Pular para o conteúdo principal

Moralidade evoluiu na Grã-Bretanha, mas tarde demais para Alan Turing

Perseguido por ser gay, cientista que desvendou código nazista se matou

JAMES HAUGHT
Freedom From Religion Foundation

Os pastores saúdam as “leis eternas de Deus”, as regras de moralidade supostamente imutáveis ​​da Bíblia. Mas eles estão errados. A moralidade evolui constantemente.

Por exemplo, Levítico 20 ordena que os homens que praticam sexo gay devem ser mortos. “Eles serão mortos, seu sangue está sobre eles.” (Estranhamente, as lésbicas não são mencionadas.)

No entanto, esse mandato sangrento é abandonado hoje em democracias ocidentais compassivas, a maioria das quais descriminalizou a homossexualidade e permitiu o casamento gay. É um passo histórico para a decência e o humanismo secular — geralmente alcançado contra a oposição da igreja.

Aqui está um exemplo triste dos velhos tempos ruins:

Durante a Segunda Guerra Mundial, Alan Turing era um gênio da matemática britânico que trabalhava em um laboratório de decodificação ultra-secreto a 64 km ao norte de Londres. Ele estava soberbamente em forma — quase classe olímpica — e muitas vezes corria para as reuniões de Londres.

Ele desenvolveu uma “máquina de Turing”, um computador que decifrou o desconcertante código Enigma dos militares nazistas aplicando algoritmos passo a passo aos símbolos. Foi um enorme avanço que permitiu aos Aliados interceptar submarinos nazistas, esquadrões aéreos e outros ataques. Winston Churchill disse que Turing fez mais para derrotar a Alemanha e encurtar a guerra do que qualquer outra pessoa.

Infelizmente, Turing era gay em uma época em que a homossexualidade permanecia um crime. Após a guerra, ele convidou um bandido para sua casa, que mais tarde voltou para roubá-lo. Quando a investigação policial descobriu evidências da sexualidade de Turing, ele foi processado. Ele foi oferecido uma escolha de prisão ou castração química. Ele escolheu o último.

Mas foi trágico, transformando seu corpo de atleta em mingau. E sua autorização de segurança de elite foi revogada. Desesperado, suicidou-se com cianeto.

Mais tarde, depois que a moralidade evoluiu, a Grã-Bretanha ficou envergonhada com o tratamento de Turing.

Turing na nota de 50 libras

Em 2009, o primeiro-ministro Gordon Brown emitiu um pedido de desculpas do governo pela “forma terrível como foi tratado”. Em 2013, a rainha Elizabeth concedeu-lhe um perdão póstumo. Em 2017, o Parlamento aprovou a “Lei Alan Turing” que perdoa retroativamente homens condenados sob tabus passados. Em 2019, seu rosto foi colocado na nota de 50 libras.

Hoje, Turing é um herói britânico, com estátuas dele em vários lugares e prêmios científicos em homenagem a ele. Em uma pesquisa da BBC de 2019, ele foi eleito a maior pessoa do século 20.

É uma pena que seu reconhecimento tenha chegado tarde demais, depois que ele foi destruído pela odiosa moralidade antiga.

> James A. Haught é jornalista e membro da FFRF (Freedom From Religion Foundation), organização sem fins lucrativos que se dedica à defesa da separação entre o Estado e a Igreja.

5º Encontro Nacional de Ateus homenageia Alan Turing





Comentários

LGBT+, gêneo, mulheres... Sempre vem com enorme atraso. Também culpa desses ditos "dos" Direitos Humanos (gerais) em que minimizam e até ignoram, nesse último situações de gênero e LGBTs, e com o exagero de "racismo".
Fora esse horror que geram enormes problemas, em "direitos" Humanos essa de enaltecer a tal "liberdade de crença (no sentido fé) e opinião", como algo "supremo". Inevitavelmente vai dar problemas quando se enaltece algo irracional. Em particular quando se é fé, seja crença religiosa, esotérica ou mesmo opinião exarcebada, devendo ser encaradas como a ÚLTIMA liberdade.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Bíblia tem mais de 2,5 milhões de mortes em nome de Deus

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião