Pular para o conteúdo principal

Fenômenos naturais ameaçam de extinção 10% das espécies de animais vertebrados terrestres

A região neotropical — do sul do México ao norte da Argentina — representa 40% das espécies ameaçadas


Agência Bori
serviço de apoio à imprensa na cobertura da ciência

A região neotropical, que se estende do sul do México até o norte da Argentina, engloba quase 40% das espécies ameaçadas, segundo o estudo. 

Cerca de 10% das espécies de vertebrados terrestres correm risco de extinção nos próximos anos devido a fenômenos naturais como terremotos, furacões, vulcões e tsunamis. 

São quase 4 mil espécies potencialmente ameaçadas e expostas a esses eventos, com uma prevalência significativamente maior em ilhas e regiões tropicais.

As conclusões estão em artigo publicado nesta segunda (17) na revista científica “PNAS”.

O trabalho é assinado por pesquisadores de 20 instituições estrangeiras e brasileiras, incluindo o Centro para Pesquisa em Biodiversidade e Mudanças no Clima (CBioClima) da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus Rio Claro, o Instituto Tecnológico Vale (ITV), a Universidade de São Paulo (USP), a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) e o Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 

Os cientistas mapearam como a ocorrência e magnitude desses fenômenos naturais se sobrepõe às áreas de distribuição de anfíbios, aves, mamíferos e répteis.

Para formular a lista de animais ameaçados por novas ocorrências desses fenômenos, os autores selecionaram as espécies que têm menos de mil indivíduos na natureza ou espécies que vivem uma área consideravelmente pequena — menos de 2500 quilômetros quadrados. Isso porque espécies que terão dificuldades em se reproduzir e, consequentemente, recuperar a viabilidade da população diante de eventos naturais críticos.

A região neotropical, que se estende do sul do México até o norte da Argentina, engloba quase 40% das espécies ameaçadas, segundo o estudo. 

A maioria das espécies são suscetíveis a furacões, no Mar do Caribe e no Golfo do México, e a vulcões, terremotos e tsunamis nas regiões do Anel de Fogo do Pacífico.


Sob ameaça da extinção:
papagaio-de-são-vicente
(Amazona guildingii),
nativo das montanhas
densamente florestadas
da ilha caribenha de
São Vicente, nas
Pequenas Antilhas.

Os resultados indicam que 70% das espécies mais suscetíveis são restritas a ilhas. 

A espécie está classificada como em alto risco devido à atividade vulcânica e em risco devido a furacões. O trabalho também destaca que cerca de 30% das espécies vivem completamente fora de áreas protegidas, o que pode aumentar ainda mais o risco de extinção devido ao grande impacto humano em áreas não protegidas.

O pesquisador Fernando Gonçalves exemplifica que espécies como o urso panda, originário da China, e o beija-flor-de-barriga-safira, presente na Colômbia correm risco de extinção extintos por esses fenômenos naturais. 

Segundo sua avaliação, no Brasil, apenas duas espécies correm risco, já que esses eventos não são frequentes no território brasileiro: o lagarto da areia (Liolaemus lutzae), que vive na costa fluminense, e o sapo-de-barriga-vermelha (Melanophryniscus cambaraensis), que vive entre os estados de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. 

A análise considerou o tsunami de baixa magnitude que atingiu a costa do Rio de Janeiro em 2004 e o furacão de baixa magnitude que atingiu a região sul no mesmo ano.

Gonçalves aponta que, quando acontecem no território brasileiro, terremotos, furacões e tsunamis são geralmente de baixa magnitude.

“Apesar de não estar localizado próximo às bordas das placas tectônicas, onde a maioria dos terremotos ocorre, o Brasil ainda possui falhas geológicas que podem gerar atividade sísmica”, explica o autor. “Quanto aos tsunamis, quando ocorrem, geralmente estão associados a eventos localizados, como deslizamentos submarinos e/ou terremotos distantes”.

As conclusões do estudo evidenciam a necessidade de ações intensivas e urgentes de conservação dessas espécies e de seu ambiente.

“Além dos impactos humanos, a frequência e a magnitude dos fenômenos naturais impulsionados pelo clima, como furacões, devem aumentar nos próximos anos, lembra Gonçalves.

O pesquisador afirma que os impactos desses eventos na biodiversidade, apesar de ainda pouco estudados, podem ser significativos.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Capela em centro espacial é absurdo, afirma estudante

do leitor Sérgio "Este prédio da capela poderia abrigar um bom laboratório" Sou físico e aluno de doutorado do INPE [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] em São José dos Campos (SP) e gostaria de fazer um breve comentário. Há 5 anos, quando ingressei no mestrado no instituto, fique fascinado com a estrutura física/financeira oferecida ao desenvolvimento da pesquisa. Sinceramente não tenho do que me queixar, mas uma coisa  chama muito atenção (não só a minha, claro). É que dentro do INPE (um centro de pesquisa principalmente física), acreditem, tem uma capela para oração. No local que é considerado o maior centro de pesquisa tecnológica da America Latina (a Nasa brasileira, como muitos dizem) existe tal absurdo. Esse prédio poderia, por exemplo, abrigar um bom laboratório ou coisa mais útil. O INPE (englobando todas as áreas – astrofísica, meteorologia, sensoriamento, engenharia de materiais, etc.) é formado por pesquisadores/cientistas de várias partes do mu

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Empresa avisou que as instituições preconceituosas não terão subsídios  Um grupo inglês de escoteiros rejeitou a filiação de George Pratt, 11, porque ele, ateu, disse que, no juramento de lealdade, não podia declarar obediência a Deus. Trata-se de um juramento padrão, seguido por escoteiros de todo o mundo. Nos Estados Unidos, a partir de agora, os grupos de escoteiros que discriminam ateus e gays deixarão de receber ajuda financeira do programa de voluntariado da Intel. A fabricante de chips informou aos grupos de escoteiros, entre outras entidades, que adotou uma nova política de não conceder ajuda a quem promove de discriminação. Chuck Mulloy, porta-voz da Intel, disse que as instituições, para receber subsídios, terão de assinar um documento declarando estar de acordo com as políticas de não discriminação da empresa. A decisão afeta principalmente os escoteiros de Oregon, onde a Intel tem uma fábrica. Somente em 2010, as doações foram de US$ 180.000 (R$ 360.000). Matt

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Família esperou por três dias, mas Neide não ressuscitou; corpo foi sepultado cheirando mal