Pular para o conteúdo principal

Frente Evangélica divulgou incitação à violência feita por Jefferson

Publicação foi feita dias antes da prisão do ex-deputado bolsonarista, que atirou contra a Polícia Federal

MARIAMA CORREIA | Agência Pública
jornalista

“Nós temos a segunda força armada das Américas. Temos dois milhões de atiradores e colecionadores. Temos disposição para a luta. Eles que venham!”, diz o ex-deputado federal bolsonarista Roberto Jefferson, presidente de honra do PTB, em um vídeo publicado no Instagram da Frente Evangélica Brasileira. 

O material, onde o político que cumpria prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica sugere uso de armas e violência contra adversários políticos, foi postado em 20 de outubro de 2022, dois dias antes de ser preso após iniciar um ataque a policiais federais. Jefferson disparou mais de 50 tiros de fuzil e três granadas contra os agentes que cumpriam mandado de prisão do STF.

Na postagem, Jefferson ainda fez ameaças diretas ao candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e aos ex-presidentes Dilma Rousseff (PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Ele também citou José Genoíno, ex-presidente do PT. “Vamos corrigir o erro da revolução”, disse, se referindo à Ditadura Militar, “porque não podiam ter ficado vivos Lula, Fernando Henrique, Dilma, Genuíno”.

O vídeo recebeu 65 curtidas e foi reproduzido mais de 470 vezes. Ele foi divulgado enquanto o ex-deputado estava proibido de dar entrevistas e usar redes sociais. 

No dia seguinte à postagem, em 21 de outubro, Roberto Jefferson publicou outro vídeo chamando a ministra Cármen Lúcia, do STF, de “prostituta”, “arrombada” e “vagabunda”. O material foi divulgado pela filha do ex-deputado, a também ex-deputada Cristiane Brasil (PTB). A decisão que ordenou a prisão dele por descumprimento de medidas impostas na ação penal da qual é réu, cita o conteúdo contra a ministra.

A Frente Evangélica Brasileira, que ajudou a divulgar as ameaças de Jefferson, é um grupo político que se apresenta como “interdenominacional, conservadora e patriota”. Ela diz reunir religiosos, empresários e políticos bolsonaristas, e promove eventos conservadores na Bahia. O próximo será dia 27, em Feira de Santana (BA), com participação do deputado federal Eduardo Bolsonaro, o ex-deputado Daniel Silveira — condenado a prisão por ataques ao STF, que recebeu indulto de Bolsonaro —, e o secretário da secretaria da Cultura, capitão da PMBA e ativista pró-armas André Porciuncula. Este ano, Porciuncula se candidatou a deputado federal na Bahia pelo PL, mas não se elegeu.

Durante a campanha, a mesma frente evangélica também promoveu eventos de campanha para o presidente Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, como um encontro de mulheres com a presença da primeira-dama Michelle Bolsonaro e da senadora e ex-ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves. O encontro aconteceu no dia 16 de outubro, em Feira de Santana.

Jacqueline Moraes Teixeira, antropóloga, professora do Departamento de Sociologia da UnB e pesquisadora do segmento evangélico, observa que a Frente Evangélica Brasileira “apesar de se apresentar como interdenominacional”, “reúne igrejas mais relacionadas a denominações de classe média, conservadores, sobretudo homens brancos”. 

“Não parece ser um movimento com uma capilaridade grande ainda. Tem, sobretudo, atuação localizada em Feira de Santana e envolvimento de políticos locais,” observa.

Um deles é o candidato bolsonarista ao governo baiano, derrotado no primeiro turno, João Roma (PL). A frente usou suas redes sociais para divulgar materiais do político, que participou de um evento realizado pelo grupo em maio deste ano. 

No encontro também estava o diretor da frente e coordenador do Ministério Família Projeto de Deus em Feira de Santana, Nelson Navarro. Além de evangelista, ele também se apresenta como palestrante motivacional e especialista em treinamento empresarial. 

Na página da igreja, com 16 mil seguidores no Facebook, há um post de divulgação da Frente Evangélica Brasileira em apoio a Bolsonaro, publicado em 28 de setembro, que diz: “BOLSONARO 22, PARA LIVRAR O BRASIL DO COMUNISMO, INIMIGO TERRÍVEL DO CRISTIANISMO!!!”.

Roberto Jefferson, pregador evangélico

Em maio do ano passado, a Frente Evangélica Brasileira realizou um evento conservador que teve Roberto Jefferson como principal preletor. Entre “glórias a Deus” e “aleluias”, Roberto Jefferson, que se batizou em uma Assembleia de Deus, no Rio de Janeiro, em 2021, e vem sendo defendido pelo pastor assembleiano Silas Malafaia, fez um discurso acalorado contra o “marketing do gayzismo” e pela defesa da “família cristã”.

“A verdadeira liberdade está em poder crer na palavra de Deus. É a liberdade da qual não abrimos mãos e por ela verteremos o nosso sangue”, disse.

Ele estava acompanhado por lideranças evangélicas, como o pastor bolsonarista Joel Serra, presidente do Movimento Cristão Conservador, que foi candidato a deputado federal este ano pelo PTB. 

Serra mobilizou comitês de campanha para Bolsonaro pelo Brasil, nas chamadas Casas da Pátria. O pastor também levou apoiadores para a manifestação em apoio ao presidente, no dia 7 de setembro, na praia de Copacabana.

Este ano, Kelmon Souza, autointitulado padre Kelmon, substituiu Roberto Jefferson na disputa presidencial, fazendo uma espécie de dobradinha com Bolsonaro durante a campanha.

“Eu digo isso ao Bolsonaro… É lá que temos que ganhar, no Nordeste”, disse Roberto Jefferson durante o evento da Frente Evangélica no ano passado, confirmando sua proximidade com o velho aliado político e sua influência no planejamento da campanha de Bolsonaro, algo que o atual presidente e candidato à reeleição tenta negar. Depois do ataque aos policiais federais, Bolsonaro chegou a dizer que não tem foto com o ex-deputado e presidente de honra do PTB, informação que foi rapidamente desmentida.

A reportagem tentou contato com organizadores da Frente Evangélica Brasileira até a publicação, mas não recebeu respostas.

 


Esse texto foi publicado originalmente pela Agência Pública com o título Frente Evangélica divulga vídeo com ameaça de Roberto Jefferson a Lula

• Bolsonarismo mostra que a serpente do fascismo saiu do ovo

• Abuso do poder religioso: o voto é obrigatório, mas não sagrado

• Resultado das eleições de 1ª turno reflete a ascenção da religião evangélica



Comentários

Anônimo disse…
Essa frente evangélica é conivente com o crime, deveria ser fechada e seus donos presos.
Anônimo disse…
Acho isso uma aberração.
Esse Jéferson não sei porque ainda está na política. Só pode ser porque os políticos que estão lhe defendendo são iguais a ele, Jéferson.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Capela em centro espacial é absurdo, afirma estudante

do leitor Sérgio "Este prédio da capela poderia abrigar um bom laboratório" Sou físico e aluno de doutorado do INPE [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] em São José dos Campos (SP) e gostaria de fazer um breve comentário. Há 5 anos, quando ingressei no mestrado no instituto, fique fascinado com a estrutura física/financeira oferecida ao desenvolvimento da pesquisa. Sinceramente não tenho do que me queixar, mas uma coisa  chama muito atenção (não só a minha, claro). É que dentro do INPE (um centro de pesquisa principalmente física), acreditem, tem uma capela para oração. No local que é considerado o maior centro de pesquisa tecnológica da America Latina (a Nasa brasileira, como muitos dizem) existe tal absurdo. Esse prédio poderia, por exemplo, abrigar um bom laboratório ou coisa mais útil. O INPE (englobando todas as áreas – astrofísica, meteorologia, sensoriamento, engenharia de materiais, etc.) é formado por pesquisadores/cientistas de várias partes do mu

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Família esperou por três dias, mas Neide não ressuscitou; corpo foi sepultado cheirando mal