Pular para o conteúdo principal

Antes de serem extintos, neandertais tiveram último encontro com sapiens na península ibérica

Não há prova de que o desaparecimento dos neandertais tenha sido provocado pelo Homo sapiens


David Alvarez Alonso 
professor titular de pré-história. Universidade Complutense, Madri, Espanha

The Conversationl
plataforma de informação produzida por acadêmicos e jornalistas

Quando os últimos neandertais se aproximaram do final de sua existência, há 45.000 anos, começaram a aparecer na península ibérica, do leste da Europa, os primeiros grupos de Homo sapiens. 

Considerando ter havido esse encontro, os sapiens seriam os pioneiros e os neandertais os nativos americanos, tomando como parâmetro a narrativa de Fenimore Cooper, romancista que relatou a saga dos últimos moicanos

Os dados confirmam que, ao longo de todo esse tempo, o contato entre sapiens e neandertais foi produzido desde há cerca de 100.000 anos, no Oriente Próximo, também na Ásia Central e posteriormente no leste europeu, no entorno da região balcânica. .

É provável que os resultados dos intercâmbios entre ambos os grupos, aqueles primeiros sapiens que avançaram para o oeste da Europa tenham levado em seu registro genético dos neandertais.

Mas houve um cenário final, o último encontro de uma espécie seguramente debilitada, os neandertais, e outro em abundância, o Homo sapiens. Esse território definitivo era a península ibérica.


Representação artística de
um neandertal, cujo grupo
foi composto pelos
verdadeiros europeus

Os neandertais, os autênticos e os verdadeiros europeus, estenderam-se até à Ásia Central, pelo sul até ao Próximo Oriente e por toda a Europa até à Península Ibérica. Eles foram distribuídos em pequenos grupos, uns de outros, e isso fez com que suas relações se tornassem muito esporádicas e se tornassem mais uma vez a endogamia. 

A análise do ADN revelou que, durante mais de 100.000 anos, houve uma escassa variabilidade genética, com uma estabilidade demográfica bastante precária.

Essas condições foram expostas a uma crise demográfica que poderia levá-los à borda da desaparição, mais de uma vez, sem que o Homo sapiens tiveram nada do que ver.

Durante aproximadamente 60.000 anos, sua população experimentou um declínio notável, com grupos cada vez mais isolados, principalmente no sul e no oeste da Eurásia.

Um dos seus refúgios, onde os neandertais persistiram por quilômetros de anos, foi a península ibérica, especialmente a franja litoral. Aqui você encontrou um lugar bom onde viver.

A extinção dos neandertais coincide no tempo com a chegada do Homo sapiens, um grupo humano que explora seus mesmos recursos e ocupa paisagens e nichos idênticos.

Refugiados no sul da Europa

Nesse processo, tão interessante como um conjunto complexo de interpretação, a península ibérica desempenhou um papel preponderante.

Por um lado, é o último lugar da Europa onde o Homo sapiens chegou, exceto as latitudes mais setentrionais afetadas pela expansão das geleiras e uma climatologia muito adversária. E, ao mesmo tempo, é o último refúgio conhecido para os neandertais, onde encontram atualmente as evidências mais recentes de suas ocupações.

No período de 45.000 a 42.000 anos atrás, as últimas comunidades neandertais abominavam o norte da península e parecem ter vivido apenas na área mais ao sul.

Cerca de 42.000 e 41.000 anos apenas encontramos evidências de grupos de neandertais no sul da costa do Douro, na metade da península ibérica. Por essas datas, os primeiros sapiens estabeleceram-se nas portas da península ibérica.

Os sapiens chegaram ao sul da Península Ibérica há pelo menos 44 mil anos (indícios de uma ocupação  precoce foram encontrados na Lapa do Picareiro, no centro de Portugal). Mas não há nada que confirme que os sapiens deslocaram os neandertais à medida que avançavam.

Compartilhamentos entre neandertais e sapiens

Hoje sabemos que os neandertais e os sapiens compartilhavam muito mais coisas do que aquelas que poderiam separá-los. Nos primeiros sítios sapiens da península, tal como nas últimas ocupações neandertais, foi identificado um padrão de subsistência semelhante: caçavam e consumiam as mesmas espécies de animais nas mesmas áreas. 

As tecnologias utilizadas pelos neandertais, embora um pouco diferentes, partilham um grau de complexidade semelhante às dos nossos antepassados ​​diretos. Ainda mais interessante: tanto os neandertais quanto os sapiens tinham comportamentos simbólicos complexos. Já se admite, embora não por unanimidade, que criaram arte.

Se tinham tanto em comum, por que ambos não sobreviveriam? Talvez porque o seu comportamento social e o seu equilíbrio demográfico — mais precário nos neandertais e mais exitoso nos sapiens — fez com que os sapiens se multiplicassem de forma mais rápida e eficaz.

O desaparecimento dos neandertais é algo que ainda não sabemos explicar por completo. É provável que se deva a uma soma de fatores, a dificuldades às quais os neandertais não conseguiram superar. Certamente a sucessão dos diferentes grupos de neandertais ao longo da Europa foi variada e diferente em cada caso, sem descartar a fusão em algumas ocasiões com grupos de sapiens.

No momento em que ocorreu na Península Ibérica, houve algumas teorias catastrofistas que culparam o Homo sapiens por uma suposta incapacidade dos neandertais de se adaptarem às mudanças e possíveis crises ambientais. Mas nada de tudo isso parece convincentemente convincente sobre sua extinção. 

Há perguntas mais variadas e complexas de definir, como seu possível isolamento e a dificuldade de seguir desenvolvendo seu sistema social particular e necessário, que pode fornecer mais luz sobre seu final.

Um solitário final para os últimos neandertais ibéricos, ocorrido entre há 40.000 e 35.000 anos, e que bem poderia ter sido escrito por Fenimore Cooper. Mas, neste caso, os “últimos moicanos” foram os últimos neandertais.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

Responda cristão: Deus criou as estrelas antes ou depois da Terra?

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão

Ateus americanos recorrem à Justiça na 'guerra ao Natal'

Evangélicos quebram imagens de umbanda no Rio

por Denise Menchen , da Folha Quatro integrantes da igreja evangélica Nova Geração de Jesus Cristo foram presos, acusados de invadir ontem à noite um centro de umbanda no Catete, zona sul do Rio de Janeiro, e quebrar cerca de 30 imagens religiosas, prateleiras e um ventilador (foto). O caso foi registrado na 9ª DP (Catete). Segundo uma das dirigentes do Centro Espírita Cruz de Oxalá, a advogada Cristina Maria Costa Moreira, 45, cerca de 50 pessoas aguardavam em fila a abertura do atendimento ao público, às 19h, quando Alessandro Brás Cabral dos Santos, Afonso Henrique Alves Lobato, Raimundo Nonato e uma jovem identificada apenas como Dominique chegaram ao local. De acordo com Moreira, eles ofenderam os presentes e forçaram a entrada na casa. "Eles chegaram dizendo que queriam ver onde estava o demônio e foram direto para o terreiro", conta Celso Quadros, 52, outro dirigente do centro espírita. "Quebraram tudo, inclusive imagens que temos há 40 anos". A a

Bento 16 associa união homossexual ao ateísmo

Papa passou a falar em "antropologia de fundo ateu" O papa Bento 16 (na caricatura) voltou, neste sábado (19), a criticar a união entre pessoas do mesmo sexo, e, desta vez, associou-a ao ateísmo. Ele disse que a teoria do gênero é “uma antropologia de fundo ateu”. Por essa teoria, a identidade sexual é uma construção da educação e meio ambiente, não sendo, portanto, determinada por diferenças genéticas. A referência do papa ao ateísmo soa forçada, porque muitos descrentes costumam afirmar que eles apenas não acreditam em divindades, não se podendo a priori se inferir nada mais deles além disso. Durante um encontro com católicos de diversos países, Bento 16 disse que os “cristãos devem dizer ‘não’ à teoria do gênero, e ‘sim’ à aliança entre homens e mulheres no casamento”. Afirmou que a Igreja defende a “dignidade e beleza do casamento” e não aceita “certas filosofias, como a do gênero, uma vez que a reciprocidade entre homens e mulheres é uma expressão da bel

Xuxa pede mobilização contra o 'monstro' Marco Feliciano

Pela primeira vez a apresentadora se envolve em uma polêmica A apresentadora da Rede Globo Xuxa (foto) afirmou em sua página no Facebook que o pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP), o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, não é “um religioso, é um monstro”. Sem citar o nome de Feliciano, ela ficou indignada ao ler que “esse deputado disse que negros, aidéticos e homossexuais não têm alma”. “Vamos fazer alguma coisa! Em nome de Deus, ele não pode ter poder.” É a primeira vez que Xuxa pede mobilização de seus fãs em uma questão polêmica. Amiga do padre Marcelo Rossi, ela é católica praticante. No Facebook, em seu desabafo, escreveu sete vezes a palavra "Deus" e argumentou que todos sabem que ela respeita todas as religiões. A apresentadora também se mostrou abalada ao saber que Feliciano, durante uma pregação, pediu a senha do cartão bancário de um fiel. “O que é isso, meu povo?” “Essa pessoa não pode ser presidente da C