Pular para o conteúdo principal

Apenas 1 em cada 4 muçulmanos britânicos concorda que o Hamas cometeu atrocidades

Do total dos muçulmanos consultados, 46% manifestaram simpatia pela organização terrorista islâmica


Quase um terço dos muçulmanos no Reino Unido têm uma visão positiva do Hamas e querem que a lei Sharia seja implementada no país nos próximos 20 anos. É o que revela a uma pesquisa sobre atitudes muçulmanas encomendada pela Henry Jackson Society à JL Partners.

Pela pesquisa, apenas um em cada quatro muçulmanos britânicos acredita que o Hamas cometeu homicídio e violação em Israel no dia 7 de outubro de 2023.

Ou seja, do total deles que responderam ao questionário da pesquisa, 46% manifestaram simpatia pela  organização terrorista. Bem acima do percentual de 26% da população em geral.


Hamas tem a simpatia de
46% dos muçulmanos
do Reino Unido

As mulheres e homens muçulmanos britânicos na faixa de 18 e os 34 anos têm maior probabilidade de sentir simpatia pelo Hamas do que outros subgrupos do mesmo grupo demográfico, com 47% e 53%, respectivamente.

Os muçulmanos também são mais propensos a acreditar que os judeus detêm muito poder sobre o governo, as empresas e a mídia.

Tal como a população, mais muçulmanos britânicos apontam o custo de vida como a sua questão eleitoral mais importante, com 40% dos muçulmanos britânicos e 52% dos entrevistados do público em geral  listando o custo de vida como a sua questão número um.

A pesquisa apura que a maioria dos muçulmanos britânicos se preocupa mais com o conflito israelo-palestiniano do que com outras questões mais prementes, como educação (5%) e imigração (10%).

A JL Partners consultou 1.000 muçulmanos e 2.013 pessoas do público britânico em geral. A sondagem foi realizada de 14 de fevereiro a 12 de março para os muçulmanos britânicos e de 4 a 6 de março para o público. Incluiu cotas para idade, sexo e educação para “garantir dados representativos para cada amostra. 

Com sede no Reino Unido, a Henry Jackson Society é uma organização de estudo políticos e econômicos. Ela se apresenta como apartidária, mas é apontada com frequência de representar a centro-direita, mais a direita que o centro. Lideranças de esquerda afirma que se trata de uma entidade islamofóbica.

Com informação do The Daily Sceptic, Henry Jackson Society, BBC News. Wikipédia e outras fontes.

Comentários

betoquintas disse…
Aqui vale a máxima - enquete não serve para emitir juízo de valor.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios