Pular para o conteúdo principal

Legalizada pelo governo, a ozonioterapia pode ter graves consequências

A terapia do ozônio não possui comprovação científica de que faça bem ao paciente e pode resultar em até óbito


DAISY MOTTA SANTOS
doutora em Ciências Biológicas
e pesquisadora do Centro de
Telessaúde da UFMG

MELANIA AMORIM
professora associada doutora 
da UFCG

AGÊNCIA BORI

A terapia com O3 (ozônio, também conhecido como trioxigênio) envolve a introdução de ozônio no corpo por meio de diversos métodos via intramuscular, subcutânea ou intravenosa. No entanto, a FDA, agência reguladora ligada ao Departamento de Saúde do governo dos Estados Unidos, proíbe o seu uso médico devido à falta de comprovação de segurança e eficácia, destacando a natureza tóxica do ozônio.

Segundo a agência estadunidense, efeitos fisiológicos indesejáveis têm sido relatados no sistema nervoso central, coração e visão. A irritação das mucosas é um efeito predominante do ozônio.

A inalação de ozônio pode ainda causar irritação nos pulmões o suficiente para resultar em edema pulmonar. O início do edema pulmonar geralmente é adiado por algumas horas após a exposição; portanto, a resposta sintomática não é um aviso confiável de exposição a concentrações tóxicas de ozônio. 

O odor de ozônio não é um índice confiável da concentração do elemento químico na atmosfera. Inclusive esse nome ozônio, vem da palavra grega “ozein”, que significa cheiro.

Apesar disso, a terapia com ozônio tem sido promovida para o tratamento de várias doenças, incluindo o câncer, porém carece de evidências e pode levar a efeitos adversos graves, incluindo a morte. Não é de hoje que a Associação Americana de Câncer se manifesta contrária a agentes hiperoxigenantes como o ozônio.

A “terapia de hiperoxigenação” – também chamada de “xicimedicina”, “bio-oxidativaterapia”, “terapia oxidativa” e “oxidologia” – é um método de gerenciamento do câncer baseado no conceito errôneo de que a doença é causada pela deficiência de oxigênio e pode ser curada expondo as células cancerígenas a mais oxigênio do que elas podem tolerar.

Outro fator preocupante no uso de terapias alternativas sem evidências científicas comprovadas é de que muitos pacientes, incluindo os com câncer que se beneficiariam com o tratamento convencional, acabam abandonando terapias que foram comprovadas cientificamente – como radio e quimioterapia.

Em 2018, a Associação Brasileira de Ozonioterapia (ABOZ) solicitou à Comissão para Avaliação de Novos Procedimentos em Medicina (CFM) a revisão de mais de 26 mil estudos relacionados ao assunto. Após a análise, o órgão concluiu que são requeridas pesquisas adicionais com metodologia apropriada, incluindo comparações com procedimentos placebos, além de estudos que demonstrem eficácia em relação a diferentes doses e métodos de aplicação de ozônio.

O governo brasileiro legalizou a ozonioterapia como terapia complementar em agosto de 2023, apesar da falta de evidências científicas e de manifestações contrárias de mais de 26 entidades e associações de saúde como a Sociedade Brasileira de Reumatologia, a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO) e o Conselho Federal de Medicina (CFM).

Terapia do ozônio é vendida
com falsas promessas,
indicada até para autismo

Alegam os ozonioterapeutas que “há muitos estudos” sobre a prática. Embora surjam mais de 4.400 estudos sobre o tema numa busca simples no Pubmed – principal base de dados de estudos de saúde – a maioria destes estudos não foram feitos em humanos e não são ensaios clínicos, etapa primordial para atestar a segurança e eficácia do tratamento. 

Em busca realizada no portal no dia 9 de agosto de 2023, inserindo esses filtros, ficam apenas 268 estudos. Muitos deles são realizados em animais, revisões narrativas e estudos pré-clínicos, nenhum dos quais podem ser considerados evidências científicas.

O mesmo acontece quando pesquisamos modalidades de ozonioterapia, como retal e vaginal: não há evidências convincentes de ensaios clínicos randomizados. São estudados, em geral, desfechos substitutivos. As revisões narrativas, embora aleguem “efeito promissor”, não podem comprovar nenhum efeito.

Não custa lembrar que não é porque existe um artigo que há comprovação científica, até porque existem hoje muitas revistas científicas não confiáveis, conhecidas como “predatórias”. Esse tipo de revista não apresenta uma revisão por pares, sistema em que o estudo é revisado por outros pesquisadores, que garante a qualidade do estudo e o aceite do artigo para publicação.

Por outro lado, não encontramos nenhum artigo científico no Pubmed com os termos “ozone therapy and autism”, ou seja, não há qualquer estudo que tenha sido realizado e publicado para avaliar ozonioterapia em crianças autistas. Infelizmente essa tem sido uma suposta “indicação” frequente para uma prática invasiva que, ademais, fere a integridade corporal de crianças.

Vendida com a falsa promessa de “cura” do autismo, seus defensores iludem pais e famílias vulneráveis com a teoria de que crianças autistas estão “intoxicadas” e a terapia com ozônio eliminaria “todas as toxinas que afetam o organismo”. No entanto, nem autismo é causado ou agravado por toxinas, nem ozonioterapia pode ser propagandeada para “desintoxicar” autistas e curar o que não é doença, é condição.

> A Agência Bori é um serviço brasileiro de apoio à imprensa na cobertura da ciência.

• Lei da ozonioterapia sancionada por Lula ignora a racionalidade

• Ozonioterapia: conflitos entre ciência e regulamentação de prática sem eficácia comprovada

• Lei da Ozonioterapia: faltam evidências e sobram atropelos

Comentários

CBTF disse…
É triste que tanto a direita quanto a esquerda no Brasil foram pro lado de apoiar a pseudociência.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão