Pular para o conteúdo principal

França proíbe abaya nas escolas. 'Não se pode identificar a religião dos alunos olhando para eles'

A decisão foi tomada após a constatação do aumento do número de alunos que usavam a vestimenta, principalmente no ensino fundamental e médio


rfi

"Decidi que o uso da abaya será proibido na escola", respondeu categórico o ministro Gabriel Attal em uma entrevista ao canal TF1, na noite de domingo (27). "Quando entramos em uma sala de aula, não devemos ser capazes de identificar a religião dos alunos olhando para ele", explicou.

A lei que proíbe o uso de símbolos religiosos nos estabelecimentos de ensino franceses, adotada em março de 2004, garante a aplicação do princípio da laicidade no país.

De acordo com o jornal Le Figaro, a declaração de Attal atende às expectativas de diretores, professores e outros profissionais, que aguardavam um posicionamento do governo francês sobre a questão. Até agora, cabia a eles a decisão de aceitar ou recusar o uso da vestimenta nos colégios.

Conselho Muçulmano
diz que vestimenta não
é religiosa, mas cultural

Com a medida, Gabriel Attal, nomeado para a pasta da Educação em julho desde ano, mostra, a poucos dias da volta às aulas na França, que o Estado laico é um valor da República Francesa, e representa "uma liberdade", segundo o site do jornal Libération.

Na última quinta-feira (24), ele já havia declarado que "onde a República é colocada à prova, nós devemos nos unir".

Regra "necessária e justa"

O Le Monde enfatiza a regra "necessária e justa", na opinião de Attal, estaria alinhada com outras medidas adotadas recentemente na França, com o propósito de afirmar o princípio da laicidade. O ministro da Educação anterior, Pap Ndiaye, havia deixado a decisão a critério de cada estabelecimento de ensino.

A dúvida, questiona o jornal francês, é se a túnica típica, usada em países do norte da África e árabes por homens e mulheres, representa uma referência religiosa, contrária à lei do país.

O Conselho Francês de Culto Muçulmano (CFCM) declarou em junho que a abaya é uma vestimenta cultural, mas o debate continua, lembra o Le Parisien.

O sociólogo Jean Baubérot, entrevistado pelo diário da capital, acredita que a decisão do governo é "uma concepção punitiva da laicidade", que vai acabar sendo desconsiderada, mal compreendida e irá se somar a uma série de proibições. "Focar na roupa vai além da lei sobre a laicidade que proíbe o porte de símbolos religiosos", adverte o especialista.

> RFI (Rádio França Internacional) é uma agência de notícias financiada pelo governo francês.

• Roupa provocativa das mulheres é a causa de estupros, diz muçulmano

• Islâmicos da Rússia apoiam a invasão da Ucrânia

• Onze curiosidades sobre o mais cruel inferno, o muçulmano

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Terraplanista vai a Noruega, vê o sol da meia-noite e admite que a Terra é redonda

Bíblia tem mais de 2,5 milhões de mortes em nome de Deus

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Trechos bíblicos cuja existência crente finge não saber

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três