Pular para o conteúdo principal

Enfrentamento à Covid-19 evidenciou o poder da ciência

Investimento foi fundamental para a criação em tempo recorde de vacinas


Paula Penedo Pontes
jornalista

Unicamp

Há três anos, em 11 de março de 2020, a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou a pandemia de Covid-19. Desde então, mais de 700 milhões de pessoas em todo o planeta foram infectadas pela doença, com quase 7 milhões delas falecendo. 

Além de alterar fundamentalmente a maneira como a sociedade vive, trabalha e se relaciona, o SARS-CoV-2 representou um enorme desafio para a ciência, evidenciando que a comunidade científica, quando trabalha em conjunto, é uma importante aliada na solução de problemas globais.

“Ficou muito claro que quando há bastante investimento na ciência e a união de todas as pessoas com o mesmo objetivo, você consegue respostas relativamente rápidas”, comenta a infectologista Raquel Stucchi, da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp.

Com o sequenciamento genético do vírus obtido ainda em fevereiro de 2020, pesquisadores conseguiram determinar a estrutura de DNA do patógeno, possibilitando, pela primeira vez na história, o uso desse conhecimento para construir, em tempo real, respostas de saúde pública a uma pandemia.

Uma dessas respostas foi o desenvolvimento, em tempo recorde, de vacinas seguras e muito eficazes na prevenção das formas graves da Covid, já que conhecer a estrutura do agente infeccioso permitiu investigar as formas como ele atua e produz a enfermidade.

No caso do SARS-CoV-2, isso começa com a proteína Spike, uma espécie de espinha do vírus, que se conecta a um receptor chamado ACE2 para entrar nas células humanas.

“As vacinas geralmente contêm uma parte enfraquecida do agente infeccioso ou de uma toxina produzida por ele para o corpo produzir anticorpos, que são as células de defesa. E as vacinas contra a covid-19 foram criadas para gerar anticorpos contra essa proteína Spike”, acrescenta Stucchi.

Uma novidade, no entanto, foi o uso de vacinas que utilizam a tecnologia de carreamento de RNA, o material genético do vírus. Nesse tipo de imunizante, as células recebem uma sequência de RNA contendo as informações necessárias para produzir uma proteína que estimula a resposta imunológica do corpo. Mas é preciso ressaltar: embora nunca tivesse sido aplicado em populações, esse tipo de vacina não é uma tecnologia nova.

O uso do RNA mensageiro para a produção de vacinas vinha sendo estudado desde a década de 1990 e já contava com protocolos de segurança bem estabelecidos. O que os pesquisadores fizeram foi apenas voltar seu foco para a Covid-19.

O docente do Instituto de Biologia (IB) da Unicamp Alessandro Faria, que chefia o Departamento de Genética, Evolução, Microbiologia e Imunologia, explica que a finalização dessa vacina foi agilizada porque o mundo inteiro parou para focar apenas nesse assunto. 

Além disso, complementa, havia um nível de financiamento à pesquisa nunca visto antes. Os Estados Unidos, por exemplo, pagaram quase 2 bilhões de dólares para garantir a compra de 100 milhões de vacinas que ainda estavam sendo produzidas pela Pfizer, mesmo não havendo confirmação de que a empreitada teria sucesso.


Amostra do coronavírus
do primeiro paciente
infectado no Brasil

“Se você acha que ciência é cara, experimente ficar doente. Essa é uma frase da filantropa americana Mary Lasker que mostra que o investimento antecipado tem resultado”, argumenta o professor.

“Investir em desenvolvimento sai mais barato, porque permite ter tecnologias nacionais, ao invés de comprá-las, e porque podemos redirecionar a pesquisa de acordo com nossos interesses, como foi o caso da covid-19. Ciência parece que é gasto, mas talvez seja o maior investimento, porque é algo que se paga tranquilamente ao longo do tempo”, garante.

Frente de diagnóstico


Farias foi um dos coordenadores da Força-Tarefa contra a Covid-19 (FT) da Unicamp, iniciativa que colocou a infraestrutura da universidade a serviço da luta contra a doença. Além de pesquisas sobre o tema, a FT foi responsável por uma frente de diagnósticos, liderada pelo docente, que realizou mais de 300 mil testes PCR, tornando-se a segunda maior estrutura de testagem do estado de São Paulo. 

