Pular para o conteúdo principal

Direito ao aborto como direito à vida de mulheres em situação estarrecedora

De 1996 e 2018, houve a notificação de 1.896 óbitos relacionados ao aborto, segundo dados do Ministério da Saúde


ROSANGELA HILÁRIO
Coordenadora da Rede Brasileira
de Mulheres Cientistas 

MARIA RIBEIRO
Professora no Programa em
Humanidades Direitos e 
Outras Legitimidades (FFLCH/USP)

AGÊNCIA BORI

O dia 28 de setembro, dedicado à Luta pela Descriminalização do Aborto na América Latina e Caribe, convida ao enfrentamento das notícias levadas a público, por meio das estatísticas disponíveis, representando um cenário estarrecedor.

O Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2023 informa que mulheres negro-brasileiras lideram rankings de feminicídio, violência doméstica e perda das crias e/ou dos companheiros; tudo em função do bem-sucedido projeto de genocídio da população negra. É a radiografia do aborto no país, com avanços e retrocessos que nos emprestam uma medida da ideia que fazemos sobre “civilidade”.

Dados do Ministério da Saúde, levantados entre 1996 e 2018, revelam terem sido notificados 1.896 óbitos relacionados ao aborto, sendo o maior risco de morte reservado para mulheres negras e indígenas, de baixa escolaridade, com mais de 40 anos ou menos de 14 anos de idade, moradoras das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste e que não vivem um relacionamento conjugal.

E a razão deste cenário, podem ser algumas palavras-chaves mobilizadas pela ministra Rosa Weber, presidenta do Supremo Tribunal Federal (STF), na circunstância do seu voto em favor da descriminalização da interrupção voluntária da gravidez nas primeiras doze semanas de gestação.

Administração pública e
fanatismo religioso causam
assassinatos de mulheres

FOTO: FREEPIK

Conforme a ministra, o tema do aborto deve ser restituído ao “comum da vida reprodutiva da mulher”, considerando o seu desejo de gestar, parir e cuidar da criança. E, tudo dito, para além dos evidentes prejuízos trazidos pelo ato de gestar, parir e cuidar de uma criança num território nacional que conta índices aviltantes de violência obstétrica.

A tudo isso, é preciso incluir desde a oferta de pré-natal inadequado à peregrinação até uma maternidade e culminando com a recusa de evidências científicas e direitos previstos em lei; abandono paterno, 11 milhões de mulheres educam sozinhas seus descendentes, sendo 90% autodeclaradas negras; e a vasta lista de negligências que, organizadas lado a lado, diagnosticam condições materiais de existência, como adensamento excessivo que é quando mais de três pessoas, utilizam o mesmo cômodo como dormitório; falta de acesso à esgoto, coleta de lixo e abastecimento de água.

Cabe aqui, rememorar que a associação entre a administração pública e o fundamentalismo religioso tem autorizado o assassinato de gestantes cujos óbitos decorrem da impossibilidade de arcar com os custos financeiros do aborto bem assistido. 

Que projeto civilizatório estamos endossando quando endereçamos às mulheres negras um tipo de cuidado que as mata ou as estigmatiza quando sabemos que a descriminalização diminuirá a desinformação e a prática do aborto?

• Probabilidades de aborto em mulheres negras são 46% maiores, mostra estudo

• Médica orienta mulheres violentadas sobre o aborto. E vira alvo do CRM-MG

• Pastora luterana afirma que a Bíblia não criminaliza o aborto

Comentários

"Coordenadora da Rede Brasileira de Mulheres Cientistas"... Com "Ciência" de falácias da causa falsa e correlção espúria.
"...projeto de genocídio da população negra." Inventaram do 'genocídio', até com PROJETO (sic), cada uma. Adoram EXAGERAR.
"...maior risco de morte reservado para mulheres negras e indígenas, de baixa escolaridade, com mais de 40 anos ou menos de 14 anos de idade, moradoras das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste e que não vivem um relacionamento conjugal." Mais uma da série falsas correlações "porque são negras e índias". Mulher é EFETIVAMENTE inferiorizada, junte com baixa escolalidade (algo bem crítico), a regiào... E ALGUNS casos que ENALTECEM (falácia da ênfase), consagrou-se o chauvinismo racial. Em estatística, nada com fazer sofismas.

Enquanto isso, o aborto EM SI...

Post mais lidos nos últimos 7 dias

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Padres afirmam que rezam para que papa Francisco vá logo para o céu

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

'Matem todos porque o Senhor conhece aqueles que são seus!' França, 22 de julho de 1209

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião