Pular para o conteúdo principal

Humanos chegaram à América do Norte 7.000 anos antes do que se achava, indica estudo

Pegadas fósseis mostram a existência de pessoas no contingente não desde 14.000 anos atrás, mas 23.000 anos 


MATEUS ROBERTO BENNETT
professor de Ciências Ambientais e 
Geográficas, Universidade de 
Bournemouth, Inglaterra

SALLY CHRISTINE REVNOLDS
Professor em Paleoecologia Hominínea, 
Universidade de Bournemouth

The Conversation
plataforma de informação
e análise produzida por 
acadêmicos e jornalistas

Quando e como os humanos se estabeleceram no continente americano é um tema altamente controverso. No século 20, os arqueólogos acreditavam que os humanos chegaram à América do Norte há cerca de 14.000 anos.

Mas descobrimos algo diferente. Nosso último estudo apoia a tese de que já existiam pessoas na América há cerca de 23 mil anos.

Especialistas do século 20 pensavam que o aparecimento dos humanos coincidiu com a formação de um corredor sem gelo entre duas imensas camadas de gelo que abrangem o que hoje é o Canadá e o norte dos Estados Unidos.

De acordo com esta ideia, o corredor, causado pelo derretimento do gelo no final da última Era Glacial, permitiu que os humanos entrassem do Alasca para o coração da América do Norte.

Aos poucos, essa ideia desmoronou. Nas últimas décadas, as datas dos primeiros sinais da presença humana caíram de 14.000 para 16.000 anos atrás. Isto ainda é consistente com o fato de os humanos não terem chegado à América até ao final da última Idade do Gelo.

Em setembro de 2021, publicamos um artigo na Science que datou as pegadas fósseis descobertas no Novo México de cerca de 23.000 anos atrás, o auge da última Idade do Gelo. Eles foram feitos por um grupo de pessoas que passavam por um antigo lago perto do que hoje é White Sands.

A descoberta acrescenta 7 mil anos ao registro da presença humana no continente, reescrevendo a pré-história americana.

Se os humanos estivessem na América no auge da última Idade do Gelo, ou o gelo representava poucas barreiras ao seu caminho ou eles já estavam lá há muito mais tempo. Talvez tenham chegado ao continente durante um período anterior de derretimento do gelo.

Nossas conclusões foram criticadas. No entanto, publicamos agora evidências que confirmam as primeiras datas.

Datação de pólen

Para muitas pessoas, a palavra pólen evoca um verão de alergias e espirros. Mas o pólen fossilizado pode ser uma ferramenta científica poderosa.

Em nosso estudo de 2021, realizamos datação por radiocarbono de sementes de gramíneas comuns encontradas em camadas de sedimentos acima e abaixo de onde as pegadas foram encontradas.



Pegadas provenientes
de um grupo de pessoas
de diferentes idades
IMAGEM: SERVIÇO DE PARQUES NACIONAIS

A datação por radiocarbono baseia-se na forma como uma forma específica – chamada isótopo – de carbono (carbono-14) sofre decaimento radioativo em organismos que morreram nos últimos 50.000 anos.

Alguns pesquisadores alegaram que as datas de radiocarbono da nossa pesquisa de 2021 eram muito antigas porque estavam sujeitas ao chamado efeito “água dura”.

A água contém sais de carbonato e, portanto, carbono. A água dura é a água subterrânea que esteve isolada da atmosfera durante algum tempo, o que significa que parte do seu carbono-14 já sofreu decaimento radioativo.

Segundo os críticos, as sementes de Ruppia maritima , planta aquática comum em valas, poderiam ter consumido água antiga, alterando as datas para que surgissem mais cedo.

É muito correto que tenha levantado esta questão. É assim que a ciência deve proceder, com reivindicações e reconvenções.
Como verificamos nossas conclusões?

A datação por radiocarbono é robusta e bem compreendida. Qualquer tipo de matéria orgânica pode ser datada desta forma, desde que esteja disponível uma quantidade suficiente. Assim, dois membros da nossa equipa, Kathleen Springer e Jeff Pigati, do US Geological Survey, decidiram datar os grãos de pólen. No entanto, os grãos de pólen são muito pequenos, com cerca de 0,005 milímetros de diâmetro, por isso são necessários muitos.

Isto representou um enorme desafio: são necessários milhares deles para obter carbono suficiente para datar algo. Na verdade, são necessários 70.000 grãos ou mais.

A ciência médica forneceu uma solução extraordinária para o nosso desafio. Usamos uma técnica chamada citometria de fluxo, que é mais comumente usada para contar e coletar amostras de células humanas individuais, para contar e isolar pólen fóssil para datação por radiocarbono.

A citometria de fluxo aproveita as propriedades fluorescentes das células, estimuladas por um laser. Essas células se movem através de uma corrente de fluido. A fluorescência faz com que uma porta se abra, permitindo que células individuais sejam desviadas, amostradas e concentradas no fluxo líquido.

O pólen pode ser uma ferramenta
útil para datar evidências de
assentamentos humanos.
FOTO: KATERINA KON / SHUTTERSTOCK

Temos grãos de pólen em todas as camadas de sedimentos entre as pegadas de White Sands, o que nos permite datá-las. A principal vantagem de ter tanto pólen é que você pode selecionar plantas como os pinheiros, que não são afetados pela água velha. Nossas amostras foram processadas para concentrar o pólen que continham usando citometria de fluxo.

Depois de um ano ou mais de laborioso e dispendioso trabalho laboratorial, fomos recompensados ​​com datas baseadas em pólen de pinheiro que validaram a cronologia original das pegadas. Eles também mostraram que os antigos efeitos da água estavam ausentes neste local.

O pólen também nos permitiu reconstruir a vegetação que cresceu quando as pessoas deixaram as pegadas. Obtivemos exatamente os tipos de plantas que esperaríamos que existissem durante a Idade do Gelo no Novo México.

Um fato interessante é que usamos uma técnica de datação diferente chamada luminescência opticamente estimulada (OSL) como verificação independente. OSL é baseado no acúmulo de energia dentro dos grãos de quartzo enterrados ao longo do tempo. Essa energia vem da radiação de fundo que nos rodeia.

Quanto mais energia encontramos, mais antigos podemos assumir que os grãos de quartzo são. Essa energia é liberada quando o quartzo é exposto à luz, então o que está sendo datado é a última vez que os grãos de quartzo viram a luz solar.

Para colher amostras de quartzo enterrado, tubos de metal são inseridos no sedimento e removidos com cuidado para evitar exposição à luz. Os grãos de quartzo são retirados do centro do tubo, expostos à luz em laboratório, e a luz emitida pelos grãos é medida. Isso revela sua idade. As datas obtidas através do OSL corroboraram aquelas obtidas com outras técnicas.

Minúsculos grãos de pólen e uma maravilhosa tecnologia médica ajudaram-nos a confirmar as datas em que as pegadas foram deixadas e, portanto, quando os humanos chegaram à América.
Com informação Universidade de Bournemouth, Ingaterra. 

• Quem diz que o homem descende do macaco não sabe o que fala

• Cientistas identificam os mais antigos fósseis de Homo sapiens

• DNA revela que Luzio, habitante de São Paulo há 10 mil anos, era ameríndio

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

AdSense desmonetiza página do texto 'Ateísmo significa libertação do medo do sobrenatural'

Pastores do Malafaia têm salário de até R$ 20 mil, casa e carro

Pastores mais habilidosos  estão sendo disputados  pelas igrejas Silas Malafaia, 53, informou que o salário dos pastores de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo, vai de R$ 3.000, para iniciantes, a R$ 20.000, com benefícios que incluem casa mobiliada, escola para filhos e plano de saúde. Pastores com experiência têm direito a carro do ano. É a primeira vez que um líder religioso neopentecostal revelou o salário dos pastores. Na falta de maiores informações, os valores citados por Malafaia podem ser tomados como referência do mercado de salários dos pregadores da Bíblia. As perspectivas desses profissionais são as melhores possíveis, considerando que não precisam ter formação universitária. Um professor de ensino médio não ganha tanto, nem sequer um médico em início de carreira, por exemplo. “Mas é preciso saber ler a Bíblia, pregar, explicar”, disse Malafaia à jornalista Daniela Pinheiro, que escreveu para a revista Piauí de setembro reportagem sobre o pastor.

Em vídeo, Malafaia pede voto para Serra e critica Universal e Lula

Malafaia disse que Lula está fazendo papel de "cabo eleitoral ridículo" A seis dias das eleições, o pastor Silas Malafaia (foto), da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, gravou um vídeo de 8 minutos [ver abaixo] pedindo votos para o candidato à prefeitura de São Paulo José Serra (PSDB) e criticou a Igreja Universal e o ex-presidente José Inácio Lula da Silva. Malafaia começou criticando o preconceito que, segundo ele, existe contra pastor que emite opinião sobre política, o mesmo não ocorrendo com outros cidadãos, como operários, sindicalistas, médicos e filósofos. O que não pode, afirmou, é a Igreja, como instituição, se posicionar politicamente. “A Igreja é de Jesus.” Ele falou que tinha de se manifestar agora porque quem for para o segundo turno, se José Serra ou se Fernando Haddad, é quase certeza que será eleito, porque Celso Russomanno está caindo nas pesquisas por causa do apoio que tem recebido da Igreja Universal. Afirmou que apoia Serra na expectativa de

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

Padre explica seu vídeo sobre mulher apanha porque quer

O padre cantor Fábio de Melo tem tentado nos últimos dias, nas redes sociais, rebater as acusações de que é machista.

Eleição de Haddad significará vitória contra religião, diz Chaui

Marilena Chaui criticou o apoio de Malafaia a Serra A seis dias das eleições do segundo turno, a filósofa e professora Marilena Chaui (foto), da USP, disse ontem (23) que a eleição em São Paulo do petista Fernando Haddad representará a vitória da “política contra a religião”. Na pesquisa mais recente do Datafolha sobre intenção de votos, divulgada no dia 19, Haddad estava com 49% contra 32% do tucano José Serra. Ao participar de um encontro de professores pró-Haddad, Chaui afirmou que o poder vem da política, e não da “escolha divina” de governantes. Ela criticou o apoio do pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus do Rio, a Serra. Malafaia tem feito campanha para o tucano pelo fato de o Haddad, quando esteve no Ministério da Educação, foi o mentor do frustrado programa escolar de combate à homofobia, o chamado kit gay. Na campanha do primeiro turno, Haddad criticou a intromissão de pastores na política-partidária, mas agora ele tem procurado obter o apoio dos religi

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão