Pular para o conteúdo principal

Ateu, Dawkins aposta no cristianismo cultural contra avanço do Islã. É um equívoco

O autor do artigo abaixo afirma ser um equívoco do biologo e militante ateu porque somente o secularismo conseguirá romper um ciclo religioso que vem desde a Idade das Trevas até ao Renascimento e ao Iluminismo 


Jack Stacy
escreve sobre secularismo no site humanista britânico The Freethinker

A posição do “Novo Ateu” tem sido mal compreendida e deturpada desde que o termo foi cunhado. Parece haver algo na sua capacidade de pensamento independente que o torna uma fonte perene de confusão.

Dezoito anos depois de publicar "Deus, um Delírio", Richard Dawkins conseguiu recentemente surpreender tanto figuras conservadoras como ativistas muçulmanos ao dizer que ele é um “cristão cultural” e que escolheria essa fé em vez do Islã se fosse forçado.

Vendo que ele tem dito isso há décadas até mesmo obtendo uma resposta semelhante em 2018, ao comparar favoravelmente os sinos das igrejas com o chamado do muezim para a oração — podemos nos perguntar onde essas pessoas (de Jordan Peterson a Mehdi Hasan) estiveram todo esse tempo.

A suspeita natural é que, para começar, eles não estavam realmente ouvindo, mesmo quando conversavam com Dawkins, como fizeram Peterson e Hasan. Em qualquer caso, têm sem dúvida trabalhado desde então os seus respectivos argumentos teocráticos antes do que consideram ser a batalha pelos corações e mentes ocidentais.

Como tal, não é que eles não possam conceber que um ateu famoso possa preferir a religião da sua educação se for obrigado, mas que isto não convence suficientemente aqueles que esperam convencer (incluindo eles próprios) de que ele sempre foi um cristão perdido, míope. iconoclasta, ou 'islamofóbico' enrustido - para ser recrutado, ignorado ou desprezado de acordo.

Que os defensores do Cristianismo e do Islã estejam tão estreitamente alinhados aqui não deveria ser nenhuma surpresa. O que acontece com os motivados religiosamente é que eles são frequentemente confundidos pelos livres-pensadores.

Aqui nos lembramos da piada contada pelo falecido colega de Dawkins, Christopher Hitchens: um homem é parado num posto de controle em Belfast e questionado se ele é protestante ou católico. Ele responde que é ateu. Resposta: 'Ateu protestante ou ateu católico?'

Hitchens recusou-se a ser alvo de tal piada, preferindo o termo mais direto e negativo, “antiteísta”. E, no entanto, até ele não se desculpou em sua gratidão por parte de sua herança cristã, desde a versão King James da Bíblia até as obras de GK Chesterton.

Na verdade, Hitchens estava até disposto a concordar com uma espécie de “ateísmo protestante” no seu amor pela KJV e no seu respeito pela tradição protestante de resistência à autoridade católica. A questão é que nada disso exigia crença ou mesmo respeito pelo divino.

(Da mesma forma, a sua afirmação de que “a forma mais tóxica que a religião assume é a forma islâmica” não fez dele um fanático ou um “islamofóbico”, uma vez que o Islã é uma ideologia, não uma raça, a ser julgada pelos seus méritos.)

Ainda assim, ele e Dawkins, juntamente com os outros dois “Cavaleiros do Não Apocalipse”, Sam Harris e Daniel Dennett, passaram muito tempo debatendo até que ponto o Cristianismo poderia ser creditado pelas conquistas ocidentais.

Hitchens, por exemplo, afirmou que John Donne não poderia ter escrito a sua poesia sem piedade, enquanto os outros apontaram de várias maneiras o problema inerente de aclamar exclusivamente o único jogo da cidade pelas obras que encomendou. Por outras palavras, nunca saberemos o que Michelangelo teria produzido numa sociedade secular.

É, portanto, tedioso que, apesar de tais conversas matizadas (juntamente com incontáveis ​​livros, debates públicos, reiterações e reafirmações), pessoas instruídas saiam pensando que o ateísmo (novo ou não) é apenas mais um dogma cego, ou a falta de um.

Pior é a opinião cada vez mais popular de que a única forma de preencher o “buraco em forma de Deus” ou de combater a invasão do islamismo e do “wokeismo” na vida pública é através do regresso ao Cristianismo.



