Pular para o conteúdo principal

Assistir a filmes pode ajudar a processar emoções difíceis e melhorar a saúde mental

Embora a filmoterapia seja um instrumento novo para a psicologia, estudioso afirma que ela pode dar bons resultados 


JENNY HAMILTON
professor sênior em aconselhamento / 
terapias psicológicas e líder do Programa
de Aconselhamento de Mestrado, da 
Universidade de Lincoln, Reino Unido

The Conversation
plataforma de informação
e análise produzida por 
acadêmicos e jornalistas

Muitos de nós gostamos do que sentimos quando nos sentamos para assistir a um bom filme. Se for triste, pode nos ajudar a liberar emoções, enquanto uma comédia pode levantar nosso ânimo. Eles podem até nos oferecer a oportunidade de nos conectarmos com nossas emoções e explorá-las com segurança.

Este efeito justifica o crescente interesse na utilização de filmes como ferramenta terapêutica. Embora este campo ainda seja muito novo, a minha análise da investigação realizada até agora mostra que a filmoterapia pode ser eficaz para ajudar as pessoas a processar emoções difíceis e, como resultado, melhorar a saúde mental.

Sem ir mais longe, falar sobre o que acontece com os personagens dos filmes pode ser mais confortável do que falar diretamente sobre os problemas, pois permite um certo distanciamento emocional do que estamos vivenciando.

Os filmes também podem nos ajudar a aprender habilidades para a vida a partir de como os personagens enfrentam seus desafios.

Minha análise também revelou que a filmoterapia reduz o conflito entre pais e adolescentes, aumenta a empatia e o diálogo entre eles e os ajuda a melhorar as habilidades de comunicação. Além disso, foi demonstrado que o cinema pode ser utilizado como ferramenta para reduzir a ansiedade e até tornar a terapia mais atrativa.

Existem certos grupos de pessoas que podem se beneficiar especialmente com a filmoterapia. Entre eles, os jovens com autismo, que diante da tela grande conseguem identificar seus pontos fortes positivos e desenvolver resiliência.

O cinema também pode ajudar os pacientes psiquiátricos a expressar seus pensamentos e sentimentos. E outro estudo mostrou que assistir e comentar filmes de super-heróis permite que jovens com diagnóstico de esquizofrenia encontrem força e significado nas dificuldades que enfrentam.

Mas como a investigação neste campo apenas começou, será importante continuar a investigação para explorar como as pessoas se ligam aos filmes e quem beneficia mais deste tipo de terapia.

Cinema e conversas terapêuticas

Séculos atrás, Aristóteles observou que o público das tragédias gregas parecia passar por um processo benéfico de purgação emocional (ou catarse) por meio da empatia com os personagens.

O cinema e a televisão funcionam de forma semelhante, oferecendo um espaço seguro para sentir e expressar emoções sem experimentar implicações no mundo real.

O cinema combina imagens, histórias, metáforas e música, todos elementos que demonstraram ter benefícios terapêuticos. Filmes e televisão também são acessíveis e podem oferecer algo familiar e fácil de conversar como base para conversas terapêuticas.

Um bom filme pode ajudar
a processar emoções difíceis

FOTO: ZORAN ZEREMSKI / SHUTTERSTOCK

No entanto, embora a pesquisa mostre que a terapia com filmes pode ser benéfica, até agora houve pouca orientação sobre a melhor forma de usar o filme na terapia. Portanto, após revisão, desenvolvi o “método MOVIE”, que envolve engajamento consciente, observação de respostas, expressão da própria experiência, identificação de relevância pessoal e exploração de novas possibilidades.
Com qual personagem eu me identifico? Parece minha própria história?

O primeiro passo do método FILME é verificar conscientemente como nos sentimos e se é um bom dia para assistir ao filme que escolhemos. Ou seja, pense no efeito que assistir ao filme ou refletir sobre ele poderia ter.

Se decidirmos seguir em frente, é essencial estarmos conscientes dos nossos próprios pensamentos, sentimentos e respostas físicas enquanto assistimos. Afaste-se dos nossos sentimentos sem julgá-los, em vez de nos deixar levar por eles.

Depois de assistir ao filme, é uma boa ideia expressar ou nomear as emoções que sentimos, anotando-as se puder ser útil. É essencial ter curiosidade sobre nossos sentimentos e prestar atenção se percebemos fisicamente tensão ou relaxamento. Também existe a opção de pensar no que esse sentimento precisa (por exemplo, gentileza ou compreensão) e imaginar que o recebemos.

O próximo passo é identificar o que o filme significa para nós. Detectar com quem nos identificamos e como a jornada do personagem pode nos lembrar de nossos próprios desafios e conquistas. Embora os filmes possam oferecer informações sobre a vida de diferentes grupos e culturas, você quer ter certeza de pensar criticamente sobre como esses personagens ou temas são retratados. Desta forma evitamos reforçar estereótipos ou representações imprecisas.

Resumindo, podemos observar filmes e séries identificando como eles podem nos ajudar a explorar novas possibilidades e estratégias de crescimento. Pense em como os personagens resolveram os problemas e tudo o que podemos aprender com isso. Observe as ligações entre a história na ficção e a nossa história pessoal. Analise se mudaríamos a história ou escreveríamos uma sequência.

Resumindo, sente-se e assista a um filme com a intenção de aproveitar ao máximo a experiência. A aplicação de métodos de filmoterapia pode nos ajudar a aprender coisas novas sobre nós mesmos.

Ninguém pode usar a psicologia para endossar ideias religiosas

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão