Pular para o conteúdo principal

Para você enxergar bem, os olhos precisam se mover. Por quê?

Nossos olhos se movem com rapidez e em vários sentidos, e não temos consciência de para onde estamos olhando exatamente


Maria do Pilar Aivar Rodriguez
professora de psicologia e pesquisadora sobre percepção e atenção, atua na Universidade Autônoma de Madrid, Espanha

Victoria Plaza
pesquisadora dos processos de aprendizagem e na memória humana. Atua na Universidade Autônoma de Madrid

The Conversation
plataforma de informação e análise produzida por acadêmicos e jornalistas

Tendemos a pensar que nossos olhos funcionam igual a uma câmera. Em parte é assim: os olhos têm a estrutura de uma câmera escura e possuem lentes (córnea, cristalino) que refratam a luz. Porém, há uma diferença fundamental: nossos olhos só enxergam bem se se movimentarem!

Se movermos a câmera ao tirar uma foto, o resultado será muito ruim. Mas isso não acontece no caso da visão. Precisamos mover nossos olhos para ver corretamente.

É muito fácil demonstrar a importância do movimento ocular. Se olharmos atentamente para a cruz central da imagem abaixo por cerca de 10 segundos, veremos que as diferentes cores começam a se misturar e desaparecer. Assim que movermos nossos olhos, eles ficarão visíveis novamente.

Diferenças de cores
"somem" se o olhar se
fixar na pequena cruz

Este efeito é denominado efeito Troxler, em homenagem ao seu descobridor. Mostra que o movimento ocular é importante para não esgotar as células receptoras da retina (bastonetes e cones). Portanto, mesmo quando mantemos o olhar fixo em um ponto, nossos olhos nunca ficam completamente imóveis

Como os olhos se movem?

É muito interessante ver a diversidade de formas como nossos olhos se movem. Podemos manter nosso olhar fixo em um objeto em movimento para segui-lo. Neste caso, os olhos se moverão na mesma velocidade do objeto. Quando os objetos se aproximam ou se afastam de nós, também movemos os olhos para poder focar com clareza. Se movermos a cabeça ou o corpo, os olhos compensam o efeito desse movimento para que nosso olhar fique estável.

Também podemos mover nosso olhar de um objeto para outro. Esses movimentos são chamados de sacadas e nos fornecem muitas informações sobre como resolvemos muitas tarefas. As sacadas ocorrem com muita frequência, cerca de três vezes por segundo. Ou seja, estamos continuamente mudando a posição do nosso olhar.

Como podemos saber o que estamos vendo?

O movimento ocular é estudado principalmente com sistemas de gravação baseados em infravermelho. Esses aparelhos emitem luz infravermelha (invisível para nós) e registram como ela é refletida na superfície do olho, de forma inofensiva. Com essa informação, eles podem estimar a posição do olhar.

Existem vários modelos com características diferentes. Alguns são adequados para analisar como as tarefas são executadas em uma tela: ler, analisar uma imagem, um vídeo ou um site. Outros permitem registrar o nosso olhar em tarefas mais ativas, por exemplo, ao pegar objetos ou caminhar. No nosso grupo de pesquisa e na UAM temos vários modelos diferentes (EyeLink, Tobii, Pupil Labs).

Para onde exatamente olhamos?

O estudo das sacadas nos permitiu saber detalhadamente o que vemos e o que não vemos. Esta seleção depende principalmente da tarefa que estamos realizando. Aqui resumimos os resultados mais interessantes:

Selecionamos o que é importante. O olhar é direcionado apenas para os objetos que vamos utilizar ou para as áreas informativas da cena. Outros elementos são ignorados. É como se eles não existissem. Por exemplo, se procurarmos algo vermelho, dificilmente prestaremos atenção em objetos de outras cores. Se olharmos para um rosto, focaremos nos olhos e na boca, porque isso nos ajuda a compreender as palavras e expressões da outra pessoa.

Quase sempre sabemos onde encontrar as informações relevantes. Em contextos conhecidos, o olhar é direcionado com muita precisão para a posição exata dos objetos. Noutras situações, olhamos para as áreas onde é mais provável encontrá-los. Por exemplo, procuraremos uma chávena numa superfície antes de procurarmos em locais mais improváveis, como o chão. Também aprendemos rapidamente onde encontrar objetos relevantes para uma tarefa.

Procuramos informações exatamente quando elas são necessárias. O olhar salta de objeto em objeto, mas de forma que obtemos a informação justamente quando precisamos dela. É por isso que podemos não ver algo, como um sinal de trânsito, se estiver no lugar errado ou onde não esperamos. Em tarefas mais complexas podemos antecipar o que vamos precisar e analisar antes de precisarmos.

O olhar tem um papel central no controle da ação. Quando movemos as mãos ou o corpo, a posição do nosso olhar muitas vezes indica para onde vamos realizar a ação ou para onde vamos. Por exemplo, se vamos pegar um copo, olharemos para o centro de sua superfície, onde o seguraremos com os dedos. Porém, se vamos enchê-lo com água olharemos para a borda superior do copo. Quando caminhamos em terreno difícil, nosso olhar antecipa nossos pés em alguns passos.

Não temos consciência de para onde estamos olhando exatamente. Se você nos perguntar, teremos dificuldade em dizer quais objetos olhamos. Por exemplo, pensamos que ao ler arrastamos os olhos pelas palavras, mas na realidade os nossos olhos saltam, percorrendo várias palavras ao mesmo tempo. Acreditamos também que a melhor estratégia para acertar uma bola é segui-la com os olhos. No entanto, bons jogadores antecipam a sua posição futura. Nossos olhos são mais rápidos que nosso pensamento.

Por que é útil saber tudo isso?

O estudo do movimento dos olhos nos dá muitas informações. Permite compreender em que prestamos atenção ao realizar tarefas complexas e rápidas, como desporto e condução. Também nos ajuda a compreender por que temos dificuldade em detectar coisas relevantes, como um sinal de dano numa mamografia.

No ambiente clínico, permite-nos compreender com maior profundidade os problemas sofridos, por exemplo, pelos pacientes de Parkinson e pelas pessoas com perturbações do espectro do autismo. 

O olhar abre uma janela para o funcionamento da nossa mente.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional