Pular para o conteúdo principal

Adesivos feitos por neandertais revelam habilidades cognitivas superiores

Ferramentas de pedra têm cabo feito com uma mistura de ocre e com betume, revelando uma técnica que se pensava ter sido desenvolvida pelos primeiros humanos modernos


Universidade de Nova York

Os neandertais criaram ferramentas de pedra unidas por um adesivo multicomponente, descobriu uma equipe de cientistas. As suas descobertas — as primeiras evidências de um adesivo complexo na Europa — sugerem que esses antecessores dos humanos modernos tinham um nível de cognição e desenvolvimento cultural mais elevado do que se pensava anteriormente.

Publicado na revista Science Advances, o trabalho incluiu pesquisadores da Universidade de Nova York, da Universidade de Tübingen e dos Museus Nacionais de Berlim.

“Essas ferramentas surpreendentemente bem preservadas apresentam uma solução técnica muito semelhante a exemplos de ferramentas feitas pelos primeiros humanos modernos na África, mas a receita exata reflete um ‘giro’ neandertal, que é a produção de cabos para ferramentas manuais”, diz Radu Iovita, professor associado do Centro para o Estudo das Origens Humanas da Universidade de Nova York.

A equipe de pesquisa foi liderada por Patrick Schmidt da seção de Pré-história e Ecologia Quaternária da Universidade de Tübingen e Ewa Dutkiewicz do Museu de Pré-história e História Antiga dos Museus Nacionais de Berlim.

Os pesquisadores reexaminaram descobertas anteriores de Le Moustier, um sítio arqueológico na França  descoberto no início do século XX.

Ferramenta de pedra colada
em um cabo de betume líquido
com adição de 55% de ocre

FOTO: ARQUIVO DOS PESQUISADORES

As ferramentas de pedra de Le Moustier — usadas pelos neandertais durante o período do Paleolítico Médio do Mousteriano entre 120.000 e 40.000 anos atrás — são mantidas na coleção do Museu de Pré-história e História Antiga de Berlim e não haviam sido examinadas em detalhes anteriormente. As ferramentas foram redescobertas durante uma revisão interna da coleção e seu valor científico foi reconhecido.

“Os itens eram embalados individualmente e intocados desde a década de 1960”, diz Dutkiewicz. “Como resultado, os restos de substâncias orgânicas aderentes foram muito bem preservados.”

Os pesquisadores descobriram vestígios de uma mistura de ocre e betume em diversas ferramentas de pedra, como raspadores, lascas e lâminas. Ocre é um pigmento terrestre natural; o betume é um componente do asfalto e pode ser produzido a partir do petróleo bruto, mas também ocorre naturalmente no solo.

“Ficamos surpresos que a composição do ocre fosse acima de 50%”, diz Schmidt. “Isso ocorre porque o betume seco ao ar pode ser usado inalterado como adesivo, mas perde suas propriedades adesivas quando grandes proporções de ocre são adicionadas.”

Ele e sua equipe examinaram esses materiais em testes de tração — usados ​​para determinar a resistência — e outras medidas.

“Foi diferente quando usamos betume líquido, que não é muito adequado para colagem. Se adicionar 55% de ocre, forma-se uma massa maleável”, diz Schmidt.

A mistura era pegajosa o suficiente para que uma ferramenta de pedra ficasse presa nela, mas sem aderir às mãos, o que a tornava um material adequado para um cabo.

Um exame microscópico dos vestígios de desgaste nestas ferramentas de pedra revelou que os adesivos nas ferramentas de Le Moustier foram usados ​​desta forma.

“As ferramentas mostraram dois tipos de desgaste microscópico: um é o típico polimento nas arestas vivas que geralmente é causado pelo trabalho de outros materiais”, explica Iovita, que conduziu esta análise.

“O outro é um polimento brilhante distribuído por toda a suposta peça portátil, mas não em outro lugar, que interpretamos como resultado da abrasão do ocre devido ao movimento da ferramenta no punho.”


O uso de adesivos com vários componentes, incluindo várias substâncias pegajosas, como resinas de árvores e ocre, era anteriormente conhecido pelos primeiros humanos modernos, Homo sapiens, na África, mas não pelos primeiros neandertais na Europa.

No geral, o desenvolvimento de adesivos e a sua utilização no fabrico de ferramentas é considerado uma das melhores evidências materiais da evolução cultural e das capacidades cognitivas dos primeiros humanos.

“Os adesivos compostos são considerados uma das primeiras expressões dos processos cognitivos modernos que continuam ativos hoje”, diz Schmidt.

Na região de Le Moustier, o ocre e o betume tiveram de ser recolhidos em locais distantes, o que exigiu muito esforço, planejamento e uma abordagem direcionada, observam os autores.

“Tendo em conta o contexto geral das descobertas, assumimos que este material adesivo foi feito por neandertais”, conclui Dutkiewicz.

“O que o nosso estudo mostra é que os primeiros homo sapiens na África e os neandertais na Europa tinham padrões de pensamento semelhantes”, acrescenta Schmidt.

“Suas tecnologias adesivas têm o mesmo significado para a nossa compreensão da evolução humana”.

> Com informação da Science Advances.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Morre o americano Daniel C. Dennett, filósofo e referência contemporânea do ateísmo

Entre os 10 autores mais influentes de posts da extrema-direita, 8 são evangélicos

Ignorância, fé religiosa e "ciência" cristã se voltam contra o conhecimento

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Oriente Médio não precisa de mais Deus. Precisa de mais ateus

Vídeo mostra adolescente 'endemoninhado' no chão. É um culto em escola pública de Caxias

Ateu, Chico Anysio teve de enfrentar a ira de crentes