Pular para o conteúdo principal

Florais de Bach não curam nada. É uma bobagem

Não há nenhuma prova científica que valide o suposto poder de cura dos medicamentos inventados pelo dr. Edward Bach

HARRIET HALL | Science-Based Medicine
médica que escreve
sobre pseudociência

Os chamados remédios florais de Bach contêm uma quantidade pequena de material floral em uma solução 50:50 de brandy (conhaque) ou álcool e água. Dizem que funcionam transmitindo uma energia por meio da memória da água (não é o mesmo que a homeopatia, mas igualmente implausível).

Esses supostos remédios foram desenvolvidos pelo médico Edward Bach, que nasceu em 24 de setembro de 1886, em Moseley, Inglaterra.

Bach se interessou por homeopatia, criando alguns nosódios, substâncias de materiais orgânicos derivados de produtos inativos de doenças, culturas de microrganismos (bactérias, vírus e fungos, por exemplo) ou parasitas, material infectado ou com alterações patológicas ou produtos de decomposição animal ou humana feitos seguros. Mas mudou o rumo de suas pesquisas.

Ele disse ter usado a intuição para obter uma "conexão psíquica" com as plantas. Colocava a mão sobre diferentes plantas para ver qual afetava seu estado emocional, coletando o orvalho delas para usar como remédio.

Ele começa assim o livro The Twelve Healers (Os 12 Curadores), publicado em 1936:

"Desde tempos imemoriais sabe-se que os meios providenciais colocaram na natureza a prevenção e a cura das doenças, por meio de ervas, plantas e árvores divinamente enriquecidas. Os remédios da natureza dados neste livro provaram serem mais abençoados que outros em seu trabalho de misericórdia; e que receberam o poder de curar todos os tipos de doenças e sofrimentos".

Não tenho ideia de onde vieram as provas de cura de tais medicamentos. Ele não oferece nenhuma evidência, nem mesmo depoimentos.

O livro explica como preparar essências florais por exposição à luz solar ou por fervura, e lista os remédios e suas indicações em 7 títulos:

Para medo

Para incerteza

Para interesse insuficiente nas circunstâncias atuais

Para solidão

Para hipersensíveis a influências e ideias

Para desânimo ou desespero

Por excesso de cuidado com o bem-estar dos outros

A natureza da doença é irrelevante, porque, para Bach, o mal só estaria na mente, desde a origem. A mente é tudo o que doente precisa considerar. Cure a mente e o corpo se curará.

O livro foi anunciado como “Uma explicação da verdadeira causa e cura da doença”. O “12” no título refere-se aos remédios originais. A descoberta de mais 26 “completou a série”.

Ele não explica como sabia não haver mais nada para ser descoberto. Eu só posso imaginar que uma pequena flor disse a ele.

Como um exemplo, Bach lista o larício em “Para desânimo ou desespero” com esta recomendação:

"Para aqueles que não se consideram tão bons ou capazes quanto aqueles ao seu redor, que esperam o fracasso, que sentem que nunca serão um sucesso e, portanto, não se aventuram ou fazem uma tentativa forte o suficiente para vencer."

As descrições soam mais como tipos de personalidade na astrologia do que como manifestações temporárias de doença.

Dr. Bach dizia
ter "conexão
psíquica" com
as plantas

Bach morreu de câncer aos 50 anos, Seus seguidores, contudo, afirmam que "ele morreu de exaustão e não da doença em si".

O Bach Center dá sustentação à pseudociência dizendo:

Não é nosso papel 'provar' que os remédios funcionam — em vez disso, simplesmente demonstramos como usá-los e deixamos que as pessoas provem o efeito em si mesmas.

Ainda assim, o Bach Center aponta para resumo de supostas evidências e para um estudo duplo-cego que está longe de ser persuasivo.

Também encontrei um estudo de dois geólogos italianos que usaram os remédios para melhorar as propriedades inerentes das rochas. Confesso não ter conseguido me forçar a lê-lo.

O incansável Edzard Ernst fez uma revisão sistemática de ensaios clínicos randomizados com data desde 2010, concluindo que os ensaios mais confiáveis ​​não mostraram nenhuma diferença entre remédios florais e placebos.

Uma pesquisa no PubMed encontrou algumas revisões em periódicos de Medicina Complementar e Alternativa [CAM na sigla em inglês]. uma negativa e outra (uma análise retrospectiva de estudo de caso) afirmando que o valor das essências florais é fazer os pacientes contarem seus problemas.

