Pular para o conteúdo principal

Não acredite que a culpa é do Mercúrio retrógado. É mais uma bobagem da pseudociência

As pessoas instruídas deixaram de acreditar nas previsões do horóscopo por volta de 1.700, mas os jornais, para aumentar a venda de seus exemplares, ressuscitaram essa antiga pseudociência na década de 1920


Eva Botkin-Kowack
jornalista

National Geographic Brasil

Desde uma briga com seu cônjuge até uma peça recém-quebrada em seu carro, Mercúrio, o planeta mais próximo do Sol, é frequentemente responsabilizado pelos infortúnios da vida, grandes e pequenos.

É possível que você ouça a responsabilidade ser atribuída a "Mercúrio retrógrado", referindo-se à forma como o planeta parece retroceder em sua marcha pelo céu por algumas semanas a cada quatro meses. O próximo período que isso ocorrerá será de 1º de abril a 25 do mesmo mês de 2024
.
O aparente movimento retrógrado de Mercúrio é uma ilusão de ótica, e sua suposta conexão com os acontecimentos na Terra (astrologia) é pseudociência. Ainda assim, a ideia de que Mercúrio tem poder sobre nossa comunicação é popular no Ocidente.

O movimento retrógrado tem capturado a atenção dos humanos que observam o céu há milênios. A interpretação astrológica atual dos movimentos dos planetas tem raízes profundas em antigas tábuas gravadas pelos primeiros astrônomos.

Mercúrio retrógrado
é ilusão de ótica

O que acontece durante a retrogradação de Mercúrio?

Na verdade, Mercúrio não está se movendo para trás em sua órbita ao redor do Sol. O movimento retrógrado é uma ilusão de ótica causada pelo fato de todos os planetas se moverem em velocidades diferentes uns dos outros.

“É como dirigir em uma rodovia com várias pistas na mesma direção”, explica Carolyn Ernst, cientista planetária do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, Estados Unidos, e vice-presidente do Grupo de Avaliação de Exploração de Mercúrio da Nasa.

“Se você estiver passando por um carro em outra pista que esteja indo mais devagar, ele pode parecer estar se movendo para trás em comparação com você, apesar de estar indo na mesma direção, e vice-versa. Isso é o que acontece quando Mercúrio passa pela Terra.”

Em meio às ideias centradas na Terra dos astrônomos antigos sobre os céus, um corpo celeste que parecesse se mover para trás teria apresentado um enigma atraente. De fato, o aparente movimento retrógrado dos planetas foi documentado bem no início da história humana.

Primeiras observações registradas de Mercúrio retrógrado

Mercúrio retrógrado foi provavelmente documentado pela primeira vez por astrônomos babilônicos por volta do século 7 a.C., diz Mathieu Ossendrijver, historiador da ciência antiga, assiriologista e astrofísico da Freie Universität, Berlin, Alemanha.

Esses astrônomos antigos gravaram diários astronômicos em tábuas de argila, descrevendo o movimento dos planetas em detalhes — inclusive como Mercúrio parecia desacelerar e dar voltas sobre si mesmo. 

Os astrônomos babilônicos também criaram fórmulas para prever onde os corpos celestes, incluindo Mercúrio, apareceriam no céu.

"Eles tinham uma compreensão matemática muito clara desse movimento", diz Ossendrijver.

"Na Babilônia, os planetas e as estrelas eram vistos como manifestações de deuses", acrescenta. Portanto, qualquer movimento ou fenômeno relacionado aos planetas era visto como sinais a serem interpretados sobre o destino do "rei ou do país", explica Ossendrijver. Os horóscopos mais voltados para o indivíduo surgiram mais tarde, por volta de 400 a.C.

Outro conjunto de tábuas cuneiformes detalhava como interpretar o movimento dos corpos celestes. A tábua que interpretava o movimento de Mercúrio está faltando, informa Ossendrijver, portanto não se sabe que presságios os babilônios viam em Mercúrio retrógrado.

O nome babilônico para o planeta Mercúrio "significa algo como 'o saltitante'", diz Ossendrijver. "É um planeta que pula para frente e para trás. É claro que é o planeta mais rápido e, portanto, há alguma peculiaridade em Mercúrio no céu, algo mercurial, pode-se dizer, que os babilônios já viam nesse planeta."

Como as opiniões sobre astrologia no Ocidente mudaram

A ideia de que as posições e o movimento dos corpos celestes poderiam prever o destino de uma nação, um governante, uma colheita ou um evento perdurou na Europa medieval.

Alguém muito poderoso ia a um astrólogo e dizia: "Quero sitiar um castelo ou atacar meus inimigos, qual é o melhor momento?", cita Nicholas Campion, diretor do Sophia Centre for the Study of Cosmology in Culture, da University of Wales Trinity Saint David, País de Gales.

Acreditava-se que Mercúrio retrógrado impedia esses empreendimentos, bem como as adivinhações desses astrólogos. De fato, acrescenta Campion, alguns astrólogos poderiam dizer que não conseguiam ler o mapa quando Mercúrio estava retrógrado.

Ainda assim, "nenhuma decisão astrológica teria sido tomada puramente com base em Mercúrio retrógrado", explica Campion. Um astrólogo analisaria todo o horóscopo ao responder a uma pergunta de alguém, diz ele.

A astrologia tornou-se popular na Europa já no século 12 e atraiu mais entusiastas depois que a prensa mecânica foi inventada em 1439. Ela ainda não havia sido separada da astronomia como é hoje. Mas as abordagens começaram a mudar em poucos séculos, provavelmente devido a uma combinação de fatores políticos, culturais e científicos.

Em 1543, Nicolau Copérnico propôs que nosso sistema planetário girava em torno do Sol, não da Terra. Quando Galileu começou a usar telescópios nos céus no início dos anos 1600, o modelo heliocêntrico pegou — o que, "para muitas pessoas, tornou a astrologia um pouco menos provável", conta Campion.

Também pode ter havido um componente político que corroeu o interesse pela astrologia, acrescenta ele. Durante as tensões em torno das guerras civis inglesas, em meados de 1600, a astrologia passou a ser associada aos puritanos radicais que derrubaram a monarquia em 1649. Depois que a monarquia foi restaurada, todas as coisas vistas como radicais foram revertidas.

Por volta de 1700, a consulta astrológica para destinos pessoais e o uso de horóscopos pessoais "praticamente desapareceram da Europa (...) e não eram mais levados a sério por pessoas instruídas", diz Campion. A astrologia perdurou apenas na publicação de almanaques mensais ou anuais.

Astrologia: um fenômeno moderno

A astrologia de horóscopo começou a ressurgir por volta da década de 1920, explica Campion, com colunas regulares de jornal descrevendo previsões para os 12 signos do zodíaco. Mas a popularidade do conceito de Mercúrio retrógrado é uma tendência mais recente, diz Jennifer Freed, astróloga com doutorado em psicologia.

Mercúrio retrógrado é um conceito fora dos signos do zodíaco, por isso pode atrair as pessoas que são novas na astrologia, acredita. "É adjacente à experiência de todos", diz ela. "Ninguém fica de fora da conversa".

Como ver Mercúrio retrógrado

Devido à sua velocidade, Mercúrio fica retrógrado várias vezes em um ano terrestre. Observadores atentos do céu poderão observar Mercúrio parecer desacelerar e depois inverter a direção durante esses períodos, diz Ernst.

O truque é observar a posição de Mercúrio no céu em relação às estrelas ou constelações a cada noite clara e anotá-la. Com o passar das noites, esses gráficos mostrarão Mercúrio parecendo desacelerar em sua progressão através da paisagem estelar e, em seguida, dar uma volta sobre si mesmo, antes de continuar.

• Ex-astróloga adverte que a astrologia pode causar danos

• Constelação família é pseudociência a serviço do machismo

Comentários

CBTF disse…
A única coisa retrógrada que realmente existe é o pensamento desses astrólogos e olavistas.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional