Pular para o conteúdo principal

Como ajudar alguém a sair de uma seita? Incentivar o pensamento crítico

Para se livrar de um grupo religioso, a pessoa terá de ser encorajada a fazer grande esforço emocional


Suzanne Newcombe
professora de estudos religiosos
The Open University, Reino Unido



The Conversation
plataforma de informação
e análise produzida por
acadêmicos e jornalistas


Em 28 de novembro de 2023, a polícia francesa invadiu propriedades associadas à Federação Internacional de Yoga e Meditação, um grupo neotântrico também conhecido como Atman. 41 pessoas foram detidas, incluindo o líder espiritual romeno Gregorian Bivolaru, que enfrenta acusações de “tráfico de seres humanos”, “sequestro organizado por gangues”, “estupro” e “abuso de gangues”. Uma fonte judicial informou que 26 supostas vítimas foram encontradas vivendo em condições precárias e insalubres durante a operação. Essa operação realça o receio de que algumas pessoas possam ser manipuladas e presas em organizações de culto perigosas e prejudiciais.

Ninguém nunca decide aderir a uma seita.

A princípio, a ideia de ingressar em um grupo parece atender a uma necessidade ou a um ideal. Para a maioria das pessoas, isso parece funcionar no início, pelo menos até certo ponto.

Um documentário recente da Netflix analisa as experiências dos membros do Twin Flames Universe, um site fundado por um casal americano que oferece cursos online sobre como encontrar uma alma gêmea. As pessoas que se juntam às Chamas Gêmeas esperam, em troca de vários milhares de dólares, serem colocadas em contato com a sua “chama gêmea”. No entanto, antigos membros do grupo dizem que experimentaram um controle excessivo sobre todos os aspectos das suas vidas. Uma declaração no website do grupo diz que essas afirmações “distorcem” os seus “verdadeiros objetivos e métodos” e “deturpam a autonomia dos membros da nossa comunidade”.

De modo geral, por que algumas pessoas abandonam uma seita e como podemos ajudar alguém que é membro de uma seita? A resposta é sempre única e depende do contexto. Fatores importantes a considerar são as características pessoais do indivíduo, a natureza do grupo e as circunstâncias externas.

Para algumas pessoas, a distância é gradual. O grupo de culto clássico incentiva o isolamento dos amigos, da família e até do trabalho. Mas se a pessoa continuar a envolver-se noutras atividades e grupos sociais, estes poderão reduzir o apelo de um grupo de culto cada vez mais exigente.

Algumas pessoas mudam abruptamente de ideia quando o grupo de culto ultrapassa os limites éticos ou quando percebem a duplicidade dos ensinamentos e do comportamento de um líder. 

No entanto, à medida que a duração e a profundidade do compromisso aumentam, pode tornar-se cada vez mais difícil sair. Isto se deve em parte ao chamado efeito de “custo irrecuperável”. Se você gasta todas as suas economias em “treinamento” e corta todos os laços com a família, fica mais difícil começar do zero.

Além disso, muitas pessoas são vítimas e também contribuem para as atividades nefastas do grupo. A vergonha e o estigma social não tornam a partida mais fácil.

Se você está preocupado porque alguém que você conhece se juntou a uma seita, o que você pode fazer para ajudá-lo?

Integrantes de seitas são
orientados a rejeitarem a
influência de pessoas
fora de sua bolha
FOTO: SHUTTERSTOCK

A intervenção de alguém de fora pode ajudar a proteger alguém de mais doutrinação, mas é importante ter cuidado com os termos usados ​​nas conversas.

Pesquisas sobre pessoas que deixaram grupos de culto mostraram que essas diferentes ações podem ajudar a pessoa sob influência:

- tente manter contato positivo com ela

- não a envergonhe ou desvalorize

- seja curioso e faça pesquisas

- faça perguntas sobre aspectos específicos do grupo que o preocupam.

- não procure evitar que a pessoa sinta separada da sociedade.

Os membros de grupos de culto são frequentemente avisados ​​de que as pessoas de fora não conseguem compreender as experiências dos convertidos. Rotular o grupo como um culto maligno pode reforçar esta crença.

Faça sua pesquisa

A adesão a um grupo sectário é geralmente acompanhada por um efeito pull (o que o grupo atrai) e um efeito push (o que a pessoa está tentando mudar em sua vida). Explorar e identificar estes factores push e pull pode encorajar as pessoas a tomar decisões mais activas e fazê-las pensar sobre a sua própria identidade.

Pesquise o que pode ser problemático neste grupo específico. Pode ser útil fazer perguntas sobre pontos específicos antes de levantar questões. Por exemplo:

- O que aconteceria se lhe pedissem para nunca mais ter contato com sua família? Isso é aceitável e ético? O que eles vão pensar de você deixar a vida deles?

- Quanto dinheiro você acha que é razoável gastar com este grupo?

- Seria uma boa ideia proteger as suas poupanças ou bens, apenas “no caso” de as coisas mudarem com o grupo?

Incentive o pensamento crítico

O uso de “clichês que bloqueiam o pensamento”, frases padronizadas que impedem o pensamento crítico, é frequentemente usado por grupos de culto que visam alinhar o pensamento das pessoas com o dogma.

Por exemplo, más experiências ou doenças podem ser atribuídas ao "carma" ou a atenção às necessidades físicas e emocionais pode ser chamada de "busca própria" ou "promoção do ego". Estas explicações podem ser delicadamente desafiadas através da introdução de outras ideias, apresentadas como possibilidades.

Em alguns grupos, as experiências dos membros são constantemente questionadas e reformuladas. Por exemplo, questionar uma figura de autoridade pode ser evitado acusando o membro de mostrar “falta de fé” ou ordenando-lhe que “medite sobre sua mente negativa”.

Esse tipo de comportamento pode ser comparado ao gaslighting, uma técnica de manipulação que envolve enganar alguém para desconfiar de sua memória, pensamentos e sentimentos, e pode fazer as pessoas se sentirem desorientadas, fisicamente doentes e duvidarem de sua saúde mental.

Perguntas como as sugeridas acima podem encorajar uma pessoa a considerar outras formas de pensar e a se envolver mais claramente com suas próprias experiências e ética. Isto ajuda as pessoas a pensarem de forma mais crítica sobre as explicações dadas por um grupo para justificar comportamentos prejudiciais e a manterem-se em contato com a sua própria bússola moral interna.

Se estiverem entrincheirados no grupo, vale a pena tentar manter a porta aberta. Mesmo o mínimo contato em um aniversário ou Natal pode ajudar as pessoas a saberem que existe uma pessoa amigável por aí. 

Um estudo recente sobre familiares de seguidores do culto mostrou que aqueles que eventualmente deixaram o grupo disseram que os laços familiares próximos fora do movimento eram importantes.

Vida depois

As experiências de partida de grupos religiosos são complexas e diversas. Alguns podem distanciar-se fisicamente de um grupo, mas retêm aspectos da sua ideologia e até mesmo certas práticas por longos períodos após deixarem o grupo. Um exemplo é o movimento Free Zone Scientology, composto por pessoas que praticam as técnicas de Ron Hubbard fora das estruturas da Igreja de Scientology.

Noutros casos, os antigos membros continuam por vezes a ter contato social com pessoas do grupo, especialmente se os familiares ainda forem membros. Eles podem decidir nunca denunciar oficialmente o grupo, ao mesmo tempo que se distanciam da sua visão de mundo.

Não é fácil recuperar-se social e financeiramente após deixar um grupo de culto. De acordo com um estudo recente, é necessário “um esforço emocional considerável” para criar novas conexões sociais e uma nova autocompreensão.

Algumas pessoas podem necessitar de apoio prático para encontrar alojamento, emprego ou formação. Para muitos, o contato com outras pessoas que tiveram experiências semelhantes é importante e gratificante.

As pessoas que abandonam uma seita podem precisar de tempo e de espaços seguros para reavaliar suas experiências. Sempre que possível, é melhor fazer isso com a ajuda de um consultor profissional.

Estes grupos de culto mostram quão poderosa pode ser a nossa necessidade de ligações sociais — tanto para atrair pessoas para estes grupos como para ajudá-las a abandoná-los.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m