Pular para o conteúdo principal

Livro afirma que o sionismo é uma doutrina colonial e racista

Jornalista explica as diferenças entre o judaísmo e o sionismo; muitas pessoas acham que são a mesma coisa


Breno Altman, fundador do portal de notícias Opera Mundi, especializado em assuntos internacionais, lançou o livro “Contra o sionismo: retrato de uma doutrina colonial e racista”. Ocorreu hoje (24) em Ribeirão Preto (SP), no auditório da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras USP.

O livro de 100 páginas é sobre o conflito entre Israel e os palestinos no Oriente Médio. Publicado pela editora Alameda, ele tem quatro capítulos, destacando as diferenças entre o judaísmo e o sionismo.


Livro aborda a
complexidade do
conflito entre
Israel e a Palestina

Judeu que teve parte de sua família assassinada por holocausto, Altman tem irritado integrantes da comunidade judaica no Brasil ao defender o direito povo palestino de ter um território.

O jornalista é contundente ao criticar o sionismo, “uma vergonha em termos de Direitos Humanos”.

“O regime sionista e seus dirigentes deveriam terminal num tribunal como o de Nuremberg e acabar como os dirigentes do nazismo, porque o regime sionista é a pior das tiranias”, disse ele recentemente.

“O sionismo é uma vergonha para o judaísmo, uma chaga contra os valores humanitários e democráticos do judaísmo.”

> Com informação do Jornal da USP e de outras fontes.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Só metade dos americanos que dizem 'não acredito em Deus' seleciona 'ateu' em pesquisa