Pular para o conteúdo principal

Hepatites virais se tornam a segunda principal causa infecciosa de morte no mundo

A OMS (Organização Mundial da Saúde) informa não haver financiamento suficiente para combater a doença


O número de óbitos por hepatites virais cresce no mundo, tornando a doença a segunda principal causa infecciosa de morte, com 1,3 milhão de óbitos por ano. Apesar de melhores ferramentas de diagnóstico e tratamento, a testagem e o tratamento ainda são insuficientes.

Dados preocupantes:

Aumento de 20% nas mortes por hepatites virais entre 2019 e 2022, totalizando 1,3 milhão de óbitos anuais.

Hepatite B é responsável por 83% das mortes, seguida pela hepatite C (17%).

Mais de 250 milhões de pessoas vivem com hepatite B e 50 milhões com hepatite C.

Meta da OMS de eliminar as hepatites virais até 2030 está em risco.

Falta de acesso ao diagnóstico e tratamento:


Apenas 13% das pessoas com hepatite B crônica foram diagnosticadas.

Apenas 3% das pessoas com hepatite B crônica recebem tratamento.

36% das pessoas com hepatite C crônica foram diagnosticadas.

20% das pessoas com hepatite C crônica recebem tratamento.

Disparidades regionais:


Continente Africano: 63% das novas infecções por hepatite B, mas apenas 18% dos recém-nascidos são imunizados.

Região do Pacífico Ocidental: 47% das mortes por hepatite B, mas apenas 23% das pessoas diagnosticadas têm acesso ao tratamento.

Países com maior carga da doença:

Bangladesh, China, Etiópia, Índia, Indonésia, Nigéria, Paquistão, Filipinas, Rússia, Vietnã. 

Recomendações da OMS:


Ampliar o acesso à testagem e ao diagnóstico.

Oferecer tratamento equitativo.

Ampliar os esforços de prevenção na atenção primária.

Mobilizar financiamentos inovadores.

Financiamento insuficiente:

Recursos para as hepatites virais são insuficientes.


Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m