Pular para o conteúdo principal

O que é síndrome da filha mais velha? É a carga extra de tarefas em casa e a emocional

As primogênitas têm de assumir tarefas diárias e acréscimo de carga emocional, como cuidar de pais doentes. A 'cura' é a redistribuição de reponsabilidades domésticas, sem exclusão dos homens


YANG HU
Professor de sociologia na
Universidade de Lancaster,
Reino Unido


The Conversation
plataforma de informação
e análise produzida por 
acadêmicos e jornalistas

Você já ouviu falar da “síndrome da filha mais velha”? Trata-se da carga emocional que as meninas primogênitas tendem a assumir (por obrigação ou por vontade própria) em muitas famílias desde tenra idade.

Desde cuidar dos irmãos mais novos, ajudar nas tarefas diárias ou cuidar dos pais doentes, até verificar os pedidos de mercearia ou entregas online, as filhas mais velhas muitas vezes carregam um fardo pesado, mas invisível, de responsabilidade doméstica.

Acho que alguns estão se perguntando: qual é o problema? O que há de errado nisso? Não deveriam ser as crianças mais velhas, que deveriam ser mais maduras, as que ajudam e cuidam dos irmãos mais novos? As meninas não são “naturalmente” melhores cuidadoras? Essas suposições populares estão tão arraigadas que podem tornar-se um obstáculo à compreensão do problema.

Mas #EldestDaughterSyndrome é agora uma tendência no TikTok, onde adolescentes falam sobre a quantidade injusta de trabalho não remunerado (e desvalorizado) que realizam para as suas famílias, bem como os seus efeitos adversos nas suas vidas, saúde e bem-estar.

É claro que a “síndrome” existe há séculos em muitas partes do mundo. Então, por que esse problema está sendo falado agora?

Meninas entre 5 e 14 anos
passam 40% mais tempo
no trabalho doméstico

Apesar do aumento da educação e do emprego das mulheres, elas continuam a assumir a maior parte das tarefas domésticas. Na verdade, o progresso em direção à igualdade de género no local de trabalho não se traduziu em igualdade de género em casa. E a síndrome da filha mais velha pode explicar parcialmente esta situação.

Estudos mostram que as crianças contribuem significativamente, mas muitas vezes ignoradas, para o trabalho doméstico. Refletindo a divisão de género entre os adultos, as meninas entre os cinco e os catorze anos passam 40% mais tempo no trabalho doméstico do que os rapazes.

Seguindo uma ordem hierárquica patriarcal , a filha mais velha geralmente suporta o maior fardo entre os irmãos. Como muitas pessoas expressaram no TikTok, a síndrome pode prejudicar o bem-estar das filhas mais velhas e “roubar” delas a infância, pois são forçadas a assumir uma quantidade desproporcional de responsabilidades adultas, também conhecidas como parentificação . Ao fazê-lo, reproduz a desigualdade de género no trabalho doméstico de uma geração para a seguinte.
Cozinhar e limpar a casa, é coisa de “menina”?

Irmã mais velha acaba
tendo de cuidar de irmão,
entre outras tarefas
FOTO: PEXELS / OLIA DANILEVICH

A síndrome da filha mais velha baseia-se em pelo menos três teorias de comportamento, que muitas vezes agem simultaneamente e se reforçam mutuamente.

Primeiro, a teoria do modelo de papéis, que sugere que as filhas mais velhas muitas vezes seguem a mãe como modelo na aprendizagem de como “fazer” o género. Em segundo lugar, a teoria da tipificação sexual propõe que os pais frequentemente atribuem tarefas diferentes às meninas e aos meninos com base no sexo.

A tipagem sexual é muitas vezes baseada na ideia dos pais de que o trabalho doméstico é algo associado à feminilidade. Para os pais que se esforçam conscientemente para incutir a igualdade de género nos seus filhos, a tipificação sexual pode continuar a ocorrer quando as filhas mais velhas se juntam inconscientemente às suas mães em atividades sexistas, como cozinhar, limpar a casa e fazer compras.

Substituição de mão de 
obra para mães trabalhadoras

E terceiro, a teoria da substituição laboral sugere que quando as mães que trabalham têm pouco tempo disponível para as tarefas domésticas, as filhas mais velhas atuam frequentemente como “substitutas”. Com isso, acabam dedicando mais tempo aos cuidados e às tarefas domésticas. E o progresso das mães no sentido da igualdade de género no trabalho pode ocorrer à custa de as suas filhas mais velhas assumirem as tarefas domésticas desde cedo.

Olhando mais longe, a questão da síndrome da filha mais velha tem implicações de longo alcance para a desigualdade de gênero global e para a crise global de prestação de cuidados.

Nas Filipinas, por exemplo, muitas mães emigram para os Estados Unidos, o Médio Oriente e a Europa para trabalhar como domésticas. O seu trabalho ajuda a libertar as pessoas, até certo ponto, da desigualdade de género no mercado interno através da externalização doméstica. Mas, em troca, as filhas mais velhas dessas mulheres filipinas têm muitas vezes de assumir o papel de “mães de aluguel” e de gerir a casa.

Neste processo, a síndrome da filha mais velha reproduz a desigualdade doméstica de gênero através de gerações e transfere essa desigualdade de uma parte do mundo para outra.

A “cura” pode parecer simples: precisamos que as famílias reconheçam o fardo injusto que pode ter recaído sobre a filha mais velha e redistribuam as responsabilidades domésticas de forma mais equitativa.

No entanto, fazer isso não é fácil. Exige, em particular, que os membros masculinos da família aumentem a sua contribuição para o trabalho doméstico. Por sua vez, significa que “apagamos” séculos de pensamento sobre o trabalho doméstico e o cuidado como algo de género e “feminino”.

Para conseguir isto, temos primeiro de reconhecer o problema de que o trabalho doméstico, especialmente o realizado pelas crianças mais velhas, passa em grande parte despercebido, não é remunerado e é subvalorizado .

Não podemos mudar algo que não vemos. Portanto, estar mais consciente da existência desta síndrome, não apenas como uma luta individual, mas também como um problema de desigualdade de género, é um bom começo.

• As mulheres deveriam ficar longe do cristianismo. Oito razões

• Feminismo não mais defende as mulheres porque nega as especificidades

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão