Pular para o conteúdo principal

Putin usa tolice do Parlamento canadense para justificar invasão na Ucrânia e matança no país

Um 'herói de guerra' foi convidado para homenagear Zelensky, que não sabia do passado nazista do homem. O presidente da Rússia acrescentou o episódio à propaganda de ocupação da Ucrânia e matança no país


DAVID ROGER MARPLES
professor de história da Rússia e
do Leste Europeu na Universidade
de Alberta, em Edmonton, Canadá

The Conversation

Anthony Rota, o presidente da Câmara dos Comuns do Canadá, renunciou ao cargo depois de convidar o “herói de guerra” Yaroslav Hunka ao Parlamento para assistir à recente aparição do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky.

Esse convite – e as duas ovações subsequentes que Hunka recebeu do primeiro-ministro Justin Trudeau, de deputados de todos os partidos e de Zelensky – provocou um alvoroço internacional .

Hunka, agora com 98 anos, serviu em uma unidade nazista conhecida como 14ª Divisão de Granadeiros Waffen da SS, lutando ao lado da Alemanha na Segunda Guerra Mundial. A unidade teria participado de um massacre de judeus e poloneses étnicos.

Hunka, o 'herói' nazista
que teria participado de
massacre de judeus

As organizações judaicas e a Polônia exigiram um pedido de desculpas do governo canadiano e a Polónia diz que está a tomar medidas para extraditar Hunka.

O líder da oposição Pierre Poilievre também acusou Trudeau de ser o responsável pelo convite de Hunka.

Em Moscou, o Kremlin afirmou que era “ultrajante” que o Canadá homenageasse um nazi como herói.
A história da unidade

O escândalo ilustra a falta de conhecimento dos líderes políticos do Canadá sobre a frente oriental durante a Segunda Guerra Mundial. Mostra também os laços estreitos entre o conflito e a invasão da Ucrânia pela Rússia em fevereiro de 2022.

Os alemães inicialmente implantaram a unidade para combater o avanço do exército soviético, que se movia para o oeste. Os ucranianos locais estavam divididos sobre a sua formação, alguns considerando-a mera “bucha de canhão” para o exército alemão.

A unidade perdeu milhares de soldados na Batalha de Brody , mas foi posteriormente restaurada e participou em operações na Polónia, Eslovénia e Eslováquia.

Em maio de 1945, tornou-se a 1ª Divisão Ucraniana e rendeu-se aos aliados ocidentais. Muitos vieram para o Canadá como resultado de uma isenção de gabinete para membros da SS em 1950. Hunka estabeleceu-se no Canadá em 1954.

Acusações de encobrimento

A história da Divisão SS e a chegada de alguns dos seus membros ao Canadá foram apresentadas no Relatório da Comissão Deschenes de 1985-86 , que inocentou a maioria dos soldados de crimes de guerra.

Mas a abertura de antigos arquivos soviéticos levou a novos estudos, alguns dos quais acusaram a comissão canadiana de encobrir o passado.

Ao longo dos últimos anos, a Rússia prestou muita atenção à Segunda Guerra Mundial — apelidada de “ Grande Guerra Patriótica ” — e criou novas narrativas para condenar o que Vladimir Putin chama de “reabilitação do nazismo” na Ucrânia.

Os discursos de Putin descrevem a guerra na Ucrânia como tendo como objetivo “ salvar a civilização russa ”. Ele acusa o Ocidente de promover mentiras que lembram a propaganda do infame nazista Joseph Goebbels.

Na Rússia, há uma investigação sobre o “genocídio dos russos” durante a Segunda Guerra Mundial. Cemitérios são descobertos e o número de mortos na guerra aumentou. Os tribunais russos consideram quaisquer relatos alternativos à narrativa oficial como revisionismo histórico e uma ofensa criminal.

Um desses transgressores é o líder da oposição preso, Alexei Navalny – difamado por “insultar” um veterano da Segunda Guerra Mundial – mas a lista é muito longa. A Ucrânia contemporânea enquadra-se nesta falsa narrativa: um Estado governado por neonazis desde a revolta de Maidan em 2014.

Munição para a Rússia

Desta forma, o passado fundiu-se com o presente e renasceu. A Rússia procura provas nos países ocidentais que justifiquem a sua propaganda, e o Parlamento canadiano forneceu-lhe a munição necessária para um argumento cansado e erróneo.

Então, como o Canadá deveria responder às críticas mundiais?

Em primeiro lugar, os assassinatos de judeus ucranianos durante a Segunda Guerra Mundial devem ser lembrados e o contexto complexo da Ucrânia durante a Segunda Guerra Mundial deve ser esclarecido.

Leia mais: Guerra na Ucrânia: campanha de 'desnazificação' de Putin atinge memorial do holocausto de Babyn Yar para 33.000 judeus assassinados

A Ucrânia foi o maior grupo étnico da Europa a quem foi negado o seu próprio Estado após os tratados de paz de Paris que encerraram a Primeira Guerra Mundial. Estes acordos dividiram os territórios étnicos ucranianos entre a Polónia, a Checoslováquia, a Roménia e principalmente a União Soviética.

A busca pela independência perdurou no meio do brutal Holodomor – no qual milhões de ucranianos foram deliberadamente deixados à fome pelos soviéticos no leste da Ucrânia no início da década de 1930 – e pela pacificação polaca nos territórios ocidentais.

Em resposta, muitos ucranianos na Polónia abandonaram a política democrática na década de 1930 e juntaram-se a formações nacionalistas extremistas. Quando a guerra eclodiu, os nazistas ofereceram novas oportunidades para formar um Estado ucraniano.

Essa história é complexa demais para ser descrita aqui. Basta dizer que a ocupação nazista não conseguiu fornecer apoio à criação de um Estado ucraniano, mas alguns ucranianos da Organização dos Nacionalistas Ucranianos (OUN) e do Exército Insurgente Ucraniano (UPA), bem como os da 14ª Divisão SS, cometeram crimes de guerra. Esse fato deve ser reconhecido e aceito.

Ucrânia mais democrática que a Rússia

Na era atual, não há neonazistas no governo ucraniano formado em 2019. A Ucrânia é muito mais democrática que a Rússia. Há muito mais neonazistas na Rússia do que na Ucrânia.

Assim, a Rússia deve regressar repetidamente à Grande Guerra Patriótica para justificar o seu argumento – que a Rússia “salvou” a Europa e a democracia.

A Rússia tem alvos óbvios no Canadá:

— O avô da ministra das Finanças, Chrystia Freeland, viveu sob ocupação nazi, pelo que deve ser um criminoso de guerra, segundo a propaganda russa.

— Ucranianos em Edmonton mantêm um busto de Roman Shukhevych, o comandante da UPA.

— Em Oakville, Ontário, há um cemitério em homenagem à Divisão SS.

A precisão sobre a Segunda Guerra Mundial pode dissipar a criação de mitos russos e expor os seus atuais objetivos de guerra imperialistas e selvagens na Ucrânia.

Os ucranianos são as vítimas aqui. A Ucrânia não é a criminosa. Os judeus canadenses também apoiam a Ucrânia e Zelensky.

Mas a honestidade deve começar em casa, com o governo liberal. Precisa de fazer muito mais trabalhos de casa sobre a complicada história da Europa Oriental durante a Segunda Guerra Mundial.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

AdSense desmonetiza página do texto 'Ateísmo significa libertação do medo do sobrenatural'

Pastores do Malafaia têm salário de até R$ 20 mil, casa e carro

Pastores mais habilidosos  estão sendo disputados  pelas igrejas Silas Malafaia, 53, informou que o salário dos pastores de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo, vai de R$ 3.000, para iniciantes, a R$ 20.000, com benefícios que incluem casa mobiliada, escola para filhos e plano de saúde. Pastores com experiência têm direito a carro do ano. É a primeira vez que um líder religioso neopentecostal revelou o salário dos pastores. Na falta de maiores informações, os valores citados por Malafaia podem ser tomados como referência do mercado de salários dos pregadores da Bíblia. As perspectivas desses profissionais são as melhores possíveis, considerando que não precisam ter formação universitária. Um professor de ensino médio não ganha tanto, nem sequer um médico em início de carreira, por exemplo. “Mas é preciso saber ler a Bíblia, pregar, explicar”, disse Malafaia à jornalista Daniela Pinheiro, que escreveu para a revista Piauí de setembro reportagem sobre o pastor.

Em vídeo, Malafaia pede voto para Serra e critica Universal e Lula

Malafaia disse que Lula está fazendo papel de "cabo eleitoral ridículo" A seis dias das eleições, o pastor Silas Malafaia (foto), da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, gravou um vídeo de 8 minutos [ver abaixo] pedindo votos para o candidato à prefeitura de São Paulo José Serra (PSDB) e criticou a Igreja Universal e o ex-presidente José Inácio Lula da Silva. Malafaia começou criticando o preconceito que, segundo ele, existe contra pastor que emite opinião sobre política, o mesmo não ocorrendo com outros cidadãos, como operários, sindicalistas, médicos e filósofos. O que não pode, afirmou, é a Igreja, como instituição, se posicionar politicamente. “A Igreja é de Jesus.” Ele falou que tinha de se manifestar agora porque quem for para o segundo turno, se José Serra ou se Fernando Haddad, é quase certeza que será eleito, porque Celso Russomanno está caindo nas pesquisas por causa do apoio que tem recebido da Igreja Universal. Afirmou que apoia Serra na expectativa de

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

Padre explica seu vídeo sobre mulher apanha porque quer

O padre cantor Fábio de Melo tem tentado nos últimos dias, nas redes sociais, rebater as acusações de que é machista.

Eleição de Haddad significará vitória contra religião, diz Chaui

Marilena Chaui criticou o apoio de Malafaia a Serra A seis dias das eleições do segundo turno, a filósofa e professora Marilena Chaui (foto), da USP, disse ontem (23) que a eleição em São Paulo do petista Fernando Haddad representará a vitória da “política contra a religião”. Na pesquisa mais recente do Datafolha sobre intenção de votos, divulgada no dia 19, Haddad estava com 49% contra 32% do tucano José Serra. Ao participar de um encontro de professores pró-Haddad, Chaui afirmou que o poder vem da política, e não da “escolha divina” de governantes. Ela criticou o apoio do pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus do Rio, a Serra. Malafaia tem feito campanha para o tucano pelo fato de o Haddad, quando esteve no Ministério da Educação, foi o mentor do frustrado programa escolar de combate à homofobia, o chamado kit gay. Na campanha do primeiro turno, Haddad criticou a intromissão de pastores na política-partidária, mas agora ele tem procurado obter o apoio dos religi

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão