Pular para o conteúdo principal

Mortes por câncer infantil são mais frequentes em cidades com poucos leitos de UTI

Estudo que considerou duas décadas revela que a mortalidade por essa doença de crianças e adolescentes foi de 7,4 óbitos a cada 100 mil habitantes 


Agência Bori

Pesquisa da Universidade de São Paulo (USP) revela uma relação entre investimentos em saúde e os índices de mortalidade por câncer de adolescentes e crianças brasileiras.

As regiões com menos quantidade de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Sistema Único de Saúde (SUS) tiveram um índice mais alto de mortes por câncer infantil e adolescente em vinte anos. 

Os dados estão descritos em artigo publicado na sexta (26) na “Revista Brasileira de Epidemiologia”.

O estudo analisou as mudanças ocorridas nas taxas de mortalidade por câncer na infância e adolescência no país de 1996 a 2017 e sua relação com gasto público em saúde a partir de dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) e do Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde (Siops).

No CNES, os pesquisadores obtiveram dados do número de estabelecimentos em saúde de cada estado brasileiro, o tipo de atendimento prestado, o número de profissionais cadastrados e de leitos hospitalares e, no Siops, dados sobre a despesa total com saúde de cada estado, gasto público em saúde per capita, participação da despesa com pessoal e da despesa total com saúde. 

Para a análise, os pesquisadores usaram a categoria de regiões intermediárias do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que respondem a serviços mais complexos nos territórios.

No período estudado, a mortalidade por câncer foi maior entre meninos na faixa etária de zero a quatro anos em todas as regiões brasileiras.

A taxa de mortalidade por câncer em crianças e adolescentes no Brasil foi de 7,4 óbitos a cada 100 mil habitantes, 8 para o sexo masculino e 6,5 óbitos para o sexo feminino. Essa taxa foi mais baixa em regiões com Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) mais alto, mais investimento público em saúde e mais leitos hospitalares de UTI.

Houve declínio na mortalidade por câncer em crianças e adolescentes entre 1996 e 2017 em 66% das regiões intermediárias brasileiras. Em 30% das regiões, as mortes se mantiveram estacionárias, ou seja, não houve mudança na tendência de mortalidade por câncer na infância e adolescência e, em 3% delas, houve crescimento desta taxa.

As regiões dos municípios de Lábrea, no Amazonas, Oiapoque, no Amapá, Corrente, no Piauí, e Barra do Garças, no Mato Grosso tiveram aumento nas taxas de mortalidade no período analisado.

Kamila Tessarolo Velame, pesquisadora da USP e co-autora do estudo explica que quanto mais alto o IDH de uma região, mais altos também tendem a ser os investimentos em saúde, propiciando melhor acesso da população ao diagnóstico e tratamento precoces do câncer. “Isso faz com que as chances de cura sejam maiores, aumentando a sobrevida dos pacientes”.

Existe uma disparidade na distribuição de recursos destinados à saúde no Brasil, além de uma precariedade nos sistemas de informação responsáveis por registrar as mortes por câncer. 

Com informação “Revista Brasileira de Epidemiologia”.

• Nova subvariante da Covid-19 chega ao Brasil. E quatro pessoas já foram internadas

• Pandemia silenciosa das superbactérias causa mais de 4 milhões de mortes por ano

• SUS já realizou mais de 24 mil sessões da controvertida constelação familiar

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional