Justiça determina que o ex-médico Roger Abdelmassih retorne ao presídio

> TÁBATA VIAPIANA
Conjur

A despeito da alegada gravidade dos problemas de saúde, não há comprovação de que não poderia mais ser tratado na penitenciária ou em hospital do sistema carcerário. Além disso, a pandemia de Covid-19 não autoriza, por si só, a concessão da prisão domiciliar.

Com esse entendimento, a 6ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo acolheu pedido do Ministério Público e determinou que o ex-médico Roger Abdelmassih, condenado a 278 anos de reclusão por estuprar pacientes em seu consultório, retorne ao regime fechado.

Ele estava em prisão domiciliar desde maio e obteve o benefício, pela terceira vez, junto ao juízo de Execução Penal em razão de problemas de saúde.

O MP recorreu ao TJ-SP e o relator, desembargador Eduardo Abdalla, concordou com o argumento de que Abdelmassih tem uma longa pena a cumprir, o que afasta a possibilidade de aplicação do disposto no artigo 117, II, da LEP.

"Lembrando-se, ainda, ad argumentandum, ser inviável a progressão 'por salto', porquanto vedada pelo artigo 112 e Súmula 491 do STJ", afirmou o magistrado. Para ele, também não ficou comprovado que os problemas de saúde do ex-médico não poderiam ser tratados na própria unidade prisional.

O relator concluiu que, apesar de ter cardiopatia grave, o ex-médico "pode ser tratado em hospital penitenciário, se o caso". Além disso, afirmou que a pandemia da Covid-19, por si só, não justifica a concessão da prisão domiciliar, especialmente porque a Resolução 62 do Conselho Nacional de Justiça não tem aplicação obrigatória.

"Nem mesmo a intranquilidade trazida pela pandemia é capaz de autorizar tão açodada providência, como determinada, tornando impertinente a prisão domiciliar ou humanitária, porquanto o sistema prisional deve se adequar às necessidades de tratamento de presos enfermos, na esteira, ainda, da LEP, artigo 14, ônus a ser cumprido pelo Poder Executivo, responsável pela administração penitenciária, que deverá adequá-la à necessidade do custodiado (artigo 40), e não o contrário, como se pretende", disse.

Ainda segundo o desembargador, a execução penal é regida pelo princípio do in dubio pro societate, ou seja, a dúvida plausível acerca do mérito do condenado em obter o benefício deve ser resolvida em favor da sociedade, "que não pode ser obrigada a conviver com a insegurança".

Assim, o ex-médico deverá retornar imediatamente ao presídio de Tremembé, no interior paulista. Conforme a decisão, a Secretaria de Administração Penitenciária deverá adotar todas as providências necessárias ao correto tratamento médico de Abdelmassih, observando-se os artigos 14 e 40 da Lei de Execução Penal.

> Com informação do acórdão 0002897-37.2021.8.26.0625. 







Comentários

Postagens mais visitadas

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Artista gospel se recusa a cantar em casamento de amigo gay

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Trechos bíblicos cuja existência crente finge não saber

Carl Sagan escreve sobre um 'pálido ponto azul' nos cosmos, a Terra

Igreja de 221 anos fecha nos EUA por falta de fiéis; avanço da secularização