Pular para o conteúdo principal

Como se não bastassem os ateus bolsonaristas, agora há os moristas

Moro não se opõe ao conservadorismo religioso

professor de história

Uma Pesquisa Datafolha divulgada em 25 de outubro de 2018 mostrou a estimativa da distribuição dos votos do eleitorado no segundo turno das eleições presidenciais brasileiras daquele ano de acordo com o perfil religioso dos votantes.

Nessa pesquisa, 1.048.388 da estimativa dos votos válidos foram de pessoas que se declararam ateias ou agnósticas. O candidato Fernando Haddad (PT) angariava 670.968 mil votos desse grupo, enquanto Jair Bolsonaro (PSL) obtinha, por sua vez, 377.420 mil votos.

Para quem olhar para os grupos religiosos vai reparar que a pesquisa revelou que Jair Bolsonaro (PSL) teve mais votos do eleitorado católico, evangélico (nesse segmento, de modo maciço), espírita e daqueles que foram classificados como de “outra religião”.

Fernando Haddad (PT) ganhou mais votos, além do segmento populacional dos ateus e agnósticos, dos adeptos de religião de matriz africana e dos que se definiram como “sem religião”.

Ainda que Bolsonaro tenha perdido a eleição no grupo ateísta e agnóstico, chama atenção que a estimativa de votos dados a ele por esse segmento tenha sido 377.420.

Bolsonaro, o candidato cujo lema de campanha foi “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”; o mesmo que disse durante a campanha que “não existe essa historinha de Estado laico. É Estado cristão”; o mesmo que estabeleceu alianças políticas com grupos religiosos conservadores; e que mais recentemente defendeu um “ministro terrivelmente evangélico” para o STF, dando a entender que o critério de escolha para o STF é a opção religiosa.

Muitos ateus e ateias não apenas votaram em Jair Bolsonaro como continuaram a apoiá-lo depois que ele foi eleito. A internet, especialmente as redes sociais, é uma fonte notável para encontrar esse tipo de posicionamento da parte de pessoas que se declaram ateístas.

Como pesquisador da história do ateísmo, fiquei intrigado e busquei entender o fenômeno do “ateu bolsonarista”. Como explicar algo que a princípio parece algo incoerente?

Uma primeira pista que me levou a decifrar esse enigma provém da definição que esses ateus a ateias oferecem ao ateísmo, o qual, na opinião deles, significa apenas não acreditar na existência de Deus.

Consequentemente, não haveria relação entre ateísmo e política, não sendo, assim, incoerente o apoio ao Bolsonaro. Ao se avançar nas explicações, essas pessoas também desfraldam a bandeira da anticorrupção como justificativa e, por fim, a convicção de que Bolsonaro seria eficaz no combate ao comunismo.

A partir de tais justificativas é possível entender que o ateísmo não significa para essas pessoas a possibilidade de desenvolver um olhar crítico e contestador sobre os elementos que buscam moldar a estrutura social na qual estão inseridos.


O ateu e ateia bolsonarista se revela politicamente conservador, baseado em ideias como a pauta anticorrupção, a defesa de uma economia de livre mercado onde o indivíduo é o único referencial (como a ideia de que a pobreza ou a riqueza é consequência exclusiva da ação dos sujeitos), apego aos valores heteronormativos como únicos corretos, vide família e casamento.

O entendimento do ateísmo apenas como descrença em Deus enfraquece o impacto político e social nas reflexões sobre diversas demandas que dilaceram o país atualmente.

E isso é mais impactante ao se ter conhecimento de que o ateísmo moderno, que apareceu acoplado ao desenvolvimento da filosofia iluminista, foi um poderoso fermento de contestação ao Antigo Regime europeu, como a estrutura social estamental, a união entre Igreja e Estado, as desigualdades econômicas e os valores morais retrógrados.

E agora, não bastasse a existência do “ateu e ateia bolsonarista”, a internet começa a revelar o surgimento dos “ateus e ateias moristas”, ou seja, apoiadores e apoiadoras do ex-juiz Sérgio Moro, atual pré-candidato para as eleições presidenciais de 2022, sob a justificativa de ele ser o candidato “honesto”, paladino da ética e da luta contra a corrupção, único capaz de vencer Lula e as esquerdas e não ser um fascista como Bolsonaro.

Ateus e ateias apoiando Sérgio Moro, a pessoa sobre quem pairam inúmeros relatos de ter atuado como um verdadeiro Torquemada na condução da Lava Jato, atropelado os procedimentos legais, vazado informações sobre a operação para a grande mídia e, declarado por fim, parcial pelo STF em julgamentos envolvendo o ex-presidente Lula.

Mas não apenas isso. Sérgio Moro tornou-se ministro da Justiça no governo Jair Bolsonaro. Na época, Rosângela Moro (esposa) declarou que "Moro e Bolsonaro são uma coisa só".

Mais tarde, Sérgio Moro saiu do governo Bolsonaro reclamando de interferências do presidente nos assuntos relativos ao Ministério da Justiça e dizendo até mesmo que na época do PT não havia esse tipo de interferência.

Mas, ao sair do governo, em nenhum momento Sérgio Moro mostrou divergência com a pauta econômica liberal, com a prática política autoritária e o conservadorismo religioso de Bolsonaro sobre os costumes. Esse é o mesmo Sérgio Moro que ateus e ateias começam a defender como “diferente” do Bolsonaro.

Algumas pessoas que lerem esse artigo podem concluir que eu estou defendendo que todo ateu e ateia tenha que ser de esquerda ou votar no PT e no Lula. Não.

Não é esse o raciocínio do artigo. O que quero ressaltar é que o fato de uma pessoa se auto definir como ateia não implica que ela não possa ser conservadora, moralista e eivada de preconceitos.

O que me entristece, ainda mais conhecendo a história de ateus e ateias que dedicaram suas vidas contra discriminações e desigualdades de vários matizes, como Ernestine Rose, Bertrand Russell, Simone de Beauvoir, Huey Percy Newton e José Saramago.

> Esse texto foi publicado originalmente na Tribuna da Imprensa sob o título Sobre ateus bolsonaristas e moristas: uma opinião.






Comentários

É assustador. Mas o problema também é a dita "esquerda" (adotando esse conceito, ainda que muitas das pautas estejam misturadas etc), na maioria ou pelos seus maiores influentes, é insistir com o infactível Socialismo e até os mais infactível Comunismo. Fora as insanidades de idolatrias à Cuba e outras DITADURAS do meio, achar que os palestinos são uns "coitadinhos e vítimas", que é diferente de criticar a TRUCULÊNCIA de Israel em muitos casos etc.
Junte com os vieses cognitivos, como dissonância cognitiva e hipocrisia, vai aparecer logicamente os ateus bolsominions, conservadores e afins insanos.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Marceneiro exigia obediência bíblica de filhas para estuprá-las

Moças afirmam que o pai usava a Bíblia para persuadi-las Duas jovens — uma de 16 anos e outra de 18 — de Cariacica (ES) acusam o seu pai, um marceneiro, de abusar sexualmente delas com o argumento de que a Bíblia exige dos filhos obediência aos pais, que é uma lei de Deus. Vários trechos bíblicos se referem a essa obediência, como em Colossenses 3:20: “Vós, filhos, obedecei em tudo a vossos pais, porque isto é agradável ao Senhor". Cariacica tem mais de 340 mil habitantes e fica a 15 km de Vitória. A mulher do marceneiro o denunciou à polícia, e ele negou a violência. Mas as jovens relataram em detalhes os abusos que vinham ocorrendo havia seis meses. Inicialmente, uma não sabia que a outra era vítima de igual violência. Os relatos das jovens são parecidos entre si. O estupro se dava na casa deles, no segundo andar, geralmente após o marceneiro lembrar que a Bíblia diz que os filhos têm de fazer tudo que os pais mandam. A mãe ficou sabendo da violência no sábado, dia 1

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Nobel da Academia Pontifícia diz a bispos que a evolução é fato

por Telmo Pievani , do Corriere della Sera Arber acredita que fé e ciência são compatíveis O presidente da Academia Pontifícia das Ciências, Werner Arber  (foto), biólogo prêmio Nobel de Medicina em 1978, proferiu, no dia 12 de outubro passado, uma conferência sobre as relações entre ciência e fé, apresentada ao pontífice e aos membros do Sínodo dos Bispos, na qual ilustrou com clareza as bases da explicação evolucionista contemporânea. O texto na íntegra está disponível no site da Academia . No contexto de uma reflexão "sobre as mútuas relações e compatibilidades entre o conhecimento científico e os conteúdos fundamentais da fé", Arber escolheu como exemplo de aquisições científicas essenciais a evolução do universo e a evolução da vida sobre a Terra, como "fatos científicos estavelmente verificados". O microbiologista da Universidade de Basel, que sucedeu a Nicola Cabibbo no fim de 2010, explicou ainda que as variações genéticas espontâneas e a seleção