Pular para o conteúdo principal

PF flagra carga de supermaconha em avião da Quadrangular. Igreja diz ter ficado 'surpresa'

O responsável no aeroporto pela droga tentou fugir, saindo correndo, mas foi pego pelos agentes


Em uma nota de poucas linhas, a Igreja do Evangelho Quadrangular — PA diz ter ficado "surpresa" com a apreensão pela Polícia Federal de 290 quilos de maconha concentrada em um seu avião, no aeroporto internacional de Belém, Pará.

"É interesse da Igreja que tudo seja esclarecido e, portanto, reafirma o seu compromisso de colaborar com as investigações", diz a nota.

A PF apurou que o avião vinha sendo usado pelo pastor Josué Bengtson, líder espiritual da Igreja no Pará, e o seu filho Paulo, ambos ex-deputados. 

A Revista Fórum informou que Bengtson é padrinho político da pastora Damares Alves, que foi ministra do Governo Bolsonaro e atualmente é senadora. Ela ainda não se manifestou sobre o caso.

As investigações vão apurar a dimensão desse caso, se, por exemplo, quanto tempo o monomotor da Igreja vinha sendo usado para o transporte de maconha ou se esta foi a primeira vez.

O destino da droga seria Petrolina, Pernambuco. Não se sabe ainda a origem da maconha, onde foi produzida e como foi levada até ao aeroporto. 

A nota da Quadrangular diz que foi a Igreja que avisou a Polícia Federal sobre a droga em seu avião, e o órgão informa que a descoberta se deu pela investigação do seu serviço de inteligência.

A grande quantidade de maconha de boa qualidade, do tipo skunk, sugere que o avião Bonanza estava a serviço de um esquema de tráfico com ramificações em Estados brasileiros e no exterior.

A skank é conhecida como "supermaconha" porque seus efeitos são mais fortes em relação à maconha comum. Seu cultivo é hidropônico e exige capacitação técnica porque se trata de uma planta Cannabis sativa obtida a partir de cruzamento genético.

A apreensão ocorreu no sábado, 27, pela manhã. Os agentes fizeram a abordagem ao avião em um hangar de voos particulares. A decolagem estava prevista para as 7h30.

O responsável pela droga, ao ver os policiais, correu para fora do aeroporto, mas foi pego e o seu celular, apreendido.

Trata-se de uma pessoa que prestava serviço no aeroporto à Quadricular há algum tempo, conforme a igreja admite. A identidade dele não foi divulgada.

A PF liberou o piloto porque, informou, ele não sabia o que ia ser transportado, o que precisa ser confirmado porque a droga, em caixas de papelão, ocupava todo o espaço do monomotor. O cheiro forte da maconha indicava que o avião tinha sido carregado há horas.

Comentários

CBTF disse…
Tinha até droga nos aviões da FAB no governo Bozo, nenhuma surpresa que igrejas e políticos lucram com drogas, por isso a maconha nunca será legalizada no Brasil.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m