Pular para o conteúdo principal

Homo sapiens chegou ao norte da Europa há 45 mil. E então o neandertal desapareceu

Novos estudos apontam para um período mais exato em que a nossa espécie chegou à região


Geoffrey Smith
pesquisador, Universidade de Kent

Dorothea Mylopotamitaki
doutoranda, Centro Interdisciplinar de Pesquisa em Biologia (CIRB), Collège de France

Karen Rubens
pesquisador, paleoantropologia, CIRB, Collège de France

Marcelo Weiss
Universidade Friedric, Alemanha

The Conversation
plataforma de informação e análise produzida por acadêmicos e jornalistas

O período entre 50.000 e 40.000 anos atrás marcou uma transformação biológica e cultural crucial para os humanos no norte da Europa moderna: foi a época em que grupos locais de Neandertais foram substituídos pela nossa própria espécie, o Homo sapiens.

As razões exatas desta substituição são ainda desconhecidas, mas os recentes avanços na arqueologia e no estudo das biomoléculas, juntamente com as descobertas arqueológicas, fornecem novos dados esclarecedores sobre a dispersão para o norte do continente europeu dos primeiros grupos de Homo sapiens.

A nossa investigação publicada na Nature aproveitou ao máximo estas novas técnicas, abrindo um novo capítulo na nossa compreensão de como os humanos modernos passaram a habitar o noroeste da Europa, território até então ocupado pelos Neandertais.

Houve novas escavações sob o castelo Ranis
FOTO: KAREN RUEBENS.
Essa imagem está licenciada sob CC BY-NC-ND 4.0. CC POR-NC-ND

Na década de 1930, no sítio Ilsenhöhle em Ranis (Turíngia, Alemanha), Werner M. Hülle descobriu uma grande quantidade de materiais arqueológicos, incluindo ferramentas de pedra ligadas à transição entre o Paleolítico Médio (Neandertal) e o Paleolítico Superior ( Homo sapiens ). 

Este período cultural da indústria de ferramentas de pedra — conhecido como Lincombian-Ranisian-Jerzmanowskian (LRJ) — pode ser rastreado em toda a Europa central e noroeste, desde a República Checa até à Grã-Bretanha.

Hülle não conseguiu identificar restos mortais nas camadas de Ranis LRJ. A má preservação dos ossos em muitos outros locais onde estas ferramentas foram encontradas provocou um forte debate sobre se teriam sido feitas pelos Neandertais ou pelos primeiros Homo sapiens.

Mas a nossa equipa escavou novamente o sítio de Ranis entre 2016 e 2022. Foi um trabalho realizado por uma equipa de investigação internacional, liderada por Jean-Jacques Hublin, Shannon McPherron, Tim Schüler e Marcel Weiss

No decorrer do nosso trabalho, localizamos com sucesso as valas de escavação de Hülle e encontramos novos depósitos de ferramentas remanescentes do LRJ a uma profundidade de quase 8 metros.

Fósseis de humanos antigos

Graças à nova escavação recuperamos cerca de 1.800 fragmentos ósseos. Porém, devido à grande fragmentação, apenas cerca de 10% do material encontrado pôde ser identificado a qual espécie pertencia.

Para aumentar a taxa de identificação, amostramos fragmentos ósseos anteriormente não identificáveis ​​de escavações novas e antigas e utilizamos novos métodos proteômicos (análise de proteínas antigas) para fornecer identificações de novas espécies.

Modificações nos ossos de animais
mostram que eles foram humanos
Superior: mandíbula de lobo com
corte marcado
Abaixo: Fratura da medula óssea
no cervídeo
À direita: mandíbula não modificada
de hiena
IMAGEM LICENCIADA
CC BY-NC-ND 4.0. Geoff M Smith

Foi uma surpresa agradável quando identificamos restos humanos, tanto das nossas novas escavações como das da década de 1930: pela primeira vez na história da arqueologia, restos humanos foram identificados com segurança a partir de uma camada do LRJ.

Uma nova avaliação visual de fragmentos ósseos da década de 1930 elevou o número total de fragmentos humanos identificados para treze.

A análise do DNA antigo identificou todos esses fragmentos humanos como Homo sapiens. Uma série de datações diretas por radiocarbono colocou-os com segurança em cerca de 45 mil anos atrás.

Os primeiros humanos, caçadores resistentes ao clima

Os fósseis humanos foram encontrados ao lado de restos de esqueletos de renas, bisões, rinocerontes-lanudos, raposas árticas, lobos e carcajus, sugerindo um ambiente extremamente frio. As estimativas de temperatura obtidas a partir de isótopos de oxigênio de dentes de cavalo confirmaram isso, sugerindo condições climáticas subárticas, semelhantes às da tundra noroeste da atual Rússia .

Embora alguns ossos de animais mostrassem sinais claros de terem sido massacrados por humanos, grande parte do material apresentava sinais claros de ter sido consumido por hienas. Tanto as análises arqueológicas como os dados extraídos diretamente de restos humanos mostram uma dieta baseada em grandes herbívoros — especialmente renas e cavalos — e focada em medula óssea altamente nutritiva. Também foram identificadas marcas de cortes em carnívoros, incluindo lobos, sugerindo que suas peles eram usadas para combater o frio.


Também pudemos comparar as identificações de nossas espécies baseadas em estudos ósseos com aquelas reveladas por amostras de DNA de sedimentos antigos. Assim, encontramos um aumento no DNA carnívoro em camadas com mais restos de herbívoros e materiais que foram consumidos pelos carnívoros.

Concluindo, fica claro que a Caverna Ranis foi usada intermitentemente por hienas, ursos em hibernação e pequenos grupos pioneiros de Homo sapiens resistentes ao clima.

Novos conhecimentos

O nosso trabalho marca uma mudança significativa na compreensão das incursões iniciais do Homo sapiens nas planícies do noroeste da Europa há 47.500 anos, que ocorreram sob condições climáticas extremamente frias. Eles se moviam em pequenos grupos, compartilhavam seu ambiente e localização com grandes carnívoros, como hienas, e faziam pontas de pedra muito finas.

O breve uso da caverna Ranis por pequenos grupos de Homo sapiens contrasta com evidências do mesmo período de sua presença mais longa e intensa na caverna Bacho Kiro, na Bulgária. Isto mostra que estamos apenas começando a compreender a dinâmica de assentamento das primeiras dispersões do Homo sapiens na Europa, bem como as suas interações com grupos locais de Neandertais.

Com um novo conjunto de ferramentas analíticas à nossa disposição e com grandes quantidades de material ósseo disponível para estudo — tanto de novas escavações como de coleções de museus existentes — estamos entrando numa nova e excitante fase de investigação arqueológica sobre a coexistência da nossa espécie com os Neandertais.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional