Pular para o conteúdo principal

Cinco sintomas de demência em pessoas com mais de 50 anos

Um terço das pessoas que desenvolvem o Alzheimer apresenta sinais comportamentais antes do declínio cognitivo


DANIELLA VELLONE
doutorando em Ciências Médicas
e Imagens, na Universidade de
Calgary, Canadá

The Conversation
plataforma de informação
e análise produzida por 
acadêmicos e jornalistas

A demência é frequentemente considerada um problema de memória, como quando uma pessoa idosa faz as mesmas perguntas repetidamente ou perde coisas. Mas a realidade é que as pessoas com demência não só têm problemas em áreas da cognição como a memória, a aprendizagem, o pensamento, a compreensão e o julgamento: também podem experimentar mudanças de comportamento.

Eu mesma não imaginava que os comportamentos estranhos da minha avó fossem um sinal de alerta precoce de uma doença muito mais grave. Ela ficava facilmente chateada se algo não saísse como esperado durante o cozimento. Ela disse que viu uma mulher pela casa, mesmo estando sozinha. Também desconfiava dos outros e escondia coisas em lugares estranhos.

Esses comportamentos persistiram por algum tempo até que ele finalmente foi diagnosticado com demência. Por isso acho tão importante entender o que é essa doença e como ela se manifesta.
Comprometimento cognitivo e comportamental

Quando um indivíduo sofre alterações cognitivas e comportamentais que interferem na sua independência funcional, é considerado portador de demência. Porém, quando as mudanças cognitivas e comportamentais não interferem na independência de uma pessoa, mas continuam a afetar negativamente seus relacionamentos e desempenho no trabalho, falamos em comprometimento cognitivo leve (CCL) e comprometimento comportamental leve (MCoL), respectivamente.

MCoL e MCI podem ocorrer juntos, mas em um terço das pessoas que desenvolvem demência de Alzheimer, os sintomas comportamentais aparecem antes do declínio cognitivo.

Detectar estas alterações comportamentais, que surgem em idades mais avançadas (a partir dos 50 anos) e representam uma mudança persistente em relação aos padrões anteriores, pode ser útil para aplicar tratamentos preventivos antes que apareçam sintomas mais graves. Minha pesquisa se concentra em comportamentos problemáticos que indicam aumento do risco de demência.

Existem principalmente cinco comportamentos que devem nos alertar se os observarmos em amigos e familiares com mais de 50 anos.

Fique atento: você ou uma pessoa
próxima, da família, pode estar
com os primeiros sinais da doença
FOTO: REDE SOCIAL

1. Apatia

Apatia é uma diminuição do interesse, da motivação.

Uma pessoa apática pode perder o interesse pelos amigos, família ou atividades. A sua curiosidade sobre temas que normalmente lhe interessam pode desaparecer, você pode perder a motivação para cumprir as suas obrigações ou pode tornar-se menos espontâneo e ativo. Você também pode sentir que não tem as emoções que costumava ter ou que não se importa mais com nada.

2. Desregulação afetiva

Um indivíduo que apresenta desregulação afetiva pode desenvolver tristeza ou instabilidade de humor, mas também ficar mais ansioso ou preocupado com determinados acontecimentos ou com o recebimento de visitas.

3. Falta de controle de impulso

O controle dos impulsos implica uma incapacidade de adiar a gratificação. Uma pessoa com controle de impulsos pode ficar agitada, agressiva, irritada, temperamental, discutir muito ou ficar frustrada facilmente. Ela também pode se tornar mais teimosa ou rígida, de modo que não está disposta a ver outros pontos de vista e insiste em conseguir o que quer. 

Às vezes, você pode desenvolver comportamentos sexualmente desinibidos ou intrusivos, exibir comportamentos ou compulsões repetitivos, começar a roubar em lojas ou ter dificuldade em regular o uso de substâncias como tabaco ou álcool.

4. Inadequação social

A inadequação social refere-se principalmente à dificuldade de aderir às normas sociais nas interações com outras pessoas.

Pessoas socialmente inadequadas podem perder o julgamento social que tinham sobre o que dizer ou como se comportar. Eles podem se importar menos com o modo como suas palavras ou ações afetam os outros, discutir abertamente assuntos particulares, conversar com estranhos como se fossem da família, dizer coisas rudes ou não ter empatia nas interações com outras pessoas.

5. Percepções ou pensamentos anormais

Uma pessoa com percepções ou pensamentos anormais pode suspeitar das intenções dos outros ou pensar que outros estão planejando prejudicá-la ou roubar seus pertences. Você também pode descrever ouvir vozes ou conversar com pessoas imaginárias e agir como se visse coisas que não existem.

Antes de considerar qualquer um destes comportamentos como indicadores de um problema mais grave, é importante descartar outras possíveis causas da mudança de comportamento, tais como drogas ou medicamentos, infecções, conflitos interpessoais ou stress, ou o reaparecimento de sintomas psiquiátricos associados a uma doença. diagnóstico psiquiátrico prévio. Em caso de dúvida, pode ser hora de visitar o médico.

O impacto da demência

Muitos de nós conhecemos alguém que sofreu de demência ou cuidou de alguém com demência. Embora as pessoas entre os 20 e os 40 anos possam pensar que isto não é para elas porque estão a décadas de ser afetadas pela demência, é importante estar ciente de que não se trata de uma jornada individual. 

Em 2020, no Canadá, os cuidadores – incluindo familiares, amigos ou vizinhos – passaram 26 horas por semana ajudando idosos que vivem com demência. Isto equivale a 235.000 empregos em tempo integral.

Espera-se que estes números tripliquem até 2050, pelo que é importante procurar formas de contrariar esta situação, prevenindo ou retardando a progressão da demência.

Embora atualmente não exista cura para a demência, foram feitos progressos no desenvolvimento de tratamentos eficazes, que podem funcionar melhor no início do curso da doença .

Identificar pessoas em risco de demência, reconhecendo alterações na cognição, função e comportamento ao longo da vida, poderia ajudar a prevenir a doença e a sua progressão.

Com informação da Universidade de Calgary, Canadá. 

• Aspirina pode ajudar na prevenção ao mal de Alzheimer, diz estudo

• Musculação pode prevenir sintomas de Alzheimer, sugere estudo

• Mudanças no estilo de vida podem prevenir 40% dos casos de demência

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão