Pular para o conteúdo principal

Cannabis leva a drogas pesadas? Causa transtorno mental? Veja o que a ciência diz

As discussões tendem a simplificar uma questão complexa que envolve diferentes perfis sociais e contexto de consumo 


Marie Jauffret-Roustide
socióloga do Centro de Estudos dos Movimentos Sociais, instituto de pesquisa científica mantido pelo governo francês

Nicolas Authier
pequisador e médico hospitalar

The Conversationl
plataforma de informação produzida por acadêmicos e jornalistas

“A cannabis leva ao uso de drogas mais pesadas”, “a cannabis leva a distúrbios psiquiátricos”, “proibir a cannabis reduz o consumo de cannabis”, “autorizá-la aumenta o consumo”… Quem nunca ouviu, ou transmitiu, essas afirmações redutoras, até mesmo erróneas?

Esses discursos tendem a simplificar interações que são, na verdade, muito complexas. Ancorados num registro emocional e baseados em imaginações caricaturadas, não levam em conta os dados científicos, e impedem a implementação de políticas eficazes de prevenção e redução de riscos e danos, que os levariam em conta. 

Na realidade, os usos de cannabis – e as consequências desses usos – diferem muito dependendo dos perfis sociais e dos contextos de consumo. Então vamos desconstruir algumas ideias pré-concebidas, com a ajuda da pesquisa científica.

Substância amplamente consumida

A cannabis é a primeira substância psicoativa ilícita mais consumida no nosso país: 18 milhões de franceses já experimentaram cannabis durante a vida. Entre eles, 1,3 milhão são usuários regulares (pelo menos 10 vezes por mês) e 850 mil são usuários diários.


Aumentou o número de países
que regulamentam o uso da
cannabis em vez de proibi-la

FOTO: Richard T/Unsplash

O perfil típico do consumidor de cannabis na França é o de um homem jovem, mas pesquisas recentes mostram um aumento do consumo entre as mulheres e um envelhecimento dos usuários, mais frequentemente na faixa dos trinta anos ou mais.

Na maioria dos casos, esse consumo irregular não causa grandes consequências sociais ou de saúde, mas certos grupos, como adolescentes e jovens adultos, estão particularmente expostos aos riscos associados à cannabis. Os estudos disponíveis mostram que uma em cada onze pessoas que consomem cannabis pode desenvolver dependência, ou mesmo uma em cada seis, se o consumo começar na adolescência.

Uma planta de dois gumes

Se existem de fato riscos no consumo de cannabis, eles não são eficazmente evitados pelo contexto político e social em que o consumo ocorre, incluindo a proibição. 

Tal contexto, na verdade, limita a possibilidade de um diálogo claro e de uma prevenção eficaz sobre as consequências do consumo de cannabis. Além disso, também torna mais difícil abordar os benefícios potenciais de certas substâncias ativas contidas nesta planta.

Algumas das substâncias ativas que contém, como o tetrahidrocanabinol (THC) ou o canabidiol (CBD), constituem principalmente certos medicamentos prescritos para indicações específicas, como a dor neuropática (em consequência de danos no sistema nervoso, acidente continuado, cirurgia, herpes zoster, etc.), rigidez muscular (espasticidade) ou formas de epilepsia resistentes a medicamentos.

A cannabis é uma planta segura?

Lembre-se que a origem natural de uma substância não é garantia de ausência de risco (ou presença de benefício) para o corpo humano.

Além dos efeitos desejados (de prazer ou autoterapêuticos), substâncias como o THC ou o CBD também podem induzir efeitos indesejáveis .

O aparecimento dessas complicações depende, em particular, da forma como a cannabis é consumida, da composição do produto (em particular da sua concentração de THC), das vulnerabilidades individuais e do contexto de consumo.

Entre os principais riscos associados ao uso de cannabis, destacamos estas complicações:

- neurológico: sonolência, convulsões;

- cognitivo: distúrbios de memória, atenção e capacidade de aprendizagem;

- psicológicos: ansiedade, ataques de pânico, paranóia ou mesmo dependência;

- digestivo: dores abdominais, vômitos, ganho de peso porque a cannabis aumenta o apetite (efeito orexígeno);

- hormonais e sexuais: interrupção dos ciclos menstruais e alteração da qualidade do esperma e distúrbios de ereção e ejaculação em homens;

- cardiovascular.

Essas últimas complicações são raras, mas potencialmente graves. As mortes atribuíveis ao consumo de cannabis (que também são muito raras) estão mais frequentemente associadas a perturbações do ritmo cardíaco, hipertensão, enfarte do miocárdio ou acidente vascular cerebral.

Complicações respiratórias também podem ocorrer, mas estão diretamente ligadas ao uso pulmonar com combustão e na maioria das vezes ligadas ao uso de tabaco.

A cannabis leva ao uso de outras substâncias mais fortes?

Esse é um argumento frequente nos discursos dos defensores da proibição. Surgido nos Estados Unidos na década de 1930, ainda é frequentemente brandido pelos opositores à legalização do acesso à cannabis, para quem o consumo da erva levaria inevitavelmente à experimentação de outras drogas, como a cocaína ou a heroína. Falamos de “teoria da escalada”, “teoria do trampolim” ou “teoria do portal”.

A teoria da escalada nunca foi comprovada cientificamente, não foi demonstrado que o consumo de cannabis possa ser a causa do consumo de outras drogas ilícitas. Essa teoria foi montada sobre uma confusão entre causalidade e correlação.

Na verdade, a maioria dos consumidores de heroína já consumiu cannabis antes. Mas também consumiam álcool e tabaco. No entanto, nem todos os consumidores de álcool, tabaco ou cannabis mudam para heroína... Ou seja, o fato de fumar cannabis, e portanto de estar exposto ao THC, não incentiva por si só o consumo de outros produtos.

Desenvolvida em 2002, outra teoria é mais credível cientificamente: a do “modelo de responsabilidade comum”, que se baseia na propensão individual ao consumo de substâncias psicoativas. Essa perspectiva refletiria uma vulnerabilidade individual global que dependeria de fatores genéticos e ambientais, e não das substâncias consumidas.

Assim, de acordo com esse modelo, os indivíduos que consumiam cannabis e depois cocaína (ou heroína) teriam passado de uma para outra devido a uma vulnerabilidade geral comum ao uso dessas drogas. 

A ordem de início da droga refletiria então a ordem pela qual os indivíduos teriam a oportunidade de experimentar drogas e, portanto, também a facilidade de acesso a essas drogas e o seu estatuto na sociedade. A crescente disponibilidade de cocaína também poderá mudar a ordem das coisas.

A cannabis necessariamente torna você esquizofrênico?

A esquizofrenia é uma doença crônica e grave que afeta até 1% da população, segundo estimativas. Geralmente começa entre os 15 e os 25 anos, ou seja, nas mesmas faixas etárias dos primeiros usos de cannabis.

É uma doença multifatorial: combina não só fatores causais ambientais, mas também genéticos (a parcela da hereditariedade é significativa: até 80%).

A transição de um estado de vulnerabilidade psicótica (que afeta aproximadamente 10% da população em geral) para a doença esquizofrenia depende de fatores de risco durante a adolescência, entre os quais o consumo de cannabis parece estar envolvido. 

Com efeito, entre adolescentes com elevados níveis de consumo, o risco de apresentar um transtorno psicótico é multiplicado em média por 4 .

Os pacientes com esquizofrenia que usaram cannabis desenvolveram a doença em média três anos antes dos outros. É também um fator negativo na gravidade e no prognóstico da doença. 

O consumo de cannabis é, portanto, não apenas um fator agravante, mas também provavelmente um fator explicativo, mas não suficiente, do transtorno psicótico.

Não é necessário consumir cannabis para desenvolver esquizofrenia, mas 15% dos novos pacientes não teriam desenvolvido a doença se não tivessem consumido a erva. Daí a necessidade de evitar ou retardar a exposição – especialmente crónica – à cannabis o mais tarde possível em pessoas com menos de 25 anos de idade.

A proibição reduz o consumo de cannabis entre os jovens?

É essencial recordar que os modelos políticos escolhidos para regular as drogas têm pouco efeito sobre os níveis de consumo entre os jovens. Assim, a França tem uma das legislações mais repressivas da Europa. No entanto, está no topo do ranking (2º entre 34) no consumo de cannabis entre adolescentes. A Suécia, que também tem um modelo muito repressivo, está na última posição do ranking.

Num contexto proibicionista, as campanhas de prevenção adoptam na maioria das vezes um discurso centrado no medo e nos riscos. No entanto, isso pode ter um efeito contraproducente e encorajar a experimentação de cannabis entre adolescentes.

A proibição da cannabis não tem, portanto, todos os efeitos esperados: não reduz o consumo. Além disso, tem efeitos nocivos porque não protege suficientemente os consumidores de possíveis riscos.

A legalização da cannabis aumenta o seu consumo?

Os países que flexibilizaram as suas leis relativas à cannabis, optando por modelos centrados na saúde pública e na redução de riscos, obtiveram resultados bastante encorajadores no que diz respeito às tendências de consumo entre os jovens e à prevenção.

É o caso, por exemplo, do Quebec, que optou por um modelo de legalização muito centrado na saúde pública. As autoridades observaram uma diminuição do consumo de cannabis nos últimos 12 meses entre os jovens dos 15 aos 17 anos (de 22% para 19%), bem como uma estabilidade entre os jovens dos 18 aos 20 anos e um aumento entre os jovens dos 21 aos 24 anos (39 para 43%).

Além disso, vários estudos demonstraram que políticas mais liberais em relação à cannabis não foram acompanhadas por um aumento significativo do consumo entre os mais jovens .

Além disso, a legalização da cannabis no Canadá permitiu desenvolver a sensibilização dos utilizadores para o risco, graças a investimentos maciços em campanhas de prevenção (108,6 milhões de dólares canadianos ao longo de 6 anos, de 2017 a 2023). 

Os últimos dados do Quebec mostram que a população adquiriu um melhor conhecimento dos riscos associados à cannabis desde a legalização.

Qual modelo político adotar?

Os dados franceses mostram um declínio no consumo de cannabis entre os jovens e um declínio na idade do primeiro consumo entre os estudantes universitários. 

Apesar disso, os jovens franceses com idades entre os 15 e os 24 anos caracterizam-se por um nível de consumo de cannabis mais elevado do que outros jovens europeus. Por exemplo, aos 16 anos, os jovens franceses consomem duas vezes mais cannabis do que a média europeia: 13% afirmam ter consumido cannabis no último mês, em comparação com 7% na Europa.

Confrontados com esse fracasso da proibição em proteger os jovens dos riscos, cada vez mais países escolhem outro caminho, e, em particular. o da legalização da cannabis.

Falta uma perspectiva para fazer uma avaliação completa das legalizações. No entanto, a partir dos primeiros dados disponíveis, fica claro que os modelos muito liberais e comerciais implementados nos Estados Unidos, que fizeram da venda de cannabis um símbolo do capitalismo, podem ter efeitos deletérios. Por outro lado, modelos altamente supervisionados e centrados na saúde pública, como os implementados no Canadá, parecem mais promissores.

A França também se depara com um paradoxo: a cannabis é frequentemente objeto de discursos muito alarmistas, especialmente entre os políticos, enquanto, ao mesmo tempo, o álcool continua a ser altamente valorizado.

No entanto, também na França os dados científicos são claros: a mortalidade relacionada com o álcool representa 49.000 casos por ano (e 7% das mortes na Europa). Mas campanhas de prevenção não recebem apoio estatal. 

É evidente que ainda há progresso a fazer no nosso país para que as políticas de drogas sejam baseadas em evidências científicas…

> Esse artigo foi publicado originalmente em francês.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Morre o americano Daniel C. Dennett, filósofo e referência contemporânea do ateísmo

Entre os 10 autores mais influentes de posts da extrema-direita, 8 são evangélicos

Ignorância, fé religiosa e "ciência" cristã se voltam contra o conhecimento

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Oriente Médio não precisa de mais Deus. Precisa de mais ateus

Vídeo mostra adolescente 'endemoninhado' no chão. É um culto em escola pública de Caxias

Ateu, Chico Anysio teve de enfrentar a ira de crentes