado na ideia de que devemos agir de acordo com princípios que poderiam ser leis universais. Essa ideia tem similaridades com a noção de lei divina presente em muitas religiões.

— Kant era um membro ativo da Igreja Luterana. Ele frequentou cultos regularmente e participou de sacramentos como a comunhão.


Uma frase de Kant
lembrada com
frequência: “A
missão suprema
do homem é saber
o que precisa
para ser homem”

Argumentos a favor da tese de que Kant era agnóstico

— Kant argumentava que a existência de Deus não pode ser provada ou refutada pela razão. Em sua obra “Crítica da Razão Pura”, ele afirma que Deus está além do alcance do conhecimento humano. Isso significa que, para Kant, a questão da existência de Deus é uma questão de fé, não de conhecimento.

— Kant criticava a religião institucionalizada. Ele via muitas práticas religiosas como superstições e acreditava que a verdadeira religião deveria ser baseada na razão e na moralidade.

Argumentos a favor da tese de que Kant era deísta

— Kant acreditava em um Deus criador benevolente. Ele argumentava que Deus criou o universo e as leis da natureza, mas que não interfere diretamente no mundo.

— Kant rejeitava a ideia de revelação divina. Ele acreditava que a razão humana é a principal fonte de conhecimento religioso.

— Kant não acreditava que lidamos diretamente com a realidade, mas com o que aparece para nós, os fenômenos.

— Kant tentou aliar o racionalismo ao empirismo, porque, para ele, não pode haver conhecimento sem percepção sensível e, tampouco, sem entendimento.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Capela em centro espacial é absurdo, afirma estudante

do leitor Sérgio "Este prédio da capela poderia abrigar um bom laboratório" Sou físico e aluno de doutorado do INPE [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] em São José dos Campos (SP) e gostaria de fazer um breve comentário. Há 5 anos, quando ingressei no mestrado no instituto, fique fascinado com a estrutura física/financeira oferecida ao desenvolvimento da pesquisa. Sinceramente não tenho do que me queixar, mas uma coisa  chama muito atenção (não só a minha, claro). É que dentro do INPE (um centro de pesquisa principalmente física), acreditem, tem uma capela para oração. No local que é considerado o maior centro de pesquisa tecnológica da America Latina (a Nasa brasileira, como muitos dizem) existe tal absurdo. Esse prédio poderia, por exemplo, abrigar um bom laboratório ou coisa mais útil. O INPE (englobando todas as áreas – astrofísica, meteorologia, sensoriamento, engenharia de materiais, etc.) é formado por pesquisadores/cientistas de várias partes do mu

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Empresa avisou que as instituições preconceituosas não terão subsídios  Um grupo inglês de escoteiros rejeitou a filiação de George Pratt, 11, porque ele, ateu, disse que, no juramento de lealdade, não podia declarar obediência a Deus. Trata-se de um juramento padrão, seguido por escoteiros de todo o mundo. Nos Estados Unidos, a partir de agora, os grupos de escoteiros que discriminam ateus e gays deixarão de receber ajuda financeira do programa de voluntariado da Intel. A fabricante de chips informou aos grupos de escoteiros, entre outras entidades, que adotou uma nova política de não conceder ajuda a quem promove de discriminação. Chuck Mulloy, porta-voz da Intel, disse que as instituições, para receber subsídios, terão de assinar um documento declarando estar de acordo com as políticas de não discriminação da empresa. A decisão afeta principalmente os escoteiros de Oregon, onde a Intel tem uma fábrica. Somente em 2010, as doações foram de US$ 180.000 (R$ 360.000). Matt

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Família esperou por três dias, mas Neide não ressuscitou; corpo foi sepultado cheirando mal