Pular para o conteúdo principal

Prefeito de Sorocaba não acata Justiça e mantém Bíblia em escolas

Lei da cidade obriga bibliotecas de escolas municipais a terem exemplar do livro cristão, não estendendo a medida à literatura de outras religiões


“Nós perdemos por 17 a 7”, reconheceu em março o prefeito Rodrigo Manga (Republicanos), de Sorocaba, ao comentar uma decisão do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

“Infelizmente, a Justiça julgou ilegal a obrigatoriedade de ter uma bíblia na biblioteca [de escolas municipais].”

Mesmo reconhecendo a derrota, o prefeito, que é evangélico, disse que descumprirá a decisão judicial, mantendo exemplares do livro sagrado cristão à disposição dos estudantes.

Manga informou que aguardará uma manifestação do STF (Supremo Tribunal Federal), não se sabe quando, porque o tema não está na pauta daquela Corte.

O que o TJ-SP decidiu foi o fato de uma lei municipal exigir a obrigatoriedade em bibliotecas escolares somente da Bíblia, omitindo-se em relação a livros das demais religiões.


O prefeito Manga é
acusado de fazer
compra sem licitação
FOTO: REPRODUÇÃO DO FACEBOOK 

O desembargador Campos Mello, o relator do caso, afirmou, em seu parecer, que fica claro na referida lei de Sorocaba a “opção do legislador pela difusão apenas das religiões cristãs”, afrontando, assim, o princípio da laicidade de Estado.

“Nem o Alcorão (livro sagrado do islamismo), nem o Talmude ou a Torá (livros sagrados da tradição judaica) terão sido objeto dessa obrigatoriedade”, constatou Mello.

“O art. 19 da Lei Maior veda que a União, os Estados, o Distrito Federal e os municípios estabeleçam cultos religiosos, embaracem os respectivos funcionamentos ou com eles mantenham relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público.”

O prefeito Manga, além de se empenhar para impor a Bíblia às escolas, terá de se explicar ao Ministério Público, que o acusa criminalmente de ter feito na Catargo Editorial uma compra de R$ 13,2 milhões para o projeto Banco Mais Escola sem licitação pública.

> Com informação do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, site Porque e de outras fontes.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Só metade dos americanos que dizem 'não acredito em Deus' seleciona 'ateu' em pesquisa