Pular para o conteúdo principal

Ex-seminarista escreve livro sobre a vida secreta de padres gays

O escritor afirma que os seminaristas e padres com os quais conviveu tinham vida sexual e amorosa, na maioria deles


ASSESSORIA DE IMPRENSA DO AUTOR


O ex-seminarista Brendo Silva lançará seu primeiro livro, A Vida Secreta dos Padres Gays. A ideia do livro partiu da vivência do autor que foi seminarista por sete anos e morou em vários Estados do país e no exterior. 

Algo que lhe chamou atenção nesses anos foi que a maioria dos seminaristas e padres com quem conviveu era de homossexuais com vida sexual e amorosa ativas. Serão abordadas questões como poder, hipocrisia, vida dupla, abuso de poder e prostituição interna.

O livro-reportagem será
lançado no primeiro
semestre de 2024
REPRODUÇÃO DA CAPA

O livro terá cinco capítulos: um autobiográfico, outro teórico com a análise da bibliografia do tema e entrevistas com especialistas, um terceiro repleto de entrevistas com vários padres, seminaristas e ex-seminaristas gays de várias dioceses e congregações, um penúltimo com análise de matérias jornalísticas sobre o tema e um último com o fechamento. 

Além disso, haverá depoimentos de padres gays entre capítulos e linha do tempo com a resenha das principais obras sobre o assunto. Há pouca literatura nacional sobre o tema.

Silva afirma que o clero católico é majoritariamente gay e que, com o livro, pretende estabelecer uma ponte de diálogo com a Igreja Católica, abrindo espaço para uma sociedade menos uma sociedade menos hipócrita.

Brendo Silva é professor de história, pedagogo e pós-graduando. Natural de Belém do Pará, mora há quase dez anos em São Paulo. Tem interesse em temas dos campos da sexualidade, religião, política e comunicação.

• Padre gay afirma que clero é amplamente homossexual

• Grupo católico rastreia apps de namoro gay para denunciar padres

• Jornal diz que orgia gay ocorria com frequência no Vaticano

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão