Pular para o conteúdo principal

Congregações seculares atraem americanos não religiosos. São as igrejas sem Deus

Algumas organizações são chamadas de “igrejas ateístas”, mas nem sempre o propósito delas é promover o ateísmo


Jacqui Frost
professora assistente de sociologia na Universidade Purdue, Estados Unidos

The Conversation
plataforma de informação e análise produzida por acadêmicos e jornalistas

Testemunhos compartilhados, canto coletivo, meditação silenciosa e rituais de batismo — todas essas são atividades que você pode encontrar em um culto cristão em uma manhã de domingo nos Estados Unidos. Mas como seria se os ateus se reunissem para realizar esses rituais?

Hoje, quase 30% dos adultos nos Estados Unidos dizem não ter afiliação religiosa, e apenas metade frequenta regularmente cultos. Mas nem todas as formas de igreja estão em declínio — incluindo as “congregações seculares”, ou o que muitos chamam de “igrejas ateístas”.

Como socióloga da religião que passou os últimos 10 anos estudando comunidades não religiosas, descobri que as igrejas ateístas servem muitos dos mesmos propósitos que as igrejas religiosas. O seu crescimento é uma prova de que o declínio religioso não significa necessariamente um declínio na comunidade, no ritual ou no bem-estar das pessoas.

O que é uma igreja ateia?

As congregações seculares muitas vezes imitam organizações religiosas usando a linguagem e a estrutura de uma “igreja”, tais como reuniões aos domingos ou ouvindo o “testemunho” de um membro, ou adaptando a linguagem ou práticas religiosas de outras formas.

As congregações seculares muitas vezes imitam organizações religiosas usando a linguagem e a estrutura de uma “igreja”, tais como reuniões aos domingos ou ouvindo o “testemunho” de um membro, ou adaptando a linguagem ou práticas religiosas de outras formas.

Por exemplo, há um número crescente de igrejas psicodélicas que atendem pessoas que buscam vivenciar a espiritualidade e o ritual através do uso de drogas.

Existem também organizações seculares que promovem a ideia de que as pessoas podem viver para sempre, como a Igreja da Vida Perpétua. Os membros acreditam que podem alcançar a imortalidade na Terra por meio de tecnologias radicais de extensão da vida, como a edição genética ou a preservação crônica — congelando corpos após a morte na esperança de que algum dia possam ser ressuscitados.

Essas congregações seculares atraem frequentemente aos ateus e outras pessoas seculares, mas o seu objetivo principal não é promover o ateísmo.

No entanto, organizações de “igrejas ateístas”, como a Sunday Assembly e o Oasis, celebram explicitamente as identidades e crenças dos ateus, embora nem todos os participantes se identifiquem como ateus. Testemunhos e atividades exaltam valores como o pensamento racional e as filosofias materialistas, que promovem a ideia de que só existe matéria física.

O modelo é a congregação
religiosa, mas sem nenhum
apelo ao sobrenatural
FOTO: GETTY IMAGES / THE CONVERSATION

Existem também comunidades humanistas e éticas de longa data que promovem visões de mundo seculares e proporcionam cerimônias seculares para grandes transições de vida, como nascimentos, funerais e casamentos. 

A Associação Humanista Americana, por exemplo, descreve os seus valores como “Bom sem Deus”. E durante décadas, as congregações Unitaristas Universalistas, que cresceram a partir de movimentos cristãos, basearam-se em ensinamentos de tradições religiosas e não religiosas, sem impor credos próprios específicos.

Mas tem havido um aumento recente de congregações seculares que imitam explicitamente organizações e rituais religiosos para celebrar visões de mundo ateístas. Muitos têm apenas um ou dois capítulos, como a Igreja Ateísta de Seattle e a Igreja do Livre Pensamento do Norte do Texas.

No entanto, a Sunday Assembly e o Oasis têm redes com dezenas de capítulos, e a Sunday Assembly foi apelidada de "primeira mega-igreja ateia ". Muitos capítulos da Assembleia Dominical contam com centenas de participantes em seus cultos.

Testemunhos, canções, mas nada de outro mundo

Muitas características das igrejas ateístas nos EUA são emprestadas diretamente de organizações religiosas. Na Assembleia Dominical, onde passei três anos pesquisando, os serviços incluem canto coletivo, leitura de textos inspiradores, reflexão silenciosa e arrecadação de doações. Eles giram em torno de uma palestra central proferida por um membro da congregação ou por um membro da comunidade local mais ampla. 

Assisti a um culto onde um astrônomo deu uma palestra sobre a missão da espaçonave New Horizons a Plutão. Em outro culto, um membro de uma organização local de hortas comunitárias falou sobre a construção de uma comunidade por meio de seu programa de hortas comunitárias.

Os organizadores de igrejas ateus que conheci disseram-me que tomam emprestada intencionalmente a estrutura de uma igreja porque a vêem como um bom modelo para a construção de rituais e comunidades eficazes. De modo mais geral, a estrutura de uma “congregação” é popular e familiar para a maioria dos participantes.

No entanto, existem diferenças importantes. A Assembleia Dominical não tem estrutura hierárquica e não há pastor ou ministro, o que significa que as decisões são tomadas pela comunidade. Os participantes compartilham tarefas para administrar os serviços e encontrar palestrantes e leituras.

A outra diferença fundamental é a completa falta de referência ao sobrenatural. Palestras e rituais que encontrei em cultos religiosos ateus centram-se na afirmação de crenças ateístas, na celebração da ciência, no cultivo de experiências de admiração e admiração pela natureza e na criação de comunidades de apoio.

Os sociólogos da religião chamam estas práticas de “sacralização do secular” e “espiritualidade secular”: atividades que permitem às pessoas não religiosas expressar as suas crenças partilhadas e cultivar um sentimento de pertença e propósito.

Um exemplo é o canto coletivo: emprestar um aspecto familiar dos serviços religiosos que pode dar aos membros uma sensação de transcendência. 

A maioria dos capítulos da Assembleia Dominical tem bandas que cantam músicas pop como “Livin' on a Prayer” de Bon Jovi e “Brave” de Sara Bareilles. 

Quando o astrônomo falou na Assembleia de Domingo sobre a missão da NASA a Plutão, a congregação cantou “Across the Universe” e “Lucy in the Sky with Diamonds” dos Beatles para reforçar a sua reverência pela vastidão do universo.

Outro ritual emprestado é o compartilhamento de testemunho. Muitos cultos da Assembleia Dominical envolvem um membro que fica em frente à congregação para partilhar algo que aprendeu recentemente, para expressar gratidão ou para afirmar as suas crenças ateístas, partilhando a razão pela qual abandonaram a religião.

Algumas comunidades ateístas, embora não sejam a Assembleia Dominical, até se envolvem em cerimônias de “desbatismo” nas quais renunciam à sua antiga religião. Alguns ateus que entrevistei enviaram os seus certificados de batismo às suas antigas igrejas para solidificar a sua nova identidade não religiosa.

Mudanças à frente?

À medida que as taxas de filiação religiosa continuam a diminuir, muitos acadêmicos e especialistas argumentam que haverá um declínio no envolvimento comunitário e noutros indicadores importantes de bem-estar, como a saúde, a felicidade e o sentido de significado e propósito das pessoas.

No entanto, as igrejas ateístas são um exemplo de como os americanos não religiosos estão encontrando novas formas de satisfazer essas necessidades. Um membro da Assembleia Dominical me disse: “Sinceramente, não consigo pensar em uma palavra para descrever isso. Quero dizer, 'mudança de vida' parece estúpido, mas a Assembleia Dominical ajudou muito. Sempre lutei contra a depressão e estou muito mais feliz agora que tenho este grupo de amigos que compartilham minhas crenças e que estão tentando fazer o bem no mundo comigo.”

As igrejas ateístas ainda são relativamente novas, mas estudos mostram que a participação nelas e em outros tipos de organizações ateístas pode trazer benefícios sociais e emocionais. Em particular, pode ajudar os ateus a amortecer os efeitos negativos da experiência de estigma ou discriminação.

Ainda não se sabe se a tendência da igreja ateísta continuará. Mas o recente crescimento dessas igrejas é uma prova de que podem funcionar de forma muito semelhante às organizações religiosas para construir comunidades, cultivar rituais e reforçar o bem-estar numa época de mudança religiosa.

> Esse texto foi publicado originalmente em inglês.
 

• Bíblia pode ser útil aos ateus? Estudiosa diz que sim

• Igreja de ateus de Londres se expande para outras 20 cidades

• Livro 'Ateísmo no Brasil' recupera um país que poucos conhecem

Comentários

CBTF disse…
Será que não tem nenhuma no Brasil?

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional