Pular para o conteúdo principal

Insegurança alimentar e nutricional afetou um em cada quatro adolescentes na pandemia

Mais de um terço dos adolescentes pretos relataram insegurança alimentar e nutricional em 2020


Agência Bori
serviço de apoio à imprensa na cobertura da ciência

A falta de acesso regular e permanente a alimentos saudáveis em quantidade adequadas, chamada de insegurança alimentar e nutricional, atingiu cerca de 26% dos adolescentes brasileiros segundo estudo realizado durante a pandemia de Covid-19. 

Deste grupo, os mais afetados foram adolescentes pretos e pardos, assim como estudantes de escolas públicas. 

As conclusões são de pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e estão em artigo publicado na revista científica “Saúde em Debate” nesta sexta (21).

Mais de um terço dos adolescentes pretos que responderam à pesquisa relataram insegurança alimentar e nutricional em 2020 (cerca de 38%), enquanto quase 30% dos pardos foram afetados. 

Assim, a condição foi quase duas vezes mais prevalente entre adolescentes pretos do que entre brancos – destes, cerca de 19% relataram insegurança alimentar e nutricional.

Cerca de 28% dos estudantes de escolas públicas reportaram o problema, quase três vezes mais do que estudantes de escolas privadas — grupo no qual a prevalência de insegurança alimentar foi de cerca de 10%.

Os cientistas avaliaram dados de 9.470 adolescentes de diferentes regiões do país com idades entre 12 e 17 anos, coletados entre junho e outubro de 2020 por meio de questionário online. 


Objetivo do estudo
foi avaliar a falta de
acesso regular e
permanente a 
alimentos de 
qualidade entre
os adolescentes

O estudo averiguou também se a insegurança alimentar e nutricional esteve associada à presença de comportamentos de risco para a saúde nesta faixa etária — considerando que muitas das escolhas autônomas relativas à saúde são formadas na adolescência, frequentemente continuando pela vida adulta.

Apontou que a insegurança alimentar e nutricional esteve associada a comportamentos de risco para a saúde, como o menor consumo regular de hortaliças e frutas, o maior uso de cigarros e bebidas alcoólicas e a prática reduzida de atividades físicas. 

O tabagismo, por exemplo, foi constatado cerca de duas vezes mais entre esses adolescentes com insegurança alimentar do que entre aqueles que não relataram essa condição.

Em 2020, 116,8 milhões de brasileiros não tinham acesso pleno e regular a alimentos, segundo relatório da Rede Penssan divulgado em 2021. Desses, 43,5 milhões, ou seja, 20% da população brasileira, estavam em situação de insegurança alimentar grave ou moderada, pois não contavam com alimentos em quantidade suficiente. 

Os dados que registraram o avanço da fome no período da pandemia também revelam um recorte racial: em 2022, 65% dos lares comandados por pessoas pretas ou pardas conviviam com algum tipo de restrição alimentar.

“As dificuldades enfrentadas durante o período de emergência sanitária podem comprometer a saúde atual e a longo prazo desses jovens”, explica Crizian Saar Gomes, pesquisadora da UFMG e uma das autoras do estudo. 

“Isso aponta para a importância de uma assistência adequada, junto da integração de políticas públicas intersetoriais para a redução de desigualdades socioeconômicas que se agravaram ainda mais com a pandemia de Covid-19”, avalia.

A pesquisadora destaca que os adolescentes são um grupo negligenciado quando se fala de insegurança alimentar e nutricional, visto que a maioria dos programas e esforços de pesquisa é voltada a adultos e crianças. Futuros estudos devem contemplar todas essas faixas etárias, aponta Gomes.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Capela em centro espacial é absurdo, afirma estudante

do leitor Sérgio "Este prédio da capela poderia abrigar um bom laboratório" Sou físico e aluno de doutorado do INPE [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] em São José dos Campos (SP) e gostaria de fazer um breve comentário. Há 5 anos, quando ingressei no mestrado no instituto, fique fascinado com a estrutura física/financeira oferecida ao desenvolvimento da pesquisa. Sinceramente não tenho do que me queixar, mas uma coisa  chama muito atenção (não só a minha, claro). É que dentro do INPE (um centro de pesquisa principalmente física), acreditem, tem uma capela para oração. No local que é considerado o maior centro de pesquisa tecnológica da America Latina (a Nasa brasileira, como muitos dizem) existe tal absurdo. Esse prédio poderia, por exemplo, abrigar um bom laboratório ou coisa mais útil. O INPE (englobando todas as áreas – astrofísica, meteorologia, sensoriamento, engenharia de materiais, etc.) é formado por pesquisadores/cientistas de várias partes do mu

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Família esperou por três dias, mas Neide não ressuscitou; corpo foi sepultado cheirando mal