Com o Laboratório de Patologia Clínica do Hospital de Clínicas da Unicamp, tornou-se o primeiro local do país a receber validação para testagens sem contraprova, o que reduziu o tempo médio de espera por um diagnóstico de 17 dias para 24 horas.

De acordo com o pesquisador, um desafio enfrentado pela Força-Tarefa que acabou gerando um saldo positivo foi a escassez no mercado dos insumos para a realização das testagens, que geralmente eram importados. Devido a isso, a Unicamp estabeleceu parcerias com diversas empresas para a produção de alternativas nacionais, o que trouxe para o país a capacidade de realizar testes com tecnologia 100% brasileira.



• Síndrome de fragilidade determina a gravidade da Covid-19 em idosos  

“A testagem era a base para entendermos o que estava acontecendo, inclusive com semanas de antecedência, porque se víamos o número de resultados positivos subindo, sabíamos que dali a alguns dias eles estariam maiores ainda”, comenta o professor.

Atualmente, a Unicamp continua realizando cerca de 500 testes por semana, embora grande parte seja de maneira preventiva, como no caso de testes em pacientes que irão se submeter a transplantes. 

Conforme o professor, a Universidade está atualmente em um cenário bem estabilizado, com uma boa qualidade de monitoramento, mas a covid-19 continuará fazendo parte da rotina da sociedade por algum tempo, principalmente devido ao modo como a pandemia foi manejada.

Esse também é o entendimento da docente do IB Ana Arnt, para quem a Covid-19 está sendo erroneamente tratada como uma gripe. Apesar de a situação estar relativamente tranquila comparando-se a anos anteriores, 5 mil pessoas morreram em decorrência da enfermidade nos dois primeiros meses de 2023, número bem acima de outras doenças infecciosas que afetavam a população até 2019.

“Acho que ainda conviveremos com a covid por muito tempo, porque não há cobertura vacinal que dê conta em um curto espaço de tempo. Por exemplo, levamos décadas para controlar sarampo e pólio no Brasil. Então, teremos épocas de surto e, se tudo der certo, com cada vez menos morte. Mas ainda está morrendo mais gente do que deveria”, alerta.

Ciência não é estática


O comentário de Ana Arnt pode parecer desanimador, mas a docente lembra que quem discutia Covid-19 sem sensacionalismo já alertava isso em 2020. Desde 2019, a bióloga coordena a rede de Blogs de Ciência da Unicamp, que foi o primeiro veículo institucional de divulgação científica a ter um site exclusivo sobre o tema. 

O Especial Covid-19, lançado em 21 de março de 2020, soma mais de 300 textos, produzidos por 110 autores, e quase 2 milhões de visualizações, tendo sido um importante aliado na garantia de informações de qualidade durante a crise sanitária.

“Nos primeiros seis meses de pandemia, acordávamos com centenas de mensagens diárias em nossas redes sociais, com dúvidas de pessoas completamente perdidas sobre o que fazer e como fazer”, relata a professora, lembrando que um importante campo de atuação foi o combate a desinformações que vinham de todos os lugares, inclusive de veículos oficiais.

“Não tínhamos aliados no poder executivo, em termos de mandatários. Cada pronunciamento oficial era um espaço para termos que, no dia seguinte, combater a desinformação que estava chegando”, lamenta.

Em certa medida, essa desinformação se apropriou do fato de que, no início da pandemia, a própria comunidade científica ainda estava aprendendo como o vírus se comportava, e algumas informações vindas de autoridades científicas pareciam se contradizer.

Naquela época, por exemplo, as orientações de proteção focavam mais no incentivo à limpeza das mãos do que no uso de máscaras e distanciamento físico, e muitas pessoas usaram as mudanças de opinião para invalidar o que os cientistas diziam. Como explica Ana Arnt, essa mudança de posicionamento é algo intrínseco e positivo para o bom funcionamento da ciência.

Até o momento em que os cientistas passaram a entender mais detalhadamente os mecanismos do SARS-CoV-2, as medidas de proteção precisaram se basear nos modelos de doenças infecciosas anteriores, como o H1N1, zika e gripe suína, porque havia uma emergência sanitária e não era possível ficar parado.

“A ciência não é estática. Ela é um espaço de questionamentos, não de certezas, e a mudança de opinião se vincula à compreensão que fomos adquirindo. Higienizar mãos e rosto é importante para muitas doenças infecciosas e, talvez, naquele momento em que ainda não havia distanciamento, ela possa ter contribuído para reduzir a transmissão”, supõe.

> Esse texto foi publicado originalmente com o título Protagonismo da Ciência marca os três anos da pandemia.

• Vírus da Covid-19 pode ser detectado em lágrimas, mostra estudo

• Novo coronavírus infecta e se replica em células das glândulas salivares

• Quem não adota medidas contra a Covid-19 é sociopata, mostra estudo da UEL

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

MPF recorre no Rio à Justiça para permitir a ‘cura’ de homossexuais

O MPF (Ministério Público Federal) no Rio deu entrada na Justiça a uma ação civil pública para anular a resolução do CFP (Conselho Federal de Psicologia) que proíbe os profissionais de prometer “cura” da homossexualidade porque se trata de uma orientação sexual, e não de um transtorno. A iniciativa do MPF coincide com o esforço que lideranças evangélicas, incluindo seus representantes na Câmara dos Deputados, estão fazendo para derrubar essa resolução do conselho. Fábio Aragão, um dos três procuradores que assinam a ação, é evangélico. Para o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), isso demonstra que o Ministério Público está sendo instrumentalizado pela crença pessoal de um de seus integrantes. “Isso é um erro grave, porque a Justiça deve ser laica”, disse o deputado. “Retomar a discussão sobre a homossexualidade ser ou não uma doença é um absurdo do mesmo tipo que seria retomar a discussão sobre se o sol gira em torno da terra.” Carlos Tufvesson, estilista engajado no movimento de

Música gravada pelo papa Francisco tem acordes de rock progressivo. Ouça

Nobel da Academia Pontifícia diz a bispos que a evolução é fato

por Telmo Pievani , do Corriere della Sera Arber acredita que fé e ciência são compatíveis O presidente da Academia Pontifícia das Ciências, Werner Arber  (foto), biólogo prêmio Nobel de Medicina em 1978, proferiu, no dia 12 de outubro passado, uma conferência sobre as relações entre ciência e fé, apresentada ao pontífice e aos membros do Sínodo dos Bispos, na qual ilustrou com clareza as bases da explicação evolucionista contemporânea. O texto na íntegra está disponível no site da Academia . No contexto de uma reflexão "sobre as mútuas relações e compatibilidades entre o conhecimento científico e os conteúdos fundamentais da fé", Arber escolheu como exemplo de aquisições científicas essenciais a evolução do universo e a evolução da vida sobre a Terra, como "fatos científicos estavelmente verificados". O microbiologista da Universidade de Basel, que sucedeu a Nicola Cabibbo no fim de 2010, explicou ainda que as variações genéticas espontâneas e a seleção

Russas podem pegar até 7 anos de prisão por protesto em catedral

Protesto das roqueiras Y ekaterina Samutsevich, Nadezhda  Tolokonnikova  e Maria Alyokhina durou apenas 1m52 por Juliana Sayuri para Estadão Um protesto de 1 minuto e 52 segundos no dia 21 de fevereiro [vídeo abaixo]. Por esse fato três roqueiras russas podem pagar até 7 anos de prisão. Isso porque o palco escolhido para a performance foi a Catedral de Cristo Salvador de Moscou. No altar, as garotas da banda Pussy Riot tocaram a prece punk Holy Shit , que intercala hinos religiosos com versos diabólicos como Virgin Mary, hash Putin away . Enquanto umas arranhavam nervosos riffs de guitarra, outras saltitavam, faziam o sinal da cruz e dançavam cancã como possuídas. As freiras ficaram escandalizadas. Os guardas, perdidos. Agora as rebeldes Yekaterina Samutsevich  (foto), Nadezhda Tolokonnikova (foto) e  Maria Alyokhina (foto) e  ocupam o banco dos réus no tribunal Khamovnichesky de Moscou, acusadas de vandalismo e ódio religioso. Na catedral, assim como noutras manifes