Campanha 'Lave o Dito Cujo' ofende a família cristã, diz deputado evangélico

Doria tira totens do metrô

O deputado estadual Tenente Nascimento (PSL), de São Paulo, criticou os totens expostos em 15 estações do metrô de São Paulo da campanha "Lave o Dito Cujo", de prevenção ao câncer do pênis e da próstata.

Promovido pelo Instituto Lado a Lado, a campanha, também veiculada na internet, é composta por 336 ilustrações que ressaltam que "a higienização correta [do pênis] pode salvar a sua vida".

Em moção de repúdio que apresentou à Assembleia Legislativa, Nascimento afirmou que os desenhos são "uma afronta à família cristã, ou melhor, ao povo".

Argumentou que não se trata de "uma questão de religião ou de ideologia". Ele quer saber os "responsáveis" pela permissão da campanha nas estações. ​

Embora no Brasil seja grande a incidência de câncer peniano, o governo de João Doria aceitou a pressão do evangélico, retirando tirar os totens do Metrô.

O instituto lamentou que um alerta sobre doença que mutila e mata milhares de homens seja considerado "afronta aos costumes da família brasileira".

Este mês é dedicado mundialmente ao combate ao câncer de próstata, é o Novembro Azul. 

  

> Com informação da Folha de S.Paulo e Instituto Lado a Lado.

Associação de combate ao câncer rejeita ajuda de ateus


Netflix bane documentário que não apresenta evidências científicas


Comentários

  1. Um caso de saúde pública prejudicada por religião.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MAIS UM caso de saúde pública prejudicada...
      Prevenção de ISTs é clássica em combaterem, recentemente com manifestações contra prevenções à Covid-19 se somam a antisaúde pública..

      Excluir
  2. A campanha é válida, mas a peça do Casseta é de uma qualidade questionável.

    ResponderExcluir

Postar um comentário