Pular para o conteúdo principal

Holocausto é o resultado do anti-semitismo cristão, admite Igreja da Inglaterra

Nazismo matou seis milhões
 de judeus; Hitler nunca renunciou
 ao seu batismo católico

A Igreja da Inglaterra admitiu que o Holocausto é o resultado de séculos do anti-semitismo cristão.

O maior líder da igreja cristã, Justin Welby, o arcebispo de Canterbury, divulgou ao final de novembro de 2019 um relatório onde pede aos cristãos a se arrependerem dos "pecados do passado" e abandonem o estereótipos que ainda persistem contra os judeus.

Batizado na Igreja Católica, Aldof Hitler é o responsável pelo extermínio de seis milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial.

Por muito tempo a Igreja Católica admitia que um judeu, Judas, tinha traído Jesus, que foi morto por causa disso.

No documento, Welby afirmou que só os cristãos que tiverem consciência da "crueldade de nossa história" podem refletir honestamente sobre o passado.

O documento intitulado "Mundo infalível de Deus: perspectivas teológicas e práticas sobre as relações entre cristãos e judeus" foi preparado durante três anos pela Comissão de Fé e Ordem da Igreja Anglicana.



Ele afirma que a "estereotipagem e a perseguição [com a participação dos cristãos] ao povo judeu ao longo do tempo resultou no Holocausto".

Ressalta que "as atitudes cristãs em relação ao judaísmo forneceram um 'canteiro fértil para o anti-semitismo' e que ódio semelhante continua a existir no discurso políticos de "advogados pró-palestinos"'.

O documento assinado pelo arcebispo de Canterbury não poupou as músicas da Igreja que "transmitem o ensino do desprezo" e que não devem ser mais cantadas em público.

Com exemplo, citou o hino Lo, He Comes with Clouds Descending, de Charles Wesley, que sugere ser o povo judeu o responsável por Jesus ter sido crucificado. [Ouça no áudio abaixo].

Em 2016, Justin Welby comparou o anti-semitismo a um "vírus" e que "é uma verdade vergonhosa que, através de seus ensinamentos teológicos, a igreja, que deveria ter oferecido um antídoto, agravasse a disseminação deste vírus"

"O fato de o anti-semitismo ter infectado o corpo da Igreja é algo do qual nós, como cristãos, devemos estar profundamente arrependidos."

Ao finalizar, o relatório faz um resumo com o mesmo tom: “Os cristãos foram culpados de promover e promover estereótipos negativos do povo judeu que contribuíram para graves sofrimentos e injustiças. Eles, portanto, têm o dever de estar atentos à continuação de tais estereótipos e resistir a eles. ”

Música anti-semita


Com informação do The Telegraph e de outras fontes.

Comentários

lakesbuddy disse…
Não. O anti-semitismo é um termo errado pois Fenícios migraram para Europa,etruscos, bascos são povos Europeus e semitas e ninguém é contra eles. O ódio aos Judeus surge da invasão deles com o Cristianismo que é Hebreu e matou pessoas.
Os judeus da Espanha migraram para Inglaterra e de Portugal para Holanda. No livro de Ian Kershaw ele diz que a Holanda começou a expulsar os judeus muito antes da Alemanha, e depois a França. Os inglêses tem judeus desde de Roma quando os judeus se infiltraram nos druidas e destruíram seu culto.
Mas foi com Carlos Magno o mestiço judeu que começou o ódio a eles no ano 800 quando o imperador começa a exterminar pessoas que se recusavam ao cristianismo. Exterminou os Bruketri na Alemanha, os Wendos eslavos, ficou conhecido como assassino de saxões por matar 1500 saxões em um dia.
Depois do genocidio que os judeus fizeram com a sua religião cristã as pessoas querem que o mundo tenha pena deles.
Saulo de tarso já era judeu infiltrado no culto grego de chretus como diz Savitri Devi, foi preso por incitar o separatismo em Roma.
Próprio Flávio Josefo, foi preso em 70dc em Jerusalém.

Posts + acessados hoje

Pregação criacionista abre evento científico da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

Robinho e Neymar se negam a ver crianças de lar espírita

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade