Pular para o conteúdo principal

Cardeal francês diz que quando jovem abusou de uma adolescente

O líder religioso só confessou o crime após a sua aposentadoria

LUIGI SANDRI | L’Adige
jornalista

A confissão de um cardeal francês de 78 anos de que abusou de uma adolescente quando era jovem padre levanta novamente um problema canônico de particular complexidade: o purpurado pode continuar mantendo o direito de entrar em um eventual conclave para eleger o sucessor do papa Francisco?

Como um raio em céu sereno, Jean-Pierre Ricard admitiu publicamente sua culpa na semana passada. 

No contexto da Assembleia Plenária em Lourdes da Conferência Episcopal Francesa, Ricard — ordenado padre em 1968, criado cardeal por Bento XVI em 2006, aposentado desde 2019 — afirmou: 

“Hoje, quando a Igreja na França quis escutar as vítimas e agir na verdade, decidi não esconder mais a minha situação e colocar-me à disposição da justiça, tanto na sociedade quanto na Igreja. Essa abordagem é difícil. Mas, primeiro, há o sofrimento vivido pelas vítimas e o reconhecimento dos atos cometidos. Meu comportamento causou graves e duradouras consequências para essa pessoa [a jovem de 14 anos], a quem já renovei meu pedido de perdão. É por esses atos que decido tomar um tempo de retiro e oração”.

Diferentemente de casos semelhantes envolvendo bispos, aqui não há nada a investigar: foi o próprio Ricard quem admitiu seu gravíssimo erro. Portanto, não há dúvidas sobre seu passado criminoso. No entanto, a Santa Sé decidiu iniciar uma “investigatio praevia”, ou seja, uma investigação preventiva do caso.

Se, como parece óbvio, a investigação confirmar a admissão de Ricard, qual poderia ser sua pena? O purpurado francês completará 80 anos em setembro de 2024: portanto, até essa data, segundo a normativa vaticana em vigor, ele poderia entrar no conclave. No entanto, seria bastante embaraçosa a presença, naquela assembleia, de um cardeal pedófilo, embora arrependido do que fez como jovem padre.

Ricard vai pagar a
sua violência sexual
com orações

A decisão de retirar imediatamente de Ricard a possibilidade de entrar no conclave cabe a Francisco. Este, por enquanto, tirou esse direito de um único purpurado votante: o cardeal Giovanni Angelo Becciu, nascido em 1948, porque, na opinião do papa, esse cardeal realizou operações financeiras obscuras e ilegais; mesmo tendo sempre se proclamado inocente, o prelado acabou sendo julgado no Vaticano.

Quanto à França, o caso Ricard é particularmente explosivo, pois uma investigação independente, encomendada pela Conferência Episcopal, apurou que, nos últimos 70 anos, cerca de três mil padres (ou pessoas ligadas à Igreja) teriam cometido atos de violência sexual contra 216 mil menores.

Em 2021, o arcebispo de Paris, dom Michel Aupetit, teve que renunciar por ter uma atitude “inapropriada” com uma mulher. E há algumas semanas outro bispo francês foi acusado de atitudes escandalosas no confessionário.

Com tradução é de Moisés Sbardelotto para IHU Online.

• Igreja Católica da França vai vender propriedades para indenizar vítimas de abuso

• Igreja Católica paga bilhões de dólares pelos abusos de padres. E perde a credibilidade



Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Só metade dos americanos que dizem 'não acredito em Deus' seleciona 'ateu' em pesquisa