Dawkins defende a cultura cristã
(e não o cristianismo) como a
munição mais adequada para uma
guerra cultural contra o islamismo

Destas reconversões, a mais surpreendente e instrutiva foi a da famosa Nova Ateia e crítica do Islã Ayaan Hirsi Ali. As razões que ela cita para a sua recém-descoberta fé em Jesus são que ela perdeu o consolo espiritual que encontrou na religião e que a união sob a tradição judaico-cristã do Ocidente é o único baluarte viável contra os inimigos totalitários do Ocidente – China, Rússia, islamismo e o wakeismo. .

A primeira razão demonstra a atração regressiva que a religião exerce sobre aqueles que nela foram criados. A capacidade dos crentes decaídos tentarem encontrar “significado” na fé dos seus jovens, especialmente quando os pensamentos de mortalidade começam a afirmar-se, é tão previsível como a antiga mudança política para a direita.

Mas Hirsi Ali “regressou” a uma fé completamente diferente, o que sugere que qualquer significado tem mais a ver com o meio do que com a mensagem e, portanto, não pode ser significativo em qualquer sentido verdadeiro. É simplesmente uma espécie de nostalgia pelos pequenos rituais, paisagens, cheiros e consolações da religião. Em suma, o sentimento que uma “cristã cultural” como o seu amigo Richard Dawkins partilharia.

A segunda razão demonstra quão rapidamente a religião se torna a resposta para tudo para os nascidos de novo (de novo). Como Hirsi Ali continua dizendo:

"A lição que aprendi nos meus anos com a Irmandade Muçulmana foi o poder de uma história unificadora, incorporada nos textos fundamentais do Islã, para atrair, envolver e mobilizar as massas muçulmanas. A menos que ofereçamos algo tão significativo, temo que a erosão da nossa civilização continue. E, felizmente, não há necessidade de procurar alguma mistura de medicação e atenção plena da nova era. O cristianismo tem tudo."

O argumento aqui, então, é que, para resistir a sistemas de crenças totalizantes como o Islã e a autocracia chinesa, devemos partir deles e depois restabelecer outro. Também vale a pena notar o ponto de partida sugerido (embora óbvio): aqueles “textos fundacionais”, ou seja, os “fundamentos” – estando isto a algumas cartas de distância da abordagem que uma vez fez Hirsi Ali “amaldiçoar os Judeus” de dentro de um burca .

A tentação é acreditar que tal coisa não poderia acontecer aqui, é claro, enquanto esquecemos que a potência e a imprevisibilidade do desejo doutrinário é a própria raiz do problema, em primeiro lugar.

Na verdade, grande parte da preocupação com o Wokeness vem do quanto ele se assemelha a uma religião, com o seu fanatismo e artigos de fé irracionais. Como, então, podemos argumentar com credibilidade que as mulheres trans não são literalmente mulheres, ao mesmo tempo que, por exemplo, sustentamos que o pão e o vinho podem literalmente transubstanciar -se na carne e no sangue de um pregador imortal da Idade do Bronze, nascido de uma virgem?

Mas não fará muito menos, de acordo com os “Novos Teístas”. Caso contrário, seremos como Dawkins, que ou não conseguiu ver a luz ou é recalcitrante e, portanto, não pode juntar-se às fileiras unidas dos soldados cristãos que marcham para as Guerras Culturais.

Essas são guerras que eles perderão, é claro. Pois não resta nenhuma base adequada para dar os saltos de fé necessários em massa. Ao que parece, o seu único plano real é confiar cinicamente a um Deus que mal conhecem. Isto, face a inimigos cujos momentos são explicados por um conjunto de princípios absolutistas, está a pedir para ser arrastado ao seu nível e derrotado com experiência.

E, no entanto, este é um plano no qual muitos embarcaram agora, inspirado em parte pela história da fé de Tom Holland, Dominion. Mas eu diria que o fervor dos Novos Teístas se deve mais à tendência da história de se repetir. Pois o que são estas senão vagas agitações por outra cruzada em resposta a um califado expansionista, ou outro? Se Deus é por nós, quem será contra nós? é uma pergunta retórica com uma resposta diferente cada vez que é feita.

Somente através do secularismo racional chegamos perto de quebrar este ciclo. Isto reflete-se na nossa linguagem – desde a Idade das Trevas até ao Renascimento e ao Iluminismo. Isto não quer dizer que a secularização não tenha tido implicações de longo alcance. 

Os mesmos avanços que negaram a necessidade da religião como forma de explicar o mundo também desfizeram o respeito pela tradição e pela sabedoria herdada, ao mesmo tempo que atomizaram a sociedade.
O romancista francês Michel Houellebecq foi o observador mais astuto desse fenômeno. Especialmente ao narrar o mal-estar pós-pós-moderno do indivíduo, ele conseguiu prever as maquinações das ordens concorrentes do Islamismo e do Globalismo. Ao fazê-lo, ele tornou-se o sábio do nosso tempo, mais do que a Tom Holland, razão pela qual a sua aparente proposta do Cristianismo como antídoto foi tão prontamente assumida.

O ceticismo e o rigor intelectual são muito mais valiosos contra os nossos inimigos do que igualar a sua ignorância – e arrogância.

O que parece ter sido esquecido por aqueles que proclamam Michel Houellebecq como um pensador católico, porém, é que mesmo ele achou impossível completar a conversão. Numa entrevista com uma especialista na sua obra, Agathe Novak-Lechevalier, disse: “A conversão funciona como uma revelação. Na verdade, cada vez que vou à missa eu acredito; sincera e totalmente, sempre tenho uma revelação. Mas assim que eu saio, ele desaba.

Nesse caso, que esperança existe para o resto de nós? Afinal de contas, nada menos do que uma confissão total será suficiente para que o cristianismo seja a cura para os nossos males. 

Não há forma de forçar a crença, por isso tudo o que resta é rejeitar a noção ou enganar-nos a nós próprios e aos que nos rodeiam, o que, de qualquer forma, é apenas uma forma disfarçada de cristianismo cultural. E mesmo que todos fôssemos feridos num momento de massa damasceno, quais seriam as suas consequências não intencionais para o ceticismo e o rigor intelectual?

O problema é que esses espectros iminentes são exatamente o que tornam as certezas do passado sedutoras. Como previu Oswald Spengler, as ameaças existenciais inspiram uma busca por respostas existenciais. Esse novo reavivamento cristão, então, tem tanto a ver com um anseio pela transcendência e pela salvação daquilo que nos ameaça, como tem a ver com lutar contra isso . Esse desejo não deve ser desprezado, mas da mesma forma não deve permanecer incontestado quando ocorre à custa das nossas faculdades críticas, especialmente nestes tempos críticos.

O Cristianismo Cultural é, portanto, um argumento para definirmos claramente as nossas prioridades. É um argumento para reconhecer que a religião é de fato o produto da cultura, e não o contrário – uma suposição que mesmo os religiosos fazem para qualquer outra fé, exceto a sua própria.

Então poderemos ver que, assim como a beleza do mundo antigo pode ser apreciada e preservada sem adoração a Zeus, Júpiter ou Osíris, também podemos extrair significado dos feriados, da arte e da arquitetura cristã sem insultar os impulsos humanos racionais que podem não os inspirou, mas certamente os criou.

> Esse artigo foi publicado originalmente em abril de 2024 no The Freethinker com o título New Atheism, New Theism, and a defence of cultural Christianity.

Comentários

betoquintas disse…
Como é de se esperar, o texto contém muita generalização e análise superficial. Pode fazer beicinho, queira ou não, toda nossa cultura, inclusive a ciência, foi desenvolvida pelos povos antigos, todos religiosos.
betoquintas disse…
"Então poderemos ver que, assim como a beleza do mundo antigo pode ser apreciada e preservada sem adoração a Zeus, Júpiter ou Osíris, também podemos extrair significado dos feriados, da arte e da arquitetura cristã sem insultar os impulsos humanos racionais que podem não os inspirou, mas certamente os criou."

Wisful thinking.
betoquintas disse…
"Então poderemos ver que, assim como a beleza do mundo antigo pode ser apreciada e preservada sem adoração a Zeus, Júpiter ou Osíris, também podemos extrair significado dos feriados, da arte e da arquitetura cristã sem insultar os impulsos humanos racionais que podem não os inspirou, mas certamente os criou."

Wishful thinking. Beleza e arte são conceitos que não tem evidência de existência, um "pecado" para o ateísmo.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios