Pular para o conteúdo principal

Leitura da Bíblia na Câmara de Engenheiro Coelho é inconstitucional

Tribunal de Justiça determinou a retirada do regimento interno do legislativo o trecho que tornava obrigatória a leitura bíblica antes das sessões


Por unanimidade, o Órgão Especial do TJ-SP (Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo) julgou inconstitucional o trecho do regimento interno da Câmara Municipal de Engenheiro Coelho (SP) que instituía a "leitura da Bíblia Sagrada" no início das sessões.

Ao aceitar Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) movida pelo Ministério Público do Estado de São Paulo, a desembargadora Márcia Dalla Déa Barone, relatora do caso, considerou, em seu voto, que a casa dos vereadores daquela cidade afronta a laicidade de Estado do Brasil, de acordo com o que está firmado na Constituição.

Barone argumentou ainda que regimento interno da Câmara também ignora a Constituição de São Paulo, cujo artigo 11 determina que "a administração pública direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos Poderes do Estado, obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade, razoabilidade, finalidade, motivação e interesse público".

O Ministério Público foi acionado por Eduardo Banks, que tem se destacado pelo seu ativismo em defesa do Estado laico. Ele é o responsável por outras sentenças que impuseram a Constituição a câmaras e escolas municipais que, muitas vezes por interesses políticos, contaminam a administração pública com proselitismo religioso.

Banks aguarda o julgamento de Adins contra "leituras bíblias" nas câmaras municipais de São Carlos, Araraquara, Arthur Nogueira e Holambra, todas no Estado de São Paulo. A tramitação dos processos encontra-se adiantada, afirma.

Mais recentemente, tem aumentado os julgamentos que impõem a cidades e estados o respeito à separação entre Igreja e Estado, com argumentação com o mesmo embasamento. Inclusive, os processos mais novos citam os antigos, que adquiriram caráter de jurisprudência.

No caso de Engenheiro Coelho, a desembargadora Barone reconheceu o direito de liberdade de religião, incluindo o de não seguir nenhuma crença. Acrescentou, contudo, que os parlamentares não podem impor uma determinada religião em suas reuniões de trabalho.

Barone transcreveu trecho do parecer do Ministério Público:

“É elementar à laicidade a absoluta neutralidade do Estado, interditando posturas estatais em benefício ou em detrimento das diversas religiões estabelecidas no território nacional, de modo que o poder público deve se abster de criar preferência por determinada religião como a leitura da Bíblia nas sessões da câmara voltada exclusivamente aos seguidores dos princípios cristãos. (...)

O poder público pode colaborar de forma indistinta com todos os credos, e não lhe é dado manter com seus representantes relações de dependência ou aliança, ou subvencioná-los, direta ou indiretamente, posto que a liberdade de religião abrange inclusive o direito de não ter religião, do qual emana o impedimento à determinação, pela Administração Pública, da leitura da Bíblia durante as sessões públicas na câmara municipal.

Essa relação de distanciamento do Estado com qualquer religião no desenvolvimento de suas atividades próprias (art. 19, I, CF) não limita qualquer direito de expressão por parte dos parlamentares, que são livres para em plenário emitir suas opiniões. No entanto, o caso em apreço aprecia-se a exigência da leitura da Bíblia dentro da câmara de leis.”

 

> Com informação do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, do Ministério Público de São Paulo e de outras fontes e vídeo extraído do site da Câmara Municipal de Engenheiro Coelho.

• Banks se destaca como ativista em defesa do Estado laico



Comentários

CBTF disse…
Muito bom, estou muito feliz com o resultado, pois fui eu que fiz o pedido a Eduardo Banks que entrou com a ação na cidade de Engenheiro Coelho, vamos continuar denunciando esses desrespeitos a laicidade do Estado, tem muitas outras coisas erradas acontecendo aqui nessa cidade e no Estado de SP, no Natal por exemplo, na cidade vizinha de Artur Nogueira financiaram muitos shows de música gospel famosas, shows extremamente caros, que custaram mais do que a reforma que fizeram no Pronto Socorro da cidade, valores exorbitantes que deveriam ser usados pra outras prioridades, shows de 1 milhão de reais para uma plateia de 100 pessoas assistindo, com certeza é um péssimo uso do dinheiro público.
Revista Banksia disse…
É muito grave que esses "shows" estejam acontecendo. Você tem alguma publicação no Diário Oficial ou na imprensa? Pode enviar para banksianismo@gmail.com. A propósito, o MP também ajuizou ADI contra as "leituras bíblicas" na Câmara Municipal de Artur Nogueira, aliás, ajuizada depois que os Vereadores protagonizaram o festival de baixarias neste vídeo, filmado na sessão da Câmara onde eles decidiram manter a leitura: https://www.youtube.com/watch?v=AR11k8ulW2I
Gerson disse…
Textos, explicações e relatos semelhantes e exposto aqui, devem ser sempre canalizados nas redes sociais. Todo encombrimento da maldade, violencia, exterminio de pessoas em nome de D'us é um absurdo contrario a lei natural. O d'us que manda fazer essas aberrações não é um d'us verdadeiro. É um d'us monstro divinificado com um barbarismo universal. Parabens pela postagem.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Marcha para Jesus se tornou palanque para candidatos da extrema direita