Pular para o conteúdo principal

Tratamento holístico do câncer? Fuja dessa pseudociência! Fique com a oncologia convencional

“Fim digno” com um tratamento alternativo não é “um digno”


Edzard Ernst
professor emérito da Escola de Medicina da Península, na Universidade de Exeter, Inglaterra

Recebi um e-mail do meu ex-amigo Wayne Jonas e fiquei surpreso ao ler a seguinte passagem:

“O meu novo livro, “Healing and Cancer”, co-escrito com Alyssa McManamon, á está disponível! O cuidado integral em oncologia centra-se na pessoa com câncer — sua história, intuição e compreensão do que constitui uma vida boa e, eventualmente, um fim digno.”

Para quem não o conhece, aqui está o que Wiki tem a dizer sobre Wayne:

Wayne B. Jonas é um médico de família americano, oficial médico aposentado do exército [1] e pesquisador de medicina alternativa. É ex-presidente e CEO do Instituto Samueli. [2] [3] O instituto pesquisa sobre a eficácia da medicina alternativa, como os efeitos da oração no tratamento de doenças, o uso da homeopatia para combater o bioterrorismo e o uso de dispositivos de cura magnética em lesões ortopédicas, com Jonas comentando sobre estes programas de investigação, “Há boas razões para olhar para estas coisas cientificamente, porque não sabemos muito sobre elas”. [3] Ele é professor de medicina familiar na Universidade de Georgetown e professor adjunto na Uniformed Services University of the Health Sciences . [2]

Jonas formou-se em medicina pela Escola de Medicina da Universidade Wake Forest. [2]



O que deve ser tratada
não é a “pessoa integral”,
mas o câncer

Jonas iniciou sua carreira como Diretor da Bolsa de Pesquisa Médica do Walter Reed Army Institute of Research. [2] De 1995 a 1998, Jonas foi diretor do Escritório de Medicina Alternativa (renomeado Centro Nacional de Saúde Complementar e Integrativa), uma filial dos Institutos Nacionais de Saúde . [2] Em 2001, foi fundado o Instituto Samueli. Jonas atua como presidente e CEO desde então. [3].

Alguns dos meus leitores regulares também devem conhecer Wayne, já que ele é membro do meu HALL DA FAMA DA MEDICINA ALTERNATIVA. 

Mas voltando ao seu e-mail recente. Eu não tinha certeza se ria ou chorava quando li a passagem acima citada: sinceramente, não sei o que significa ‘centralizar a pessoa com câncer’. Parece muito besteira da nova era para mim, infelizmente.

O que sei, porém, é o seguinte: quase todos os pacientes com câncer têm um único desejo: livrar-se do câncer. Nunca conheci alguém que quisesse estar “centrado” na doença.

Estou também certo de que os pacientes com câncer quereriam ainda menos estar centrados na sua doença, se soubessem que esta abordagem eventualmente implica um “um digno”. Todos queremos viver — e os pacientes de câncer não são certamente exceções.

Talvez seja apenas a maneira desajeitada de Wayne de tentar expressar algo muito profundo. Ou talvez seja meu erro entender mal sua fraseologia da nova era. 

Em qualquer caso, o tratamento do câncer “para a pessoa inteira” parece muito atraente — isto é, até que você obtenha o diagnóstico. Então, você está procurando desesperadamente uma cura, e não um 'fim digno'. 

A cura, disso tenho certeza, não pode vir do tratamento holístico, mas deve vir dos melhores tratamentos que a oncologia convencional tem a oferecer.

Resumindo: se eu pudesse escolher entre cuidados de “pessoa integral” seguidos de um “fim digno” ou oncologia convencional seguida de sobrevivência, escolheria a última.

> Esse texto foi traduzido para o português e aqui publicado com autorização de Edzard Ernst.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Só metade dos americanos que dizem 'não acredito em Deus' seleciona 'ateu' em pesquisa