Há pessoas que acreditam nesse lixo

Adeptos dos florais de Bach oferecem treinamento em mais de 40 países aos interessados em se qualificarem em tratamento com essas substâncias. Há listas de profissionais qualificados em mais de 60 países.

Acessei o site de alguém iniciado em florais de Bach que mora perto de mim, chama-se Karen. Seu site tem depoimentos de clientes agradecidos.

Ela oferece uma consulta pessoalmente, pelo telefone ou Skype por US$ 65, incluindo um frasco de remédios e frete.

Karen também pratica cura com cristais (para equilibrar a energia no corpo etérico) e terapia energética. Cita o Dr. Oz [médico conhecido por ser uma personalidade televisiva] dizendo que a medicina energética é a próxima grande fronteira na medicina.

O Bach Center dá esta hilariante resposta a uma pergunta frequente sobre o uso de radiestesia e cinesiologia aplicada para selecionar remédios:

[A radiestesia e cinesiologia podem ir] direto ao cerne do problema antes que o cliente esteja pronto para ir tão longe. Isso significa que o autoconhecimento, um dos objetivos do tratamento com os remédios, nunca é alcançado adequadamente.

Insiste ser essencial selecionar remédios pela técnica de entrevista prescrita pelo dr. Bach.

Até existe na Oceania uma ramificação dos florais com plantas da Austrália. Recomenda meditar durante o tratamento. Mas tem de cantar “OM HUM NAMAHA”.

Uma universidade americana fundamentada em naturopatia, a Bastyr, ensina a terapia floral de Bach e vende um livro sobre remédios florais para animais.

Aparentemente, o NCCAM (sigla em inglês para Centro Nacional de Medicina Complementar e Alternativa dos EUA), que geralmente aceita a medicina alternativa, ainda não se convenceu sobre o poder de cura dos florais. Não encontrei nenhuma menção aos remédios de Bach em seu site.

Até mesmo o Banco de Dados Abrangente de Medicamentos Naturais afirma "não haver informações confiáveis ​​suficientes disponíveis sobre a eficácia dos florais de Bach".

A Colaboração Cochrane  organização não governamental sem fins lucrativos de revisão de estudos científicos, não lista nenhuma abordagem sobre florais elegíeis para financiamento. O que indica que ela está segura sobre a ineficácia dos remédios do dr. Bach.

É improvável que esses remédios causem reações adversas. E a quem tiver alergia à flor? Sem problemas, garante o Bach Center:

“As essências não contêm nenhuma substância material derivada de flores; portanto, elas não contêm alérgenos. Elas carregam apenas as informações energéticas de cada Flor.”

A única coisa que pode ter algum efeito real é o conhaque usado para diluí-las, mas é improvável que um paciente ingira o suficiente para ter muito efeito.

Tudo isso é uma bobagem. Mas, pensando bem, nada jamais se mostrou tolo demais para as pessoas que querem acreditar.

O termo “idiota florescente” vem à mente, mas essas pessoas não são idiotas, são apenas equivocadas. É deprimente. Eles provavelmente me diriam que eu deveria tomar um remédio floral para o desespero. Vou passar minha vez.   

Com informação de Science-Based Medicine e adpatação e edição de Paulopes para o português.

• Saiba por que o espiritismo kardecista é a alma da pseudociência no Brasil

• SUS adota o Reiki, uma pseudociência de cura pelas mãos

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Juiz que anulou união estável gay é pastor da Assembleia de Deus

Pastor Boas: "Não  nego minha fé" O juiz  Jeronymo Pedro Villas Boas (foto), 45, da 1º Vara da Fazenda Municipal e de Registros de Goiânia (GO), que anulou a união de um casal homossexual, admitiu hoje (22) que é pastor. "Sou pastor da Assembleia de Deus Madureira e não nego minha fé." Ele reafirmou  que a sua decisão está amparada pela Constituição que exige que para uma união o casal receba a autorização de um juiz. Justificou que a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), que garante aos homossexuais os mesmo direito civis dos demais brasileiros, não é vinculante e o acórdão daquela sessão ainda não foi publicado. "As pessoas no Brasil para viverem juntas e se unirem têm que ter os requisitos formais da lei. Quem reconhece isso é um juiz.". O juiz foi convidado a participar hoje (22)  de uma sessão da bancada Evangélica da Câmara, que entregou a ele uma moção de apoio. A corregedora-geral de Justiça de Goiás, Beatriz Figueiredo Franco

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

As mulheres deveriam ficar longe do cristianismo. Oito razões

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch

Música gravada pelo papa Francisco tem acordes de rock progressivo. Ouça