Pular para o conteúdo principal

Já pisou em cocô de cachorro ou gato? Cuidado, além de nojento é potencialmente infeccioso

Nos Estados Unidos, um estudo de 2020 encontrou parasitas intestinais em 85% dos pets examinados em parques 


Júlia Wuerz
professora assistente de ciência clínica de pequenos animais, Universidade da Flórida, EUA

The Conversation
plataforma de informação e análise produzida por acadêmicos e jornalistas

Você já saiu para caminhar e, ao dar o próximo passo, sentiu o barulho escorregadio do cocô sob o pé?

Não é apenas nojento. Além da bagunça e do cheiro, é potencialmente infeccioso. É por isso que cartazes lembrando os donos de animais de estimação de “controlar seu cachorro” e recolher seu cocô foram acompanhados em alguns lugares por avisos de que dejetos de animais de estimação podem espalhar doenças.

Como veterinário de cuidados primários de pequenos animais, lido diariamente com doenças causadas por cocô de cães e gatos. As fezes representam riscos zoonóticos potenciais, o que significa que podem transmitir doenças dos animais para as pessoas.

A realidade é que os resíduos deixados no solo podem espalhar parasitas potencialmente fatais não apenas entre cães e gatos, mas também entre animais selvagens e pessoas de todas as idades. Um estudo de 2020 encontrou parasitas intestinais em 85% dos parques para cães sem coleira nos Estados Unidos.

Embora as doenças humanas causadas por parasitas transmitidos pelo solo sejam consideradas pouco comuns, pelo menos nos Estados Unidos, estima-se que a Ascaris lumbricoides infecte cerca de 1 bilhão de pessoas em todo o mundo. 

Recolher o cocô do
pet é obrigação para
manter a saúde pública

As placas em jardins que lembram você de cuidar do seu animal de estimação não são apenas uma tentativa de manter os espaços públicos limpos; eles estão pedindo que você ajude a proteger a saúde da sua comunidade.

O impacto do cocô

Parasitas comuns de cocô de cachorro incluem ancilostomídeos, lombrigas, coccídios e tricurídeos. Ancilostomídeos e lombrigas podem prosperar em uma variedade de espécies, incluindo humanos.

Suas larvas microscópicas podem entrar no corpo por pequenos arranhões na pele após contato com solo contaminado ou por ingestão oral acidental.

Lembre-se de que da próxima vez que você estiver ao ar livre e enxugar o suor do rosto com a mão suja e depois lamber os lábios ou tomar um gole — é simples assim. Depois que a mangueira ou a água da chuva enxaguam o cocô contaminado no solo, esses ovos do parasita podem sobreviver e infectar por meses ou anos.

Uma vez no corpo humano, as larvas da ancilostomíase e da lombriga podem amadurecer e migrar através da corrente sanguínea para os pulmões. A partir daí, a tosse os ajuda a ter acesso ao trato digestivo do hospedeiro, de onde lixiviam nutrientes fixando-se na parede intestinal. 

Pessoas com sistema imunológico saudável podem não apresentar sinais clínicos de infecção, mas em quantidades suficientes esses parasitas podem causar anemia e desnutrição. Podem até causar obstrução intestinal, exigindo intervenção cirúrgica, especialmente em crianças pequenas.

Além disso, os estágios larvais das lombrigas podem passar para o olho humano e, em casos raros, levar à cegueira permanente. Os ancilóstomos podem criar uma condição com coceira intensa chamada larva migrans cutânea , à medida que o verme larval se move logo sob a pele de seu hospedeiro.

Uma vez concluído o ciclo de vida do parasita, ele pode sair do corpo do hospedeiro como um verme adulto intacto, que se parece com um pequeno pedaço de espaguete cozido.
O impacto em outros animais


Cães e gatos também podem desenvolver os mesmos sintomas que as pessoas devido a infecções parasitárias. Além dos riscos de ancilostomídeos e lombrigas, os animais de estimação também são vulneráveis ​​a tricurídeos, giárdia e coccídia.

Além dos parasitas, o cocô abandonado também pode estar contaminado com vírus caninos ou felinos, como o parvovírus, o vírus da cinomose e o coronavírus canino, que podem criar doenças potencialmente fatais em outros cães e gatos, especialmente em animais adultos não vacinados e em cachorros e gatinhos.

Esses vírus atacam as células que se dividem rapidamente, em particular o revestimento intestinal e a medula óssea, deixando-as incapazes de absorver os nutrientes de maneira adequada e de produzir glóbulos vermelhos e brancos de reposição que ajudam na defesa contra esses e outros vírus. A vacinação pode proteger os animais de estimação.

Muitas espécies da vida selvagem local estão nos grupos familiares de canídeos e felinos. Eles também são suscetíveis a muitos dos mesmos parasitas e vírus que cães e gatos de estimação — embora tenham muito menos probabilidade de terem recebido os benefícios das vacinas. Coiotes, lobos, raposas, guaxinins, martas e linces correm o risco de contrair parvovírus, coronavírus e cinomose.

Gerenciamento de cocô

Portanto, onde quer que seu cão ou gato faça suas necessidades – no parque, no mato, na calçada ou até mesmo no seu quintal — recolha aquele cocô, mas evite sempre o contato com a pele. É mais seguro usar uma pá para colocar o cocô diretamente em um saco plástico ou colocar um saquinho na mão para pegar o cocô e puxar o saco plástico sobre ele. Embora seja tentador deixar para trás o “serviço suave” ou cocô aguado, esses são frequentemente os culpados mais prováveis ​​pela propagação de doenças.

Amarre o saco e certifique-se de colocá-lo em uma lata de lixo — e não em cima — para evitar a contaminação inadvertida de um vizinho ou trabalhador de saneamento. Lave imediatamente as mãos, principalmente antes de tocar no rosto, comer ou beber. Os desinfetantes para as mãos podem cuidar de muitos vírus na pele, mas não matam os ovos do parasita.

Outras fontes potenciais de exposição ao cocô — e aos parasitas — são as caixas de areia, as praias e a areia dos parques encontradas sob e ao redor dos playgrounds. A areia é confortável para descansar, divertida para construir castelos e suaviza o impacto se você cair de uma estrutura de jogo. Mas os gatos e outros pequenos mamíferos adoram usá-la como caixa sanitária, pois é fácil de cavar e absorve umidade.

Cobrir as caixas de areia quando não estiverem em uso e monitorar de perto o ambiente na praia e no playground são passos fundamentais para minimizar os riscos de exposição para todos.

Parasitas podem se instalar
em seu corpo pela pele ferida;
na foto, infecção por
ancilostomíase


Ao manter os seus animais de estimação em protocolos regulares de prevenção de parasitas, com testes anuais para parasitas intestinais e remoção rotineira de material fecal do ambiente, você pode ajudar a minimizar o potencial destas doenças entre todos os mamíferos do seu ambiente – humanos, animais de estimação e selvagens.

Como evitar parasitas:

— Recolha os resíduos e jogue-os fora com segurança, independentemente de onde seu animal de estimação faça cocô. Higienize suas mãos depois.

— Lave as mãos antes de comer ou toque no rosto enquanto faz jardinagem ou trabalha no quintal.

— Evite enxaguar o cocô no solo. Usar chuva ou mangueira de jardim apenas remove a sujeira visível, não os problemas microscópicos.

— Certifique-se de que as caixas de areia estejam cobertas quando não estiverem em uso.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional