Pular para o conteúdo principal

Constituição veta uso de religião em eleições, mas a prática é outra

O voto é uma expressão da cidadania, não de valores religiosos

RICARDO OLIVEIRA DA SILVA
Doutor em história pela UFRGS

A campanha eleitoral que marcará a vida da sociedade brasileira nas próximas semanas sinaliza, em seus momentos iniciais, o uso de uma linguagem religiosa que define a disputa como uma luta do “bem contra o mal” onde quem se situa no lado do “bem” evoca constantemente o nome de Deus na defesa do que chama “valores da civilização cristã”.

O uso de conceitos religiosos como forma de dar sentido aos conflitos políticos possui uma longa tradição na história do Brasil. Na época colonial o que era entendido como América Portuguesa fazia parte de uma ordem política onde o governante (Rei) era visto como um representante de Deus na Terra. Era a chamada doutrina do direito divino dos reis.

O entendimento da separação da esfera religiosa da esfera política, cristalizada na ideia de um Estado laico (ausência de religião oficial de Estado, liberdade de culto, tratamento jurídico igualitário para todas as crenças religiosas, condenação legal a perseguição religiosa) ganhou força na Europa com os ventos liberais e iluministas do século XVIII.

No Brasil a constituição de um Estado com base em princípios laicos ocorreu apenas no final do século XIX com o advento da República. Apesar disso, o uso de uma linguagem religiosa como código interpretativo e fonte de respostas para os conflitos políticos não desapareceu. O que não chega a surpreender levando em consideração a influência das crenças religiosas, particularmente o cristianismo, na vida da população brasileira.

No contexto da Nova República, iniciada em 1985, se verificou, de um lado, a progressiva inserção de grupos evangélicos na arena política, espaço até então considerado por eles como o “mundo do profano e do Diabo”, mas que em nova leitura passou a ser visto como fundamental para garantir direitos e expandir a influência da religião na sociedade. Uma consequência disso hoje são as “bancadas evangélicas” nos legislativos.

Em Estado laico, religião
não deveria se misturar
à política 

De outro lado, nas disputas presidenciais, talvez com exceção de Fernando Collor nas eleições de 1989, a instrumentalização de uma linguagem religiosa para fins políticos não parecia central. Contudo, a partir de 2010, isso foi ganhando mais espaço quando o candidato José Serra trouxe o tema do aborto para a arena central do debate político por meio de uma retórica moralista e religiosa. O ápice, até o momento, do uso de referenciais religiosos nas eleições presidenciais ocorreu em 2018, com o candidato Jair Messias Bolsonaro.

A Constituição de 1988 contém, em seu texto, os preceitos da laicidade como orientadores da relação do Estado com a sociedade. A partir disso, a religião, independente da crença individual dos candidatos, teoricamente não deveria ser determinante para a atuação político. Mas na prática é o que acontece. E o que se vê é uma segmentação onde determinadas formas de expressar uma religiosidade, capitalizadas por igrejas e lideranças religiosas, são privilegiadas em detrimento de outros grupos.

Na modesta opinião desse colunista, as eleições de 2022, não apenas no âmbito presidencial, deve ser o momento para o exercício da prática da cidadania em preceitos laicos e seculares, uma vez que as políticas públicas propostas e executadas pelos governantes deve visar o bem comum da coletividade, independentemente da crença religiosa de cada um.


Câmara de São Carlos têm de respeitar Estado laico, apura consulta




Comentários

Concordo 100%! O Estado brasileiro é laico e assim que devem ser as políticas públicas, eleições, etc. Respeito a todas as religiões, sem privilégios a qualquer grupo. Isso se expande a todos os grupos, gênero, cor, credo, etc.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Marceneiro exigia obediência bíblica de filhas para estuprá-las

Moças afirmam que o pai usava a Bíblia para persuadi-las Duas jovens — uma de 16 anos e outra de 18 — de Cariacica (ES) acusam o seu pai, um marceneiro, de abusar sexualmente delas com o argumento de que a Bíblia exige dos filhos obediência aos pais, que é uma lei de Deus. Vários trechos bíblicos se referem a essa obediência, como em Colossenses 3:20: “Vós, filhos, obedecei em tudo a vossos pais, porque isto é agradável ao Senhor". Cariacica tem mais de 340 mil habitantes e fica a 15 km de Vitória. A mulher do marceneiro o denunciou à polícia, e ele negou a violência. Mas as jovens relataram em detalhes os abusos que vinham ocorrendo havia seis meses. Inicialmente, uma não sabia que a outra era vítima de igual violência. Os relatos das jovens são parecidos entre si. O estupro se dava na casa deles, no segundo andar, geralmente após o marceneiro lembrar que a Bíblia diz que os filhos têm de fazer tudo que os pais mandam. A mãe ficou sabendo da violência no sábado, dia 1

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao