Pular para o conteúdo principal

Vítima de violência sexual procura hospital para interromper gravidez. E recebe Bíblia de 'pró-vida'

A lei permite que mulheres engravidadas por estupro se submetam a aborto, e foi por isso que L., 26, procurou o hospital público paulista Pérola Byington, para o procedimento.

Na fila do ultrassom, a moça foi abordada por uma voluntária, que lhe entregou uma caixa de absorvente e uma Bíblia, como quem diz que o "aborto é pecado, condenado por Deus".

O assédio religioso em um hospital de referência em atendimento a mulheres é perversidade que agrava o sofrimento de vítimas de violência sexual. Pérola Byington deveria ficar mais atento para isso.

A estudante L. contou que se sentiu constrangida, mas aceitou a Bíblia, acompanhando as mulheres da fila. Ocorreu no dia 18, quarta-feira. No mesmo dia e hora, ela informou sobre essa militância pró-vida" em local indevido ao projeto Milhas pelas Vidas das Mulheres, que a monitorava.

Juliana Reis, do projeto Milhas, comentou: "Outra mulher poderia ter se sentido pressionada, saído de lá e feito um procedimento (o aborto) clandestino".

Questionado pelo site Universa, o diretor do hospital, Luiz Henrique Gebrim, admitiu a ilegalidade, até porque, disse, só é permitida a presença de líder religioso no Pérola Byington a pedido de um paciente em estágio terminal e com a autorização da administração.

Ele não soube informar há quanto tempo a "pró-vida" estava distribuindo o Novo Testamento no hospital. Disse que, após a denúncia, as voluntárias foram orientadas a não distribuírem textos de proselitismo religioso. Elas já deveriam saber disso.

Rosângela Talib, psicóloga e ativista do Católicas pelo Direito de Decidir, grupo que defende a laicidade do Estado, afirmou que se, se houver a distribuição de um símbolo religioso, o hospital teria de aceitar o de outras crenças.

O pior, acrescentou ela, é que "estamos falando de vidas, principalmente de mulheres negras e pobres que são as maiores vítimas de violência e da falta de acesso aos serviços. A gente tem um serviço de excelência no Pérola, e questões como essas atrapalham o andamento do serviço e os professionais".

'Amor' cristão
traumatiza ainda
mais mulher violentada
  
> Com informação do Universa é de outras fontes e foto de arquivo pessoal.

Negras são as principais vítimas de morte por aborto inseguro, diz especialista



Uma a cada cinco brasileiras já fez aborto, mostra pesquisa


Comentários

  1. "estamos falando de vidas, principalmente de mulheres negras e pobres que são as maiores vítimas de violência..." A cor NADA a ver com o caso, e sim porque são pobres. Negros adoram se podar de vítimas e os nonsense caem nessa.
    Esse povinho diz ser "pró-vida", mas é totalmente contra as mulheres. Típico de crédulo. Dissonância cognitiva, hipocrisia etc.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

Constelação familiar é tóxica e pode causar danos irreparáveis, alerta psicólogo

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escritor cristão admite que evangélicos têm 'estranha atração por figuras autoritárias'