Comentarista cristão sugere morte de judeus para enriquecer o Brasil

Bernardi fez referência positiva ao holocausto

PAULO LOPES / jornalista

Um obscuro comentarista da Jovem Pan, José Carlos Bernardi, está conseguindo seus 15 minutos de fama por revelar seus pendores para o nazismo, provavelmente por um descuido, no calor de uma discussão.

Ao debater sobre as dificuldades econômicas do Brasil com uma jornalista, Bernardi sugeriu o que fez a Alemanha se enriquecer durante a Segunda Guerra, segundo o seu entendimento: a matança de judeus para expropriar a riqueza deles.

Afirmou exatamente isto: "É só assaltar todos os judeus que a gente consegue chegar lá. Se a gente matar um monte de judeu e se apropriar do poder econômico dos judeus, o Brasil enriquece. Foi o que aconteceu com a Alemanha pós-guerra".

Na rede social, Bernardi se apresenta como "cristão". Se o inferno existisse, ele estaria cheio de cristãos como esses.

A repercussão na internet foi intensa, e o "cristão" pediu desculpas, disse que não teve intenção de ofender os judeus e o blá, blá, blá de sempre quando ocorre esse tipo de disparate.

Historiadores chamam a atenção para o fato de que o tal comentarista desconhece a história da Segunda Guerra e dos judeus, e alguém deveria conhecer o mínimo sobre o que propõe a falar.

Se o comentarista apurasse a origem do próprio nome de família, descobriria que "Bernardi" aparece na lista de italianos 'cristãos novos' — ou anussim, ou seja os judeus convertidos ao cristianismo à força, pela Santa Inquisição.

Bernardi, em si, não tem nenhuma importância, ele está na Jovem Pan para fazer barulho, é a estratégia dessa emissora conservadora para obter audiência.

Mas é preciso atentar para o fato de que muita gente pensa como Bernardi, gente com poder, que faz parte do governo "cristão" de Jair Messias Bolsonaro.

Só para lembrar: em janeiro de 2020, Roberto Alvim, então secretário especial da cultura, para enaltecer a cultura brasileira, fez um discurso mencionando uma frase de Joseph Goebbels, o ministro da propaganda de Hitler.

O Messias Bolsonaro está fazendo o "milagre" da multiplicação de verbas para parlamentares, arrombando as contas públicas, em troca de apoio para sua permanência no Governo.

Se houver a desgraça da reeleição de Bolsonaro, Bernardi certamente terá emprego garantido em Brasília.







Comentários

  1. Edição urdida com viés socialista comunista destinada fisgar apedeutas e massagear o ego dos adoradores da esquerda comunista.

    ResponderExcluir
  2. "Se o inferno existisse, ele estaria cheio de cristãos como esses. " - Na realidade ele apenas estaria matando os hereges. Muitos trechos dos textos cristãos consideram isso uma virtude.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, você está de sacanagem? Quem disse que os judeus são "hereges"? E não existe nenhum "direito" para os cristãos matarem hereges, ou seja, aqueles que têm dúvida sobre algum ponto relevante da fé, sem chegarem a ser "apóstatas", que são os que rejeitam a totalidade do catolicismo. Se o cristianismo tem nisso uma "virtude", então o erro está em ser cristão. São os intolerantes os que devem ser obrigados a se mudar.

      Excluir
  3. Eis aí um exemplo do amor cristão.

    ResponderExcluir
  4. Se ser judeu é ser herege, Jesus Cristo seria herege, por seu judeu?

    ResponderExcluir
  5. Cristianismo é tão bom que Jesus era Judeu.

    ResponderExcluir
  6. Sarcasmo...para se desenvolver a Europa pilhou o planeta...

    ResponderExcluir

Postar um comentário