Pular para o conteúdo principal

França de 1766. Jovem é decapitado sob acusação de zombar da Virgem Maria

O episódio entrou para a história como exemplo brutal da opressão religiosa durante o período do iluminismo francês


Em 1766, em Abbeville, na França, um adolescente foi acusado de cantar canções que zombavam da Virgem Maria, danificar um crucifixo e permanecer de chapéu enquanto passava uma procissão.

Criticar a Igreja dava pena de morte.

O garoto Chevalier de La Barre,19, foi condenado a ter a língua cortada e a mão direita decepada, e a ser queimado na fogueira.

O escritor Voltaire tentou salvá-lo. O caso foi levado ao Parlamento de Paris.


O clero exigia a pena de morte, e o Parlamento mostrou misericórdia: sugeriu que o jovem fosse apenas decapitado.

Ainda assim, La Barre foi torturado para que se extraísse dele alguma confissão de pacto com o Satanás. 

A decapitação ocorreu no dia 1º o daquele ano, o seu corpo queimado com um exemplar do Dicionário Filosófico, de Voltaire.

O caso passou para a história como intolerância religiosa do governo francês e se tornou um símbolo do combate à injustiça e à opressão durante o Iluminismo.

Com informação do livro Perseguições Religiosas, de James. A. Haught, e de outras fontes. 

• Fanatismo religioso mantém atual 'O Pagador de Promessas', filme de 1962

• Cristãos fundamentalistas acusam Sabrina Sato de apologia a Satanás

• Padre Paulo Ricardo fala sobre 'a nova droga popular do momento'